Plastic free christmas wrapping!

(scroll for the English version)

 

Estamos nas vésperas de Natal e é dia de embrulhar os últimos presentes! Desde o ano passado que eu não compro mais papel de embrulho. Tenho gasto os restos que ainda tenho e, sempre que preciso de algo novo, uso o meu rolo de papel para criar algo único com os meus carimbos. Este ano ofereceram-me um carimbo com um pequeno floco de neve que usei para carimbar todo o meu papel. Como disse aqui, ainda não me sentia absolutamente satisfeita com os meus embrulhos de Natal e por isso tenho pensado em formas de melhorar.  Este ano, para além do meu papel de embrulho versátil, feito à mão e sem químicos nem plásticos, aboli também a tradicional fita-cola. Porque não é reciclável e existem opções bem mais sustentáveis. Optei por uma fita cola de papel kraft (livre de solventes e ecológica). Disse não aos laços de fita de plástico e optei ou por fio twine ou por fio “do norte”, um fio de linho 100% natural e biodigradável. Acrescentei uma pequena porção de pinheiro (também ela biodegradável) para dar vida, e uma etiqueta de papel reciclado em vez de uma plastificada e autocolante. Na verdade, à parte a fita de papel Kraft eu não comprei nada para embrulhar os meus presentes o que me deixou muito contente e me poupou algum dinheiro. E eu acho que os meus presentes estão fabulosos!

 

Aqui estão mais 4 opções zero plástico para embrulhar presentes de Natal para acrescentar às minhas 52 experiências sem plástico! As restantes ficam para o início do novo ano!!

 

It’s almost Christmas eve and it’s time to wrap all the presents! I never bought any wrapping paper again… I’ve spent the remains I still have and whenever I need something new, I simply use my blank roll of paper to create something unique with my stamps. This year I was offered a snow flake stamp which I used to stamp all my wrapping paper for christmas. As I said before, I still did not feel absolutely satisfied with my Christmas wrapping and so I’ve been thinking of ways to improve it. This year, in addition to my versatile, hand-made and chemical and plastic free wrapping paper, I also abolished the traditional plastic tape. This thing is not recyclable and there are much more sustainable options. I opted for a kraft paper tape (solvent-free and eco-friendly). I also said no to traditional plastic ribbons and I chose either twine or a 100% natural and biodegradable linen yarn. I added a small portion of pine (also biodegradable) to give some joy to my presents, and a label of recycled paper instead of a laminated sticker. Actually, besides the kraft paper  tape I didn’t buy anything to wrap any of my Christmas presents which made me very happy and saved my a lot of money. And I think my presents are absolutely stunning!
 

 

Here are 4 more plastic free Christmas wrapping swaps to add to my 52 challenge! I will share the rest on the first days of 2020!
Continue Reading

Nut advent calendar!

(scroll for the English version)

 

Este ano o meu calendário de advento vai ser sobre consumo. Ao contrário dos últimos anos em que os meus calendários tinham como objectivo construir algo, este ano, o meu objectivo principal é lembrar para o consumo inteligente e à mudança de hábitos. Ainda tenho algumas alterações zero plástico para partilhar convosco até ao fim do ano ou mesmo no início de 2020, mas não queria deixar de dar prioridade ao tempo de Natal: esta época em que o consumismo é, acima de tudo desmesurado e, por vezes, contra producente na aquisição de um estilo de vida saudável e sustentável. Por mais alterações que façamos, acabamos por ceder sempre a escolhas socialmente impostas e globalmente partilhadas. Por isso, este ano, o meu calendário de advento é apenas um conjunto de nozes! Decorei-as com fita de algodão e etiquetas pintadas a aguarela de forma a motivar-me a abrir, dia após dia, aquele fruto que já nos passa despercebido. O objectivo é relembrar-me sobre os verdadeiros frutos da época aqui, em Portugal, e para uma alimentação mais intuitiva e inteligente. A cada dia como uma noz recordando o que a natureza me dá no tempo de Inverno, assim, protegida entre um par de escudos resistentes, e a importância que estes frutos têm na regulação dos nutrientes do nosso organismo durante o tempo de frio: época em que a nossa pele é muito agredida pelo vento, pelo frio e tempo seco e no qual a introdução de gorduras saudáveis na alimentação é crucial. Apesar da sua simplicidade, acho que é o calendário de advento mais sincronizado com a natureza que fiz até hoje e tem-me feito pensar muito na questão da alimentação para a saúde, um assunto a que espero dedicar-me no próximo ano, uma noz de cada vez.

