Advent Calendar is finished!

(scroll for the English version)

O ideal seria este post ter saído mesmo mesmo no dia de Natal para vos brindar com o resultado deste projeto tão enternecedor! Mas como puderam acompanhar as minhas evoluções no Instagram, resolvi cuidar um pouco mais este post e resumir o resultado final juntamente com algujs pensamentos sobre ele.
Este pequeno projeto era mesmo o que eu estava a precisar no fim deste ano atribulado e de grandes mudanças… Ao mesmo tempo estou a ser irónica e honesta. Por um lado, os últimos tempos têm sido tão caóticos que a última coisa que eu precisava era mais um pequeno projecto para aumentar a entropia pessoal. Houve até um dia que a minha mãe me perguntou ao telefone: “estás a fazer o teu calendário? Como consegues ainda ter tempo para isso?” e a resposta foi o mais honesta possível: “aqui e ali, e evito pensar demais.” A verdade foi que foi exactamente isso que aconteceu: entre uns bocadinhos à hora de almoço, no tempo de aguardar as aulas de pintura, à espera que o Carlos chegue ou à sexta-feira depois do ensaio… E não perdia muito tempo com decisões: bordei o que me apeteceu, com o tempo disponível. Nada mais. Apercebi-me apenas uma ou outra vez de que estava a por de lado coisas importantes e por isso parei e repensei.

O lado bom deste projeto foi que eu também estava mesmo a precisar de algo assim para relaxar. O cansaço por vezes apodera-se e a única forma de eu me manter atenta a um documentário ou filme no sofá, ao fim do dia e sem adormecer, é fazendo alguma coisa. Além disso, o sentimento de dispersão que tenho sentido por vezes tem muito a ver com a minha necessidade de ter algo feito à mão para fazer diariamente. Há algum tempo que pego em grandes projetos que me ocupam lotes grandes de tempo e que por isso não preenchem os meus serões. Eu senti falta disso, por essa razão, resolvi aceitar o desafio. É um tempo que dedico a mim própria, que me recorda o quanto adoro fazer coisas à mão: pequenas ou grandes. De certa forma, este projeto obrigou-me a retomar algum “hábito”, ainda que seja temporário. Alguma rotina, por vezes, é saudável.
Foi a combinação de ambas as coisas, mais o tempo de pensamento que pude dedicar enquanto fazia este projecto, que me levou a refletir no futuro: o que quero para mim no próximo ano? Como vou gerir os meus projetos? O que sinto falta? O que quero deixar para trás? Quais são as minhas prioridades? O que não quero mais perder? É incrível como uma coisa tão pequena nos pode levar a pensar e fazer decisões. Com isto tenho algumas metas para 2019 que partilharei convosco muito em breve.

Ideally, I would publish this post on Christmas Day to give you the result of this endearing project! But as you could follow my progress on Instagram, I decided to take care of this post a little more and summarize the final result along with some thoughts about it.
This little project was just what I was needing at the end of this troubled year of great changes for me… At the same time I’m being ironic and honest. On the one hand, the last months have been so chaotic that the last thing I needed was yet another small project to increase personal entropy! Yeahp. There was even one day that my mother asked me on the phone “are you making your advent calendar? How do you manage to have time for it?” and my answer was as honest as possible: “here and there, and I avoid thinking too much.” The truth is that this is exactly what happened: between lunch time, waiting for painting classes, waiting for Carlos to arrive home or friday night after my choir rehearsal … And I actually did not spend much time on decisions: I embroidered what I wanted, with the time available. Just that. I realized just once or twice that I was putting aside important things and so I stopped and re-thought.

The good thing about this project was that, I was also in need of something like that to relax. Tiredness sometimes takes over me and the only way I can keep an eye on a documentary or movie on the couch at the end of the day, without falling asleep, is by doing something else with my hands. Also, the sense of “longing” I have felt sometimes has a lot to do with my need to have something done the by hand, every day. For some time I have been caught up in big projects that take up big blocks of time and therefore do not fill my everyday evenings. I missed that, so I decided to take up the challenge. It was a time I dedicate to myself, which reminds me how much I love doing things by hand: small or large. In a way, this project forced me to resume some “habit”, even if it is temporary. Some routine is sometimes healthy.
It was the combination of both, plus the time for thinking that I dedicated while doing this project, that led me to reflect in the future: what do I want for myself next year? How will I manage my projects? What do I miss? What do I want to leave behind? What are my priorities? What are the things I do not want to lose any more? It’s amazing how such a small thing can lead us to think and make decisions. With this I have some goals for 2019 that I will share with you very soon.

