Agora, estes momentos não são histórias

the sweetest wait 11

Vamos trazer à nossa toca um “bebé urso” no próximo ano.

Um dia vamos recordar a história de desejar, crescer e acolher um bebé nas nossas vidas. Vindo de uma sonhadora compulsiva como eu, estas recordações poderão parecer diferentes da forma como entram nos nossos corações neste momento. Tenho a certeza de fantasiarei esta época ainda mais! Mas é por isso que adoro escrever sobre todas as coisas que faço (quase todas as coisas) no blogue. Permite-me captar a essência das minhas experiências, sentimentos, aprendizagens e a forma como os vejo no momento. A visão sobre acabar por mudar, mas lembra-me as motivações que me impulsionaram a fazer algo. É por isso que lhes chamo histórias: elas podem até parecer diferentes de pessoa para pessoa. Mas pelo menos tentam captar o meu ponto de vista no minuto certo.

Um dia, estes momentos serão todos histórias

Estes momentos que estamos a viver agora serão todos histórias um dia: os nossos corpos a encaixarem-se num abraço com uma barriga pelo meio, a excitação nos nossos olhos quando começamos a pensar nisso, a cumplicidade de algo que é realmente partilhado, o vento a tocar a nossa pele quando temos um segredo, as nossas vozes e beijos a tentar entrar em vez de sair, os nervos mais sensíveis das nossas mãos a tocar a minha barriga à espera de serem suficientemente sensíveis para tocar algo tão pequenino, os pontapés que nos recordam, todos os dias, que há alguém lá dentro. O desejo de o conhecer, a vontade de o saborear o mais próximo que estará de nós.

preserving moments
preserving moments
preserving moments

Mas no “agora” estes momentos não são histórias

Mas, agora, estes momentos não são histórias. Isto está a acontecer e eu poderia jurar, que somos infinitos. Estamos no momento. 

Quem me dera ter a resposta para o capturar para o futuro. Mas nenhuma palavra me parece certa, não pareço eloquente para expressar o que sinto, penso que nem consigo expressar tudo com o meu corpo e rosto. O meu estado é de constante admiração com a nossa natureza humana. Nem mesmo fotografias conseguem captar tudo. Mas nós tentamos, tentamos sempre preservar as coisas que nos são valiosas, mesmo aquelas que sabemos serem invisíveis. É isso que nos torna humanos. Portanto, espero que as palavras, sons, texturas e imagens possam reunir algo pelo caminho. Pelo menos podem dar-nos sugestões para nos lembrarmos plenamente. 

Capturar momentos

Estas fotografias foram tiradas pela Mónica da @madlyyoursphotography on Instagram, num dos nossos lugares especiais para ir e admirar. Há um papel a desempenhar de ambos os lados: nós não sabemos realmente o que fazer para o expressar o que queremos na fotografia, mas tentamos ser nós próprios. Ela, que talvez o faça todos os dias, deve ter de entrar num mundo de fantasia para capturar plenamente os momentos íntimos de alguém. 

preserving moments
preserving moments
preserving moments
preserving moments

Um dia, estas imagens tornar-se-ão aquelas fotografias antigas

As fotografias foram tão divertidas de tirar, e agora que as admiro dão-me os melhores arrepios ao pensar que, um dia, estas imagens se tornarão fotografias antigas. Estou a viver o momento, tanto quanto posso, mas algo nestas fotografias faz-me apreciar o envelhecer e um dia recordar os dias em que esperávamos a chegada do nosso bebé nas nossas vidas. 

Nota: Pode ser controverso acolher um urso na toca de um coelho. Tudo faz parte do sonho entendem?

Continue Reading

Fazer à mão: uma nova era.

Portanto, temos já 5 meses de guerra na europa passados e o meu hobby the fazer à mão tem mantido a minha saúde mental.

A primeira coisa pela qual eu não esperava passar durante a minha vida era uma pandemia mundial. A segunda coisa que eu não esperava era uma guerra na Europa, especialmente uma guerra motivada por fronteiras terrestres. É um pouco “sec. XIII”, não é?  Depois da minha reflexão no último posto, é agora, mais do que nunca, necessário que criemos independência.

O desejo de nos contentarmos com algum tipo de solidão ou isolamento é agora reforçado como uma necessidade de independência e auto-criação. Depois da pandemia se ter transformado num foco de consumismo, agora podemos ser forçados a arregaçar as mangas, começar a trabalhar e ser os nossos próprios produtores. É uma mentalidade diferente: o mundo está (ainda) a mudar e nós temos de estabelecer prioridades. Primeiro fomos encorajados a curar as nossas relações e rotinas. Hoje somos encorajados a curar a nossa utilização de energia e a pensar sobre o que é o principal na nossa vida. Quando a pandemia nos atingiu, começamos todos a fazer pão para nos divertirmos e reconfortarmos. Hoje, podemos estar a fazer pão por necessidade e prioridades.