 

DICA: as cascas de noz são excelentes acendalhas e mantêm os caracóis longe da horta!

 

This year my advent calendar will be about consumption. Unlike the previous years, when my calendars aimed to build something, this year my main goal is to think about smart consumption and changing habits. I still have some zero plastic swaps to share with you by the end of the year or even at the early weeks of 2020, but I wanted to give priority to this Christmas time: this is the time when consumerism is the most unreasonable and sometimes counterproductive in achieving a healthy and sustainable lifestyle. No matter how many changes we make, we always yield to socially imposed and globally shared choices. It’s very hard! So this year, my advent calendar is just a bowl of nuts! I decorated them with a cotton ribbon and watercolor-painted labels to motivate me to open, day after day, that fruit that sometimes goes unnoticed by the daily use. The aim is to remind me of the winter seasonal fruits here in Portugal, and of a more intuitive and intelligent diet. Every day I eat a nut remembering what nature gives me during winter time, like this: protected between a pair of hardy shields. Them I also think about the pertinence of having this fruits to regulate the nutrients of my body during cold weather: this season in which our skin is beaten by wind, cold and dry weather and when the introduction of healthy fats into our diet is so crucial. Despite its simplicity, I think it is the most synchronized advent calendar with nature that I have done to date and it got me thinking a lot about eating healthy, a subject I hope to focus on next year, a nut at a time.

 

PRO TIP: nutshells are awesome firelighters and keep snails away from the veg garden!
Continue Reading

April’s Nature Journal: from intense rain to spots of sun!

(scroll for the English version)

Aqui está mais um mês do meu Nature Journal!

Durante o mês de Abril senti alguma ansiedade. O Inverno prolongou-se mais do que habitual, Março foi um mês de chuva e trovoadas intensas por cá e não houve muitas oportunidades de saídas… Senti uma grande necessidade de recordar, trabalhar as memórias, os apontamentos nos meus “cadernos de campo” e trabalhar sobre momentos sobretudo vividos ainda durante o Inverno e início, tímido, da Primavera.

As tempestades no mar nas madrugadas do mês de Março, foram marcantes para o ano de 2018. Não me lembro de um mês tão intenso em chuva permanente que, apesar de tudo, devolveu às nossas albufeiras o potencial necessário para manter os nossos habitats por mais um ano. Por isso sinto-me feliz e apesar da ansiedade, fui paciente e confiante.

Resolvi depois trabalhar um cartaxo ousado, que conheci na Barrinha de Esmoriz ainda em Janeiro, e que parecia um autêntico James Bond: vestido a rigor com a sua gola bem composta mas atento a todos os detalhes, como se estivesse nele a responsabilidade de toda aquela zona húmida. A recordação era tão clara na minha memória que aceitei que devia fazer parte integrante do meu Diário de Natureza.

Depois, os primeiros dias de sol que fizeram reaparecer as Alvéolas por entre os parques e jardins da minha cidade com os seus pulinhos entusiastas e o seu abanar de cauda tão característico! Não podia deixar de as desenhar: vi-as no jardim da minha rua, em caminhadas diárias, nas beras das estradas, no estuário do Douro… pareciam estar tão felizes por ver o Sol como eu!

E por fim, o ovo de raia que descobri num trilho junto ao mar depois de quase um mês e meio de chuva interrupta. Uns dias depois partilhei este desenho com um pequeno grupo de outros naturalistas e o Andrew disse-me que estes ovos são conhecidos como “Mermaid’s purses” ou seja “Bolsas de sereia” e que as crianças com quem trabalha ficam em pulgas quando descobrem que são ovos de raia ou de tubarão! Achei o termo delicioso.
Como vos disse aqui, as praias nesta época do ano são locais incríveis… Durante o Inverno por lá passou um autêntico “vendaval” que as lava de toda a agressividade que nelas depositamos ao longo dos meses de verão. Vê-las assim, selvagens, sobretudo em locais mais recônditos, faz-nos entender melhor o habitat espetacular que são.

Here’s another month of my Nature Journal!

April was tough. I felt some anxiety. This winter was longer than usual, March was a month of intense rain and thunderstorms here, and there were not many opportunities to go outside… I felt a great need to remember, to work my memories, the notes in my notebooks and work on moments mostly lived during the winter and the early, timid, spring.

The storms at sea, at early hours of the days, during March were remarkable for this year. I do not remember a month so intense in permanent rain that, despite everything, returned to our reservoirs all the water necessary to maintain our habitats for more one year. That’s why I feel happy and despite my anxiety, I was patient and confident.

I then decided to work on a daring stonechat, which I met at Barrinha de Esmoriz in January, and who looked like an authentic James Bond: tightly dressed with his well-made collar but very aware to every detail, as if he had all the responsibility for the well being of that wetland. His figure was so clear in my memory that I accepted that it should be part of my Nature Journal.

Then, the first sunny days made the white wagtails reappear among the parks and gardens of my city. They were playing enthusiastic jumps and their tail wagging witch is so characteristic! I though that I must draw them: I saw them in the garden of my street, on daily walks near home, on the roads, on the estuary… they seemed to be as happy to see the sun as I was!

And finally, the ray egg I discovered on a trail by the sea after almost a month and a half of intense rain and storms. A few days later, I shared this drawing with a small group of other naturalists, and Andrew told me that these eggs are known as “Mermaid’s purses” and that the children he works with get very excited when they discover they are ray or shark eggs! I found the term “Mermaid’s purse” just delicious!
As I told you here, the beaches at this time of year are incredible places… After the winter they are washed from all the aggressions we put in them during the summer months. To see them like that, wild, especially in more remote places, makes us better understand the spectacular habitat they are.

Continue Reading

Nature Journal Update: weeks 1-13!

(scroll for the English version)

Como sabem, este ano iniciei um pequeno Diário de Natureza que preencho semanalmente. No início estava um pouco tímida em relação a ele e acabei por guardar este projecto só para mim durante algum tempo. Não tinha a certeza de conseguir ser-lhe fiel e confesso que estava também um pouco intimidada pelos resultados: apesar de ser bióloga, passei os últimos 5-6 anos sem fazer uma observação como deve de ser, com o objectivo de desenhar ou pintar o que quer que seja neste contexto… Mas, perto do ano novo, andava a reflectir um pouco acerca do blog e percebi que, para que me reflectisse devidamente, faltava-lhe ter mais assuntos relacionados com a Natureza. Por isso, agarrei nos meus livros e apontamentos de ilustração cientifica, as minhas fieis aguarelas e iniciei um pequeno projecto que me poderia inspirar para escrever mais sobre Natureza. E que unisse duas coisas que eu amo: a natureza e as artes.

O mês passado ganhei finalmente alguma coragem para partilhar convosco este projecto e decidi publicar as páginas que fiz durante estes três meses, no Instagram. Vocês estavam tão entusiasmados e encorajaram-me tanto a continuar que eu achei uma boa ideia fazer uma espécie de “post de progresso” aqui no blog. Por isso, aqui estão as páginas das primeiras 13 semanas do meu Diário de Natureza. Estou completamente apaixonada por este projecto, não têm noção! Espero que gostem do que fiz até agora!

As you know, this year I started a weekly Nature Journal. I was a little bit shy about it in the beginning and kept it for me for a while. I wasn’t sure if I will be able to stuck with it and I was a little intimidated about the results because, despite I am a Biologist, I passed the last 5 or 6 not drawing a thing… But, around the new year, I was thinking about the blog and decided that, to really reflect me, it had to be more Nature stuff around here. So I grabbed my scientific illustration books and my watercolours and started a small personal project that, hopefully, will inspire me throughout the year to write about nature on the blog, and join this two things I love: nature and arts.

This last month I finally shared it you on this post and decided to post the pages I already done during the last three months on Instagram. You were so excited about it that I though it would be a nice idea to make a small “progress post” about this project on the blog. So, here are the pages from my Nature Journal for the first 13 weeks of 2018. I am sooooo in love with this project. You can not imagine! I hope you enjoy it so far too!
Continue Reading