Pesto clássico: uma receita fácil para ter no frigorífico!

homemade pesto recipe

O molho pesto clássico é das coisas mais versáteis que conheço e o manjericão é uma das minhas ervas aromáticas favoritas. Representa o verão como nenhuma outra! Quem nunca teve  um vaso de manjericão a precisar de ser aparado depois de vários meses a crescer na cozinha? O manjericão é uma erva anual, um ingrediente que apetece e traz memórias de verão. Pode aguentar-se durante os primeiros tempos frios mas morre antes do tempo frio chegar. Está-lhe nos genes. O meu vaso de manjericão estava há meses na minha cozinha. Eu pescava uma folha ali outra acolá. Com o verão em força não resisti: tinha de o usar todo antes de o perder por completo para as sementes!

Usei apenas os ingredientes tradicionais para o meu pesto clássico

Confesso que as quantidades foram um pouco “a olho” até acertar na versão perfeita desta receita. A minha receita é tão fácil que só é preciso apenas juntar num processador de alimentos:

  • uma chávena de manjericão fresco
  • meia chávena de pinhões tostados por 5 minutos no fogão
  • dois dentes de alho
  • azeite português (claro)
  • queijo parmesão a gosto.

E é só triturar juntando mais azeite até ficar com a consistência certa. No fim provei para rectificar com sal e….

…o meu pesto está pronto!


Não posso falar o suficiente sobre o quão bom ficou! Especialmente apenas com uma boa dose de espaguete integral e umas raspas de parmesão. E… mais nada. Massa com pesto fresco pode parecer para muitos um mero acompanhamento ou entrada. Mas é tão bom que eu faço questão de lhe fazer valer o lugar de prato principal! Para os mais exigentes eu sugiro apenas acrescentar umas nozes picadas e mais umas folhas de manjericão para trincar.

Mas o pesto pode ser usado das mais diversas formas e a segunda melhor é a acompanhar tomate e queijo mozzarella numa salada de pesto para um dia de piquenique. Mas também é perfeito como entrada barrado em crackers ou nachos, numa pizza de pesto, gnocchi com pesto, numa massa recheada, ou a acompanhar frango e batatas no forno com um toque de limão.

O molho pesto fresco, especialmente o pesto feito em casa, deve ser guardado no frigorífico com uma camada extra de azeite. E deve ser consumido no prazo de uma ou duas semanas. É seguramente superior a qualquer um que tenha comprado. O meu só dura uns 2 dias. Mais alguém com um manjericão a a pedir para ser aparado?

Continue Reading

Casinha de gengibre neste Natal

gingerbread house
gingerbread house
gingerbread house
gingerbread house
gingerbread house
gingerbread house
gingerbread house
gingerbread house

Este Natal resolvi aventurar-me na minha primeira casinha de gengibre.

Já fiz tantos projetos de Natal! Desde uma coroa de pom-pom para a porta, as decorações para a árvore de Natal, os calendários de advento… Enfim, há uma série de aventuras natalícias feitas à mão no blog que podem experimentar. Neste momento não preciso propriamente de mais nada em casa. Mas confesso que, logo este ano que passamos tanto tempo dentro de portas, eu queria algo feito à mão. Estes projectos trazem-me sempre o espírito de Natal mesmo quando ele teima em não aparecer. Por isso, este Natal resolvi aventurar-me na minha primeira casinha de gengibre.

Os mitos


A minha intenção era fazer uma casinha pequena. Só quando comecei a fazer a receita é que me apercebi… Não, pela quantidade de massa esta vai ser uma casa de gengibre como deve de ser! 
Para dizer a verdade esta pequena experiência desfez muitos mitos. A massa das bolachas de gengibre é muito resistente. E o icing, se for feito devidamente é um cimento muito potente e um estuque decorativo “misericordioso” que cai bem nas mãos dos humildes aprendizes. Ambos fazem com que as casinhas de gengibre sejam muito mais resilientes do que se imagina!

Decoração da casinha de gengibre


Não sou adepta das casas de gengibre cheias de gomas e cores fortes.Por isso optei pela versão “básica” da bolacha de gengibre decorada apenas com icing e que lhe dá um ar minimalista. Pelo menos eu não queria aventurar-me em grandes malabarismos logo na primeira tentativa… Ah, mas a genética do avô materno que preservo dentro de mim (entusiasta das fantasias) não resistiu a acrescentar-lhe uns  vidros nas janelas usando folhas de gelatina. Só para não deixar o frio entrar! 

Fiquei muito orgulhosa do resultado desta aventura e acho que vou repetir nos próximos anos!

Desejo-vos um Natal diferente, com a luz que falta nas ruas a emanar, desta vez, de dentro para fora.

gingerbread house
Continue Reading