Nature Journal Update: weeks 1-13!

(scroll for the English version)

Como sabem, este ano iniciei um pequeno Diário de Natureza que preencho semanalmente. No início estava um pouco tímida em relação a ele e acabei por guardar este projecto só para mim durante algum tempo. Não tinha a certeza de conseguir ser-lhe fiel e confesso que estava também um pouco intimidada pelos resultados: apesar de ser bióloga, passei os últimos 5-6 anos sem fazer uma observação como deve de ser, com o objectivo de desenhar ou pintar o que quer que seja neste contexto… Mas, perto do ano novo, andava a reflectir um pouco acerca do blog e percebi que, para que me reflectisse devidamente, faltava-lhe ter mais assuntos relacionados com a Natureza. Por isso, agarrei nos meus livros e apontamentos de ilustração cientifica, as minhas fieis aguarelas e iniciei um pequeno projecto que me poderia inspirar para escrever mais sobre Natureza. E que unisse duas coisas que eu amo: a natureza e as artes.

O mês passado ganhei finalmente alguma coragem para partilhar convosco este projecto e decidi publicar as páginas que fiz durante estes três meses, no Instagram. Vocês estavam tão entusiasmados e encorajaram-me tanto a continuar que eu achei uma boa ideia fazer uma espécie de “post de progresso” aqui no blog. Por isso, aqui estão as páginas das primeiras 13 semanas do meu Diário de Natureza. Estou completamente apaixonada por este projecto, não têm noção! Espero que gostem do que fiz até agora!

As you know, this year I started a weekly Nature Journal. I was a little bit shy about it in the beginning and kept it for me for a while. I wasn’t sure if I will be able to stuck with it and I was a little intimidated about the results because, despite I am a Biologist, I passed the last 5 or 6 not drawing a thing… But, around the new year, I was thinking about the blog and decided that, to really reflect me, it had to be more Nature stuff around here. So I grabbed my scientific illustration books and my watercolours and started a small personal project that, hopefully, will inspire me throughout the year to write about nature on the blog, and join this two things I love: nature and arts.

This last month I finally shared it you on this post and decided to post the pages I already done during the last three months on Instagram. You were so excited about it that I though it would be a nice idea to make a small “progress post” about this project on the blog. So, here are the pages from my Nature Journal for the first 13 weeks of 2018. I am sooooo in love with this project. You can not imagine! I hope you enjoy it so far too!
Continue Reading

Weekly Project: My Nature Journal

(scroll for the English version)

 

Há uns tempos prometi que partilharia os meus desenhos de biodiversidade. A verdade é que não os tenho coleccionados nem catalogados, nem tão pouco são feitos com grande esforço: são na maior parte das vezes meros apontamentos nos cadernos de trabalho, até nas bermas de livros ou em folhas soltas para experimentar materiais de pintura!
Como bióloga sempre me vi impulsionada para desenhar a biodiversidade em diversos contextos da minha vida profissional e pessoal. Há alguns anos tinha feito um workshop com o Fernando sobre ilustração científica e anos mais tarde acabei por me cruzar com ele como colega do curso de doutoramento: ele trabalhou a vertente da ilustração científica enquanto eu estudei o papel da comunicação da ciência na ligação do homem com a natureza. Nunca fiz aquele workshop com a pretensão de colocar em prática uma vida de ilustradora como a dele mas hoje, já com o meu trabalho feito, depois de alguns anos a pintar óleo e aguarela como autodidacta compreendi que a minha própria ligação com a natureza passa por muitas coisas, entre elas desenhar e pintar o que vejo.

 

Por isso, em Dezembro passado, decidi que ia organizar-me melhor neste sentido e criar um diário de natureza mais sério onde pudesse: colocar em prática as aguarelas, servir-me de algumas coisas que fui aprendendo sobre observação e ilustração, partilhar um pouco daquilo que sei sobre os diários da natureza e, acima de tudo, reconhecer e consolidar os meus momentos de ligação com ela. Não pretendo simplesmente fazer um desenho bonito nem, por outro lado, considerar isto ilustração como aquela que o Fernando faz! Apenas descontrair, motivar-me para a observação e usufruir do potencial de um bom diário da natureza.