Continue Reading

Christmas present: handmade bath cloth

(scroll for the English version)

 

Os presentes de Natal feitos à mão são os mais especiais. Por mais singelos que sejam, transmitem sempre mais brilho do que qualquer presente, por mais zeros que inclua na etiqueta. É certo que nem todos os que os recebem têm essa sensibilidade, assim como há quem não sinta a necessidade de depositar tanto significado nos presentes que faz à mão ou o faça apenas para seu próprio bem e auto-estima. Todos temos um comportamentos diferentes. Todos os presentes que compro são densamente refletidos, mas os que faço à mão são especiais e para pessoas especiais e creio criar algum tipo de expectativa à volta dos sorrisos que trazem a quem os recebe…

 

Um exemplo de um pequeno presente feito à mão que, não só é util como estremamente poderoso, é um pequeno pano de banho tricotado. Eu usei pequenas porções de lã de arraiolos, 100% lã 100% portuguesa, daquela bem dura e rude, e tricotei uns panos de banho para oferecer. A este pano fiz acompanhar um sabonete hidratante também ele 100% português, 100% do norte. Eu sou uma grande fã de sabonete e acredito que é uma opção muito mais sustentável do que qualquer opção de gel de banho. O meu pano tricotado é o melhor parceiro para um bom sabonete porque não só ajuda a lavar a pele com segurança, como as fibras duras da lã de arraiolos permitem uma exfoliação suave. Ao longo do tempo, o pano vai ficando feltrado e a cada utilização, mais e mais macio: é tão curioso ver a evolução dos materiais naturais e apreciar-lhes a idade!
Os meus panos tiveram ainda direito a uma pequena etiqueta carimbada que demonstrava o meu carinho por aqueles para quem tricotei este presente, e ainda uma legenda que explicava minimamente o que vos transmito aqui.

 

Handmade Christmas presents are the most special. No matter how simple they are, they always transmit more care than any present, no matter how many zeros the label has. It is true that not everyone who receives them has this sensitivity, just as there are those who do not feel the need to place so much meaning in the gifts that they make by hand or they do it only for their own good and self-esteem. We all have different approaches. All the gifts I buy are thickly reflected, but the ones I make by hand are special and for special people, and I believe to create some kind of expectation around the smiles they bring to those who receive them…

 

An example of a small handmade gift that is not only useful but also extremely powerful, is a small knitted bath cloth. I used small portions of “Arraiolos wool”, 100% Portuguese wool, very hard and rude, and knitted some bath cloths to offer. These bath cloth I accompanied a moisturizing soap also 100% Portuguese, 100% from the north. I am a big fan of soap and I believe it is a much more sustainable option than any shower gel option. My knitted bath cloth is the best partner for a good soap because it not only helps to wash the skin safely but also because the hard fibers of this special wool allows a gentle exfoliation. Over time, the cloth becomes felted and more and more soft: it is so nice to see the evolution of natural materials and enjoy their age!
I also added a hand stamped label to my bath cloths that showed my affection for those to whom I knit this gift, and still a paper tag that explained the thinks I shared above.
Continue Reading

Advent calendar challenge

(scroll for the English version)

Não posso esconder que me sinto um pouco atrasada em relação ao Natal deste ano. De certa forma sinto que tudo é feito demasiado cedo, com demsaiada antecipação. Eu ainda não fiz o meu pinhiero de Natal e a única coisa que “saiu cá para fora” neste dia 1 de Dezembro foi a minha coroa de Natal e o princípio do meu calendário de advento.

