The birth of a compromise…

Esta ilustração é da Tan Xi, uma artista e ilustradora que mistura o humor irónico e brincalhão com as realidades da poluição do oceano. Podem ver o seu lindo trabalho no website: http://www.messymsxi.com. | This illustration is by Tan Xi, an artist and illustrator that mixes wry, playful humor with the realities of ocean pollution. You can access her beautiful work through her website: www.messymsxi.com.

Vou contar-vos mais uma história: eu considero-me uma pessoa “sensível” mas, por norma, não chego ao ponto de chorar como uma madalena nos filmes, sobretudo se não estiver no “meu ambiente”. Nem em filmes, nem em documentários de natureza porque os problemas ali apresentados já são, geralmente, do meu conhecimento prévio e vou preparada para ver as coisas… Mas quando vi o documentário “A Plastic Ocean“, e mesmo sabendo o que poderia encontrar, eu desatei a chorar… Não foi pelo choque de ver o que via: aves a morrer à fome com o estômago cheio, redes fantasma a ferirem mamíferos marinhos, escovas de dentes atravessadas em bocas de peixes, sacos de plástico a serem confundidos com medusas pelas tartarugas… Tudo isso é duro, é certo. Mas eu chorei não pelo choque da situação impotente que sentia em relação aqueles seres vivos que estão a cada segundo a ser afectadas pelos plásticos no oceano, mas sobretudo porque em tudo eu via a minha escova de dentes, a minha garrafa, o meu saco de plástico, os meus cotonetes… Senti-me responsável. Naquele momento, aquele documentário era uma mensagem pessoal, muito pessoal. Esmagou-me um enorme sentimento de culpa. Se nem sempre o choque nos move, porque por vezes até nos paraliza, desta vez, gerou o compromisso de mudar aquilo que já antes me fizera sentir tão mal comigo mesma.

Como vos falei na semana passada, o meu desafio para 2019 (e 2020) é reduzir o lixo que produzo, nomeadamente a quantidade de plásticos que invade todos os dias a minha vida. As Nações Unidas estabeleceram 17 metas para o desenvolvimento sustentável para implementar até 2020 e entre as várias tarefas que temos em mãos está a redução drástica dos plásticos no planeta. Eu quero fazer a minha parte.
E daqui partilho convosco uma perspectiva que representa, não apenas a minha opinião pessoal, mas também a minha experiência profissional na área da comunicação da ciência em biodiversidade e ambiente.
Muitas vezes estas estratégias nacionais e internacionais parecem-nos todas muito bem, grandiosas, fortes, importantes. Olhamos para elas e dizemos “Sim Sr!” Vemos questões como o “aquecimento global” ou os “organismos em vias de extinção” e pensamos: “bem, isto é terrível” e educamos a nossa consciência, sensibilizamos as nossas crianças para defender a protecção da natureza… mas raramente mudamos o que quer que seja no nosso dia-a-dia. E quando alguém nos atira isso à cara reagimos: “Mas o que é que eu posso fazer? São as grandes empresas que fazem a maior parte do lixo e que destroem as florestas!” O peso da globalidade torna os objectivos avassaladores e incompreensiveis e a nossa atitude só demonstra que tão pouco temos noção do que realmente podemos fazer de importante para travar este tipo de problemas.
O que é que o cidadão comum pode fazer para travar o aquecimento global ou a extinção das especies? Estamos a cada dia mais longe da natureza e essa desconexão retira-nos compreensão: perdemos quer a noção do impacto do nosso dia-a-dia na natureza quer das acções concretas na resolução dos principais problemas ambientais. É tudo indirecto: há uma série de intermediários que nos lavam os olhos dos verdadeiros impactos das nossa rotinas, que nos desligam das nossas próprias acções, que nos iludem da ausência de responsabilidade. A grande conclusão, porém, é que não há dúvida de que os problemas globais têm origens locais (até individuais) e portanto é fácil compreender que as soluções para esses problemas globais sejam também locais (e individuais). Nós somos responsáveis, mas é certo que em muitos temas, já perdemos a completa noção da nossa ligação com eles e é difícil definir acções do dia-a-dia.

O que eu gosto nas metas para o desenvolvimento sustentável das Nações Unidas é que, pelo menos em algumas, eu sinto que é muito fácil para todos, todos nós, percebermos o impacto directo das nossas acções no problema e implementar rotinas diárias para contribuir na sua resolução. Uma delas é a questão da redução dos plásticos no mundo e em especial nos oceanos. Esta é uma questão em que todos nós conseguimos ver o impacto que temos: basta tomar consciência da quantidade de lixo que fazemos ao regressar das compras. Em segundos enchemos um saco de papel e plástico que convictamente, alguns de nós, colocamos na reciclagem… Reparem: o problema já não são só alguns gráficos de temperatura que ninguém compreende ou a subida, quase imperceptível para nós, do nível do mar… Aqui o problema é a garrafa de plástico que eu comprei, a embalagem de biscoitos que desembrulhei (e que tinha um filme de plástico, uma embalagem de cartão e um suporte de plástico onde encaixam 8 singelas bolachas…8) que provavelmente não são sequer muito saudáveis para o meu organismo. É o meu fio dentário, a embalagem da fruta, o saco de passear o cão, a cuvete da carne, a tampa do desodorizante, as lâminas de barbear. São coisas em que eu toco todos os dias e que, dia sim, dia sim, vão produzir a imensidão de plásticos e microplásticos que invadem a cadeia alimentar na qual eu própria estou inserida.
Todos os anos oitenta milhões de toneladas de plástico (garrafas, embalagens e outros resíduos) são lançados no oceano colocando em causa a vida marinha e entrando na cadeia alimentar. Com este ritmo, teme-se que, em 2050, os oceanos terão mais plásticos do que peixe. Fomos nós que criamos o problema, pelo que a solução está também nas nossas mãos.
Por esta razão eu resolvi estabelecer as minhas próprias metas, pelo menos para 2019, embora eu queira prolongar esta mudança de hábitos pelo menos até 2020.