 

Comprometi-me a fazer uma página (ou mais) por semana durante um ano e finalmente ganhei coragem para partilhar convosco o que já fiz! Se me seguirem no instagram, vão poder ver cada uma das páginas que já desenhei ao longo dos próximos dias, e depois, regularmente sempre que desenhar uma nova.

 

Revejo-me muito neste projecto pessoal e acho que chegarei ao fim com muita aprendizagem, boas memórias, novo conhecimento e atitudes mais positivas em relação à forma como me ligo à biodiversidade. Espero também poder partilhar convosco outros recursos relacionados com este pequeno projecto: dicas, livros, materiais, estratégias, etc.

 

Some time ago I promised that I would share my biodiversity drawings. The truth is that I have not collected or cataloged them, nor are they done with great effort: they are for the most part mere notes on my workbooks, even on the edges of books or on loose sheets where I try painting materials!
As a biologist I have always been motivated to draw biodiversity in diverse contexts of my professional and personal life. A few years ago I went a workshop with Fernando on scientific illustration and years later I ended up with him as a PhD fellow: he worked on scientific illustration as I studied the role of science communication in the connection between men and nature. I never did that workshop with the pretension of being an illustrator like he is, but today, with my work done, after a few years of painting oil and watercolor as a self-taught, I understood that my own connection with nature goes through many things, among them to draw and paint what I see.

 

So last December I decided that I would organize myself in this direction and create a more serious nature journal where I could: practice watercolors, use some of the things I learned about observation and illustration, share a little from what I know about nature journals and, above all, to recognize and consolidate my moments of connection with nature. I do not just want to make a beautiful drawing, nor do I consider this scientific illustration as the one Fernando does! Just relax, motivate myself to observe and enjoy the potential of a good nature journal practice.

 

I committed to doing a page (or more) a week for a year and finally I got the courage to share with you what I already did! If you follow me on Instagram, you will be able to see each of the pages that I have already drawn over the next few days, and then regularly whenever I draw a new one.

 

This project means a lot to me and I think I will end it with a lot of learning, good memories, new knowledge and more positive attitudes towards how I connect with biodiversity. I also hope to share with you other resources related to this small project: tips, books, materials, strategies, etc.
Continue Reading

Homemade bird feeders for wintering birds

(scroll for the English version)

Há uma semana regressamos de um pequeno passeio na Alemanha. Assim como muitas das cidades no centro da europa, Munique tem imensos jardins um pouco por toda a cidade onde diversas espécies de aves e mamíferos mais ubíquos não se inibem de viver perto dos seres humanos e até de se aproximarem mais do que o habitual. É uma especirência deliciosa ter um chapim a apenas alguns centímetros de distância. Esta aproximação é habitualmente mais forte durante o Inverno porque, no esforço para obter alimento, as aves arriscam-se um pouco mais. Ora, um pouco por toda a cidade eu vi cartazes de sensibilização que motivavam os residentes a comprar (ou fazer) alimentadores de Inverno para as aves da cidade.

Esta é uma forma muito eficaz de atrair biodiversidade para os nossos jardins e hortas pelo que segui algumas sugestões deste livro e fiz bolinhos de sementes e decorações de frutos desidratados para alimentar as aves do jardim da minha mãe!

Bolinhos de sementes:

Não há propriamente uma receita. Mas há que ter em conta que as principais fontes de energia necessárias para as aves são as gorduras e hidratos de carbono. Por isso ter uma base de gordura (normalmente animal, como a banha de porco, pois muitas aves alimentam-se de insectos e outros invertebrados como as minhocas e larvas) e sementes é indispensável. Depois basta misturar a gordura derretida com sementes diversas: nozes, milho, flocos de aveia, sementes de girassol, amendoins e claro, o tradicional alpista. A proporção é de uma parte de gordura para duas partes da mistura de sementes. Depois de bem incorporado deitar em copinhos de iogurte ou formas de cupcake e deixar solidificar. Para que fiquem seguros ao pendurar nas árvores, eu costumo usar um pedaço de fio do norte ou corda (evitar o fio de pesca que é transparente e pode emaranhar as aves), e colocar um arame no centro do cupcake como se fosse um pavio de uma vela antes de colocar a mistura. Desta forma, assim que solidificar está pronto a pendurar!