O que tenho sentido mais falta nestes últimos meses é de uma rotina “handmade”. Infelizmente os projectos em que estou envolvida implicam algum tempo que costumava dedicar a uma ou duas horas ao serão para uma ou duas linhas de tricô ou um granny square. Vejo-me obrigada, por outro lado, a envolver-me em blocos de tempo maiores nos quais posso dedicar-me aos meus projetos mas a rotina faz-me mesmo muita falta. Por isso, este ano, o meu calendário de advento vai obrigar-me a ir “contra a maré” e a “oferecer-me” como presente de Natal uns minutos de rotina diária.
Como sabem eu sou adepta dos calendários de advento que se constroem, em detrimento daqueles que se vão consumindo até ao dia de Natal. O advento é preparação, não vejho como o consumo de recursos pode espelhar o conceito desta época.
O meu desafio para este advento é preencher diáriamente um bastidor bordado com coisas que me recordem esta época e, mais do que chegar ao fim com um calendário pronto a decorar a minha casa, o objectivo é envolver-me e devolver-me a paz e a preparação que o advento subentende. Esvaziar-me do resto e dedicar-me alguns minutos diários (vá, uma coisa destas não leva mais do que uns minutos) a mim mesma e às coisas que adoro fazer. Todos os dias farei um motivo diferente até chegar ao dia de Natal!
O meu primeito motivo foram umas luzinhas! Daquelas antigas que a minha avó usava… Podem seguir diariamente este projecto na minha conta do Instagram.

I can’t lie! I am feeling a little late regarding Christmas this year. In a way I feel that everything is done too early, with a huge anticipation. I have not yet made my Christmas tree and the only thing that “made its appearance” on this December 1st was my Christmas Wreath and the beginning of my advent calendar.

What I have been missing most in the last few months is a “handmade” routine. Unfortunately the projects in which I am involved still some time that I used to devote, an hour or two in the evening, to one or two lines of knitting or a granny square. I find myself obliged, on the other hand, to get involved in larger blocks of time in which I can devote myself to my projects, but the routine is very much lacking. So, this year, my advent calendar will force me to go “against the tide” and “offer me” as a Christmas gift a few minutes of daily routine.
As you know I am a huge adept of advent calendars that are “built” over time, instead of those which are consumed until the Christmas Day. The advent means preparation, and I don’t understand how the consumption of resources can reflect this concept.
My challenge for this advent is to fill a embroidered loop with things that remind me of this time of the year and, more than to end with a calendar ready to decorate my house, the goal is to get involved and give me peace and the preparation that the advent implies. I want to close myself to the noise and devote a few minutes a day (honestly, such a thing takes no more than a few minutes) to myself and the things I love doing. Every day I’ll make a different motive to add to my embroidered advent loop until I get to Christmas Day!
My first motive was a set of twinkling lights! The old ones, like my grandmother used… You can follow my daily progress on this project through my Instagram account.

Continue Reading

Workshop on… small goals!

(scroll for the English version)

 

Como vos falei no último post, este fim de semana liderei um workshop sobre coroas de Natal feitas à mão com materiais naturais no MyNinho, da Ana Paula.

 

Devo dizer que estava receosa porque não sabia o que eu poderia ter para oferecer… tudo o que faço aqui aprendi de forma autodidata e não me considero especialista em nada. A única coisa em que me tornei especialista foi em colocar mãos à obra e em gerir bem os projectos em que me envolvo.

 

Ouço vezes sem conta as pessoas dizerem “não tenho jeito”, “não sei fazer” e fico a pensar se este dom que tenho seja um talento e não mais do que isso. Mas é então que olho para trás e começo a refletir no caminho que fiz até agora: este blog é, sem sombra de dúvidas, o repositório das minhas evoluções, dos meus progressos naqueles que são os projectos em que eu não sou, de todo, especialista. Isto de “ter jeito” é algo que requer alguma sensibilidade é certo, mas muito do que está por trás do sucesso é a versão mais genuína do trabalho: a prática, o empenho e a dedicação. Se muitas vezes achamos que no nosso meio profissional as coisas não são tão literais, se eu pensar nos pequenos e grandes projetos que fiz aqui, convosco, a maior parte das vezes a regras do jogo são sempre as mesmas: 99% de transpiração e 1% de inspiração. A inspiração pode, porém ser determinante no trabalho e parecer 200%, enquanto os 99% de transpiração envolvem alguma organização e gestão que, se bem conduzida e prazerosa, nos parece