Eu gastei todo o meu stock de lã durante a pandemia porque usar as mãos me ajudou a manter-me sã, não porque precisasse. Hoje considero-me estar a trabalhar em modo de “auto-suficiência”. O que é comum nestas duas situações é o seguinte: é o fazer à mão é aquilo que mantém a minha mente e corpo saudáveis. Quando me sinto impotente, cozinho sempre pão porque me surpreende o quão eu posso realmente fazer, mesmo que seja apenas cuidar de mim ou de outros. Fazer à mão é poder.

Continue Reading

Os blogues morreram

Uau! Não queria deixar-vos à espera por tanto tempo por um post no blog. Será que os blogues morreram? Os últimos 12 meses foram cheios com muitos projectos novos, a maioria deles feitos à mão, criativos ou projectos de DIY que senti que não podia deixar de alimentar.

Os últimos dois anos também me mudaram muito e as minhas prioridades. Não estou a tentar redimir-me nem a desculpar-me. Isto correu como devia, e uma coisa de que agora estou mais consciente é do que este blog significa para mim. Visitei-o tantas vezes nos últimos 4 meses e gostei muito de viajar por ele como leitora. Fiz tantas coisas ao longo dos anos e agora tudo está cristalizado aqui. Estou tão orgulhosa! Inspirou-me realmente. Assim, no fim do último ano, tirei algum tempo para pensar nisso! Aqui estão os meus pensamentos.

“Os blogues morreram!”

Muitos dizem que “os blogues morreram”. Estarão mesmo mortos? Leio muitos deles, bem como outros formatos também, e acho que os blogs são os mais próximos de “casa” que se podem encontrar on-line nos dias de hoje. Outras plataformas não são tão “nossas” como esta. Vi muitos colegas voltarem-se para o Instagram, Youtube, etc. e prosperarem. Bom, eu não sou assim tão inteligente nas redes sociais. Não sou, luto muito para publicar nas redes sociais. Não me interpretem mal: estas são plataformas fantásticas e eu consumo e aprendo muito com elas. E eu deveria usá-las muito mais do que as uso. Mas sou sobretudo uma pessoa de “palavras” e por isso sinto-me melhor a alimentar um blog.

O mundo online também mudou

Há dois anos o mundo mudou e em apenas algumas semanas dirigimo-nos para o formato on-line para o trabalhar, comunicar, para entretenimento, etc. As plataformas de comunicação social online foram os intermediários entre nós, e entre as pessoas e a economia. E com isto mudou muita coisa: todas as estratégias de marketing estavam a mudar das ruas para a Internet.

Apercebi-me de que estava a consumir o meu conteúdo favorito enquanto era empurrada para as estratégias de marketing que sempre detestei. Sou uma rebelde da má publicidade. Deixei de ver televisão e de ouvir rádio há muitos anos porque a taxa de qualidade entre a publicidade e o conteúdo me irritava: o som, as cores, as cenas, a falta de criatividade e o demasiado tempo para tão pouco conteúdo (na maioria das vezes conteúdo de publicidade é de muito má qualidade, pelo menos aqui em Portugal). Isto é: Eu reconheço o poder da publicidade e acho que pode ser uma coisa espectacular. Mas hoje em dia, na sua maioria, não é. 

Uma relação dependente

Poderia divagar sobre isto durante horas, mas não o vou fazer. O meu ponto aqui é que tenho visto os meus bloggers favoritos, que, conscientemente, escolhem anunciar ou ser patrocinados por produtos ou empresas em que realmente acreditam, serem atingidos e utilizados por publicidade dramática inadequada. A maioria destes produtos nem sequer se fundem no seu conteúdo, levam cada vez mais tempo para o consumidor e estão literalmente a usar o impulso do conteúdo destes criadores apenas para o tornar uma experiência de pior qualidade. 

Alguns bloggers e criadores de conteúdos sofreram muito com isto: ficaram presos numa relação que começou bem e sã e está apenas a tornar-se cada vez mais possessiva com o passar do tempo. Alguns estão a cortar o cordão umbilical, mas muitos outros não estão em posição de o fazer.Além disso, o facto de as pessoas estarem presas e dedicarem muito tempo ao consumismo online despoletou muitos trolls e julgamentos gratuitos às formas de vida dos outros.

As pessoas estavam a consumir tudo: as coisas que realmente gostavam e as coisas que não gostavam sem qualquer critério, empurrando para baixo qualquer coisa que fosse diferente da forma como fazem as coisas ou tudo aquilo com que sempre sonharam. Duas coisas estavam a desencadear esta atitude: a diferença e a inveja, mesmo que geralmente escolhessem lê-las como “tradição” e “humildade”. Portanto, julgamos. É a natureza humana. Mas como humanos, podemos sempre escolher a forma como lemos as nossas próprias atitudes. 

Qual é a minha perspectiva?