Durante este ano eu quero:

* Testar 52 alternativas “zero plástico”
* Dessas alternativas, 22 irei implementar até ao dia 22 de Abril de 2019, o dia da Terra.
* Participar no Plastic Free July
* Ver os documentários: Plastic Paradise; Straws Film; Bag It; Trashed; Plastic China; Wasteland; Garbage Island: An Ocean Full of Plastic; Tapped; Clean Bin; No Impact Man: The Documentary
* Ler o livro “Desperdício Zero” da Bea Johnson

Este é o meu desafio para 2019 e vou fazer questão de vos colocar a par de todas estas coisas, tal como fiz com o meu Nature Journal durante 2018 (cujo resultado quero partilhar em breve!).

I’ll tell you one more story: I consider myself a “sensitive” person but as a rule, I do not go so far as to cry in the movies, especially if I’m not in “my environment”. Neither in films nor in documentaries about nature because the problems presented there are usually of  my prior knowledge and I am prepared to see things…. But when I saw the documentary “A Plastic Ocean“, and even knowing what I could find, I started to cry… It was not the shock of seeing what I saw: birds starving to death with a full stomach, ghost nets hurting marine mammals, toothbrushes pierced in fish mouths, plastic bags swallowed by turtles like a jellyfish… All of this is hard, that’s for sure. But I cried not because of the shock of the helplessness I felt in relation to those living beings who are affected by the plastics in the ocean, but above all because I saw my toothbrush, my bottle, my plastic bag, my cotton buds… I felt responsible. At that moment, that documentary was a personal, very personal message. A great sense of guilt overwhelmed me. If the shock does not always move us, because sometimes it paralyzes us, this time, it caused a commitment to change what had already made me feel so bad about myself.

As I told you last week, my challenge for 2019 (and 2020) is to reduce the waste I produce, namely the amount of plastics that invades my life every day. The United Nations has set 17 sustainable development goals to implement by 2020 and, among the various tasks we have at hand, one is the drastic reduction of plastics on the planet. I want to do my part.
And from here I share with you a perspective that represents not only my personal opinion but also my professional experience in the area of science communication in biodiversity and environment.
Often these United Nations, national or international goals and strategies seem to us all “very well”, “great”, “strong”, “important”. We look at them and say “Yes Sir!” We see issues such as “global warming” or “endangered species” and we think “well, this is terrible!” and we educate our conscience, we make our children aware of the protection of nature… but we rarely change a single thing in our day-to-day life. And when someone throws it out to our face we react, “But what can I do? It’s the big companies that do most of the garbage and destroy the forests!” The weight of globalization makes these objectives overwhelming and incomprehensible, and our attitude only demonstrates that we have very little sense of what we can really do to tackle these kinds of problems.
What can the average citizen do to stop global warming or the extinction of species? We are more and more far from nature, and this disconnection removes us from understanding: we lose both the notion of the impact of our daily lives on nature and the concrete actions in solving the main environmental problems. It is all indirect: there are a series of intermediaries that wash our eyes of the true impacts of our routines, which disconnect us from our own actions, which deceive us of the absence of responsibility. The great conclusion, however, is that there is no doubt that global problems have local (even individual) origins and therefore it is easy to understand that the solutions to these global problems are also local (and individual). We are responsible, but it is certain that in many subjects we have already lost the complete notion of our connection with them and it is difficult to define daily actions.

What I like about the United Nations sustainable development goals is that at least in some I feel it is very easy for everyone, all of us, realize the direct impact of our actions on the problem and implement daily routines to contribute to its resolution. One of them is the issue of reducing plastics in the world and especially in the oceans. This is an issue where we can all see the impact we have: just be aware of the amount of junk we do when returning from shopping! In seconds we fill a bag with paper and plastic, that we, some of us, put in the recycling bin… Please note: the problem is no longer just some temperature graphs that no one understands or the rising of the sea level (almost imperceptible for our daily life)… Here the problem is the plastic bottle that I bought, the packaging of cookies that I unwrapped (and that had a plastic film, a cardboard carton and a plastic holder where they fit just 8 cookies…8!) which probably are not even much healthy for my own body. It is my dental floss, the fruit packaging, the dog walking bag, the meat cuvet, the deodorant cap, the razor blades. These are things I touch every day and that will produce the immensity of plastics and microplastics that invade the food chain in which I, myself, am inserted.
Eighty million tons of plastic (bottles, packaging and other waste) are thrown into the ocean each year, putting marine life into danger and entering the food chain. At this rate, it is feared that by 2050, the oceans will have more plastics than fish. It was us who created the problem so the solution is also in our hands.
For this reason I have decided to set my own goals, at least for 2019, although I want to extend this change of habits at least until 2020.

During this year I want to:

* Test 52 “zero plastic” alternatives
* Among these, I will implement 22 until April 22, the Earth Day.
* Participate in Plastic Free July
* See the documentaries: Plastic Paradise; Straws Film; Bag It; Trashed; Plastic China; Wasteland; Garbage Island: An Ocean Full of Plastic; Tapped; Clean Bin; No Impact Man: The Documentary
* Read the book “Zero Waste Home” by Bea Johnson

This is my challenge for 2019 and I will be happy to share with you all these things, as I did with my Nature Journal during 2018 (I will share the Nature Journal final result soon!).

You may also like

Leave a Reply

Your email address will not be published.