Diana’s pre cut baby blanket

 

(scroll for the English version)

Quando comecei a aventurar-me no patchwork comprei um conjunto de tecidos pré cortados, um charm pack.

Um charm pack é um conjunto de 42 quadrados com 5×5 polegadas de tecidos de uma colecção. Em geral, estes tecidos combinam bem entre si já que foram desenhados em conjunto. O meu charm pack tinha uma colecção dos tecidos da colecção Scrumptious da Moda Fabrics que são muito florais e femininos!
No início não estava convencida da utilidade de 42 quadrados com pouco mais de 12cm de lado, mas depressa encontrei uma série de projectos para os usar.
Acima de tudo compreendi que utilizar conjuntos de tecidos pré-cortados permite-me criar projectos de patchwork com uma grande variedade de motivos sem ter de adquirir o mesmo número de tecidos a metro, o que ficaria bastante dispendioso! Para além disso, são muito úteis para iniciantes no patchwork que querem focar-se um pouco na costura e não tanto no corte.

Depois de alguns meses na prateleira à espera do projecto ideal acabei por usar o charm pack para fazer uma pequena manta de patchwork para a bebé da minha prima que pode ser usada como manta de alcofa, no carrinho de bebé ou como manta de brincadeiras.
Usei os tecidos da forma mais simples. Dispus os quadrados uns ao lado dos outros até conseguir uma distribuição coerente e avancei para a máquina de costura!
Para o verso da manta usei um tecido liso para compensar a grande variedade de tecidos da frente. Optei pelo Melon Kona cotton solids da colecção de Robert Kaufman que é muito parecido com o tom rosa dos tecidos do charm pack. Usei um enchimento com 80% algodão e 20% de polyester e linha vermelha para criar um motivo quadriculado.
Para o viés usei um tecido vermelho que já tinha e que combinava na perfeição com os tecidos da frente. Pela primeira vez (sobretudo porque procrastinei a colocação do viés e quando tive de o fazer não tinha tempo para coser o viés à mão) optei por coser todo o viés à máquina. Não fiquei totalmente contente e tenho de reconhecer que a subtileza de um viés cosido à mão é um detalhe bem elegante e que eu adoro fazer. Mas por outro lado, acho que não compensa em todas as peças. Obviamente há alguns segredos para obter um excelente resultado, o mais importante, a prática!
Para que ficasse um presente um pouco mais pessoal ainda acrescentei uma etiqueta com o nome da bebé. Adorei o resultado e a versatilidade deste quilt!

When I started to learn patchwork I bought a set of pre cut fabrics, a charm pack.
A pack charm is a set of 42 squares with 5×5 inches of a fabric collection. Usually, fabrics from the same collection combine well with each other. My charm pack was from the Scrumptious collection by Moda Fabrics, that are very floral and feminine!
At first I was not convinced about the utility of 42 small squares just over 12cm side, but I quickly found a number of projects to use them!
Above all I realized that using sets of pre-cut fabric allows me to create patchwork projects with a wide variety of fabric patterns without having to purchase them all by the yard, which would be very expensive! In addition, pre-cuts are very useful for beginners who want to focus on the sewing itself rather than cutting process.

After a few months on my stash shelves, waiting for the ideal project, I ended up using the charm pack in a patchwork blanket for my cousin’s baby that can be used in the crib, in the stroller or as a playing blanket.
I used the fabrics in the simplest way. I just set the squares next to each other until I achieved a coherent distribution and then I jumped to the sewing machine!
For the back I used a solid fabric to contrast with the busy quilt top. I chose the Melon Kona cotton solid from Robert Kaufman’s collection that goes with the pink of the charm pack fabrics. I used 80% cotton and 20% polyester batting and a red thread to create a checkerboard quilted motif.
For the binding, I used a pre-made red bias tape I already had that matches the quilt top perfectly. For the first time (especially because I procrastinated and then I ran out of time to sew the binding by hand) I chose to machine binding. I was not totally pleased about it and I have to recognize that the subtlety of an hand sewn binding is a very elegant detail that I love to do. But on the other hand, I think machine binding is perfect for some projects. Obviously there are some secrets to get an excellent result, most importantly, practice!
To make the blanket a little more personal I added a tag with the baby’s name. I love the result and the versatility of this quilt!

You may also like

Leave a Reply

Your email address will not be published.