Fios de frutos desidratados:

Usando um pedaço de arame, espetar fruta desidratada como arandos ou mirtilos e depois dar-lhe formas: um coração, uma estrela. Também é possível usar um fio e uma agulha e fazer uma espécie de grinalda! Eu fiz um vídeo deste para que possam acompanhar o processo.

Há uma grande variedade de sementes e frutos para utilizar. Tudo depende das preferências das espécies que encontrarem no vosso jardim. Contudo, esta receita base é uma forma de conseguirem conhecer a biodiversidade da zona envolvente e, aos poucos, irem ajustando os ingredientes para satisfazer os gostos dos vossos convidados!

 

A week ago we returned from a short trip to Germany. Like many of the cities in central Europe, Munich has lots of gardens all over the city where several species of birds and more ubiquitous mammals dare to live close to humans and even to approach them. It is a delightful experience to have a Great Tit just a few inches away. This approaches are more frequent during the winter when the birds make huge efforts to obtain food, and take a little more risks. Well, throughout the city I saw awareness posters that motivated residents to buy (or make) winter feeders for the city’s birds! I thought it was a great idea.

This is a very effective way of attracting biodiversity to our gardens and vegetable gardens so I followed some suggestions from this book and made these seed cakes and dried fruit decorations to feed the birds of my mother’s garden!

Seed Cookies:

There is not an oficial recipe. But you should have in mind that the main sources of energy that birds need during winter are fats and carbohydrates. Therefore you should use a fat as a base (usually animal fat, such as lard, as many birds feed on insects and other invertebrates like worms and larvae) and seeds on your feeder. Basically just mix the melted fat with various seeds: nuts, corn, oat flakes, sunflower seeds, peanuts and of course, the traditional rice. The ratio is one part of fat to two parts of seed mix. Pour the mixture into yogurt cups or cupcake molds and let them solidify. To be safe when hanging the cakes on the trees, I usually use a piece of string or rope (don’t use nylon string because it is transparent and might hurt the birds; make the string visible for them), and place a wire in the center of the cupcake when placing the mixture, like a wick of a candle. This way, as soon as it solidifies, it is ready to hang!

Dried fruit decorations:

Using a wire jab some dehydrated fruit, like cranberries or blueberries, and then give it shapes: a heart, a star. It is also possible to use a thread and a needle and make a garland! I made a video for you to follow this one.

There is a great variety of seeds and fruits to use. It all depends on the preferences of the species you find in your garden. However, this basic recipe is a “go to” for you to get to know the biodiversity of the surrounding area and, gradually, adjust the recipe to satisfy the tastes of your guests!

Continue Reading

Book review: Roteiro do Céu

(scroll for the English version)

Hoje é lua nova. Por isso, caso o tempo permita, será uma excelente noite para observar o céu de Inverno. Já vos falei anteriormente que, observar as estrelas é uma das minhas coisas favoritas. E é muito fácil dedicar alguns momentos nas noites de Verão a ver as estrelas. Contudo, perderíamos metade do espetáculo se não repetíssemos o mesmo exercício pelo menos mais uma vez durante o ano. Em particular no Inverno, porque as estrelas no céu, à mesma hora, são diferentes!
Podemos reclamar do frio mas há alguma coisa de incrivelmente confortável em ficar embrulhado numa camisola de lã quente, um gorro, luvas, um excelente cobertor e fazer-nos acompanhar por uma chávena de chá e uma botija de água quente para passar uma ou duas horas a olhar para o céu em pleno inverno. E se o fizermos em boa companhia, pode tornar-se uma experiência inesquecível!

E é precisamente do céu de Inverno que eu gosto mais! As constelações que podemos ver ao inicio da noite dos meses de Inverno contam as mais belas histórias da mitologia grega e “escondem” nublosas e galáxias que podemos mesmo ser capazes de ver a olho nu ou, no máximo com a ajuda de binóculos. A constelação de Orion, por exemplo, é a constelação de Inverno por excelência e é facilmente reconhecível no Zénite pelo teu cinturão de três estrelas: as três-Marias.

Ora desta vez resolvi partilhar convosco aquele que é, para mim, o melhor guia para as estradas do céu. Chama-se “O Roteiro do Céu” e é do incontornável Guilherme de Almeida, para mim, também um excelente comunicador de ciência. O Guilherme é também autor de “O Céu nas postas dos dedos” ou de “Observar o céu profundo”e já trocou alguma correspondência comigo quando fiz duas ou três sinopses dos seus livros.

Não escolhi este livro por acaso. Este exemplar é meu, mas há outro bem antigo em casa dos meus pais, de capa mole com os cantos gastos de tanto uso. Foi a partir dele que o meu pai, bom conhecedor das estrelas no céu e dos segredos do universo, aprendeu de forma autodidata a orientar-se no céu. O seu entusiasmo chegou a ser tanto que acabou por o partilhar comigo que hoje lhe sigo as pegadas. Não era raro que, sobretudo nas noites quentes, ele saísse pela porta da cozinha e se demorasse a sacudir as migalhas da toalha de mesa ou a alimentar os cães. E quando eu o ia chamar lá acabava por ficar colada ao céu também, absorvida naquele quadro de estrelas que, ao longo de milhares de anos, tinha surpreendido as mentes de tantos homens e mulheres. É um quadro que partilhamos com a nossa história, com os nossos antepassados. É das poucas coisas que vemos tal e qual eles viram.

A partir do momento em que estes pensamentos nos alcançam a curiosidade cresce. E é muito natural que o primeiro objectivo seja apenas saber que estrelas ou constelações estamos a observar e, para isso, o Roteiro do Céu, juntamente com algumas Apps, talvez seja até mais do que suficiente! Mas não se admirem se, logo a seguir, quiserem saber um pouco mais sobre as constelações, como se movem no céu, que estrelas são na verdade planetas do nosso sistema Solar, como as distinguir das restantes, quais as estrelas mais próximas da terra, que aglomerado de estrelas foi aquele que observamos no céu a noite passada, quando podemos ver estrelas cadentes, o que são nublosas, como seria soberbo ir ao hemisfério sul só para ver o céu nocturno, etc! E é nesse momento em que, sem darmos por isso, nos vemos completamente absorvidos pelo discurso fácil e cativante que os primeiros capítulos do Roteiro do Céu nos apresentam. Rapidamente compreendemos como tudo funciona, ficamos profundamente tocados pela nossa pequenez e unicidade, agradecidos pela intelig|ência e pelo nosso lugar no mundo. E acima de tudo ficaremos rapidamente prós em identificar as constelações, em prever as horas a que estes aparecem, em identificar planetas no céu e apreciar o seu brilho!

Depois destes capítulos iniciais, cuja leitura teremos necessidade de intercalar com algumas observações, a grande parte do livro dedica-se a disponibilizar mapas de observação tanto para o hemisfério norte e hemisfério sul, e em especial para os vários meses do ano, possibilitando-nos descobrir, a cada mês, coisas novas. Portanto não se admirem se este livro, tal como o do meu pai, começar a apresentar sinais severos de uso e re-uso porque raramente passará mais do que um/dois meses sossegado na prateleira!

Penso que este não será ainda o último post sobre astronomia no blog! Pelo contrário. De cada vez que escrevo acerca deste assunto, assalta-me uma nova ideia para partilhar convosco: as Apps que mais utilizo, as ferramentas que preparo e levo comigo para observar o céu. É que a cada dia que passa reconheço a observação do céu como uma das mais gratificantes actividades de conexão com a natureza, de viver devagar, bem e a custo baixo, usufruindo com sustentabilidade daquilo que a natureza tem para nos oferecer.

Today is new moon. Which is awesome because, if the weather allows, it will be a great night to do a little star gazing! I’ve told you before that observing the stars is one of my favorite things. And it’s very easy to spend a few moments on summer evenings on star gazing. However, we would lose half of the show if we did not repeat the same exercise at least one more time during the year. Particularly in winter, because the stars in the sky, at the same hours, are different from the ones in the summer!
We can complain about the cold but there is something incredibly comfortable about getting wrapped up in a warm wool sweater, a hat, gloves, an excellent blanket and grab a cup of tea to spend an hour or two star gazing right in the middle of winter. And if we do it in the good company of a friend, it can become an unforgettable experience!

And I choose to share this again today because the winter sky is my absolute favourite! The constellations that we can see at the beginning of a winter night tell us the most beautiful stories of about greek mythology and “hide” the coolest nebulae and galaxies that we are able to see with the naked eye (or with the help of a basic binoculars). The constellation of Orion, for example, is “the” winter constellation “par excellence” and is easily recognizable in the Zenith by its three star belt.

I get so excited about this that I decided to share with you the guide I use for years to guide me in the starry sky. Unfortunately you won’t find it in English but someone as recommended this one. What can you say about it? Is it good? I am tempted to buy it but I would like to hear your impressions! The one I am sharing is the one I use the most and is called “Roteiro do Céu” by Guilherme de Almeida that also is, at least for me, an excellent Portuguese science communicator. Guilherme is also the author of “O Céu na ponta dos dedos” and “Observar o céu nocturno” and has already exchanged some correspondence with me when I wrote some synopsis of his books.

I did not choose this book by chance. This copy is mine, but there is another old one in my parents’ house: soft cover with worn edges because of the use. It was from that book that my father, a good knower of the stars in the sky and the secrets of the universe, learned in a self-taught way to orient himself in the sky. His enthusiasm came to be so much that he ended up sharing it with me and today I follow his footsteps on this subject. It was not uncommon for him, especially on hot summer nights, to walk out the kitchen door to get the crumbs off the tablecloth or to feed our dogs, and get distracted and delayed by the stars in the sky. And when I tried to call him, I would end up looking at the sky too! I just get absorbed in that picture of stars that, over thousands of years, had surprised the minds of so many men and women. It is a picture that we share with our history, with our ancestors. It is one of the few things we see as they have seen.

From the moment these thoughts reach us, curiosity grows. And it’s only natural that the first goal is just to know which stars or constellations we’re observing, and for that, a simple guide along with some Apps may be enough! But do not be surprised if, soon after, you want to know a little more about the constellations, how they move in the sky, what stars are actually planets of our Solar system, how can you to distinguish them from the rest, which stars are closest to the earth, what is that cluster of stars that you saw in the sky last night, when can you see shooting stars, where can you see a nebula or a galaxy, how wonderful it would be to go to the southern hemisphere just to see the night sky, etc! And it is at that moment that, without realizing it, we are completely absorbed by the easy and captivating text that the first chapters of the “O Roteiro do Céu” present to us. We quickly understand how everything works, we are deeply touched by our smallness and uniqueness, we are grateful for intelligence and for our place in the world. And above all, we quickly star to identify the constellations, predicting the hours they appear, identifying planets in the sky and appreciating their bright!

After these initial chapters, that we will mix with some observations, much of the book provides observation maps for both the northern and the southern hemisphere, and especially for the various months of the year. This makes it possible for us discover, every month, new things in the sky. So do not be surprised if this book, like my father’s, begins to show severe signs of use because it will rarely rest more than one/two months on the shelf!

I think this will not be the last post on astronomy on the blog! On the contrary. Each time I write about this subject, a new idea gets me about something to share with you. Every day I recognize that star gazing is one of the most rewarding activities of connection with nature, slow living, well being and low cost activities that allow us to enjoy what nature has to offer.

Continue Reading