Embora sendo uma introvertida, normalmente isolo-me desse tipo de expressão. Sei que isso não me faz bem. De nada serve. Posso imaginar o que faz a esses criadores que, de alguma forma, dependem do seu conteúdo para manter a sua vida.  Eu defendo um feedback positivo. Opto por não comentar se não tenho nada de bom para dizer. Opto por apoiá-los se puder, para que eles possam cumprir. E fico feliz pelo seu sucesso. Aprendo com eles. Naturalmente, como seres humanos, a qualidade do seu conteúdo depende muitas vezes das pessoas do outro lado desta conversa. Talvez não deva, mas é, como qualquer outro tipo de relação. Ambos esperam, ambos os lados esperam.

O outro lado é esta coisa do algoritmo que é apenas mais um jogo de sorte: ninguém sabe o que está para vir. A pandemia mostrou-nos que não se pode tomar nada por garantido, mas também mostrou-nos as coisas em que podemos sempre confiar. Os algoritmos também nos mostraram que não se pode tomar nada como garantido, que nada é fiável. É um jogo constante que muda as regras a cada minuto. Como a Natureza nos mostra, eu acho que não vale a pena a sua energia. Temos energia limitada de qualquer forma. 

Criar independência.

Hoje em dia, vejo muitos criadores de conteúdos a voltarem os seus esforços para um público mais curado e para uma produção independente. Acho que eles acreditam que é mais gratificante esperar do seu povo (as pessoas parecem ser pelo menos um pouco mais fiáveis hoje em dia) do que os algoritmos aleatórios. Se gostarmos do jogo, basta jogá-lo. Mas não queremos ficar dependentes dele. E isto é algo que estou a interiorizar para viver: a dependência só é saudável se se puder confiar nas coisas, aconteça o que acontecer. Assim, por agora, as coisas sobre as quais estou a escrever no meu blog vão focar a independência e a auto-estima. Irei curar mais o meu espaço, partilhar mais os meus pensamentos e proporcionar mais aos meus subscritores. Continuarei a publicar, embora mais ocasionalmente, sobre o cuidado do nosso espaço, a aquisição de competências, tutoriais, viver mais pausadamente, com ligação à natureza e criarei uma vida independente e um espaço em que todos possamos confiar. Vamos continuar!

Continue Reading

Tricotar uma camisola em confinamento!

knit-a-sweater-lockdown
  • knit-a-sweater-lockdown
  • knit-a-sweater-lockdown
  • knit-a-sweater-lockdown
  • knit-a-sweater-lockdown
  • knit-a-sweater-lockdown
  • knit-a-sweater-lockdown
  • knit-a-sweater-lockdown
  • knit-a-sweater-lockdown
  • knit-a-sweater-lockdown
  • knit-a-sweater-lockdown
  • knit-a-sweater-lockdown
  • knit-a-sweater-lockdown
  • knit-a-sweater-lockdown
  • knit-a-sweater-lockdown


Era a minha vez de ter uma camisola feita à mão.

Depois de arriscar um tamanho de criança, eu tinha de colocar em prática o que tinha aprendido. Por isso resolvi fazer uma camisola para mim. Fi-la durante os últimos meses de 2020 e foi um motivo de alegria vesti-la nos primeiros meses de 2021. Apesar do ano singular de 2020, 2021 trouxe-nos conhecimento e uma nova perspectiva sobre a vida. 

Materiais e modelo para tricotar à mão

A minha camisola foi feita no modelo Fortune Sweater da PetiteKnit usando fio duplo Silk Mohair da Isager Yarn na cor 00. É leve, não pica e é tão quente que me fez esquecer o frio de um inverno em confinamento.

Como “tricotar uma camisola” em confinamento?

Depois de terminar a minha camisola acho que depositei mais confiança em mim mesma. Talvez seja um reflexo do que tem vindo a acontecer ao longo desta pandemia. É certo que os planos nos saíram furados: uns mais do que outros. Mas há sempre sonhos para perseguir que nos redireccionam e nos mantêm íntegros. É apenas uma questão de abrir horizontes. Somando todos os pontos, caminhamos para concretizar um projeto maior: a nossa “”primeira camisola”.

Aquilo que parecia um desastre em Março de 2020 obrigou-nos a ser resilientes. Obrigou-nos a reordenar e reforçar os conteúdos do nosso dia-a-dia. E, sobretudo, a criar novos sonhos, novos desafios para os quais tivemos de contar connosco próprios e com aqueles de quem não podemos separar-nos. Não é um período para ter saudades. Nada apaga o sofrimento porque tantos de nós passamos. Foi como um terramoto que atingiu todo o mundo. Mas é um período para nos mostrar do que somos capazes. Ultrapassar, descobrir e sobretudo de fazer.

Uma reflexão emotiva sobre a minha camisola


Tirei estas fotografias no primeiro dia que o sol espreitou depois de duas grandes tempestades de inverno. Era como uma nuvem quente no clima agreste, nas ondas geladas e num areal ao qual o lixo marinho não parou de chegar… Era como um reflexo algo cru (que eu preferi assumir nas fotografias) do impacto que temos no mundo e que não faz pausa mesmo em plena pandemia. 

Continue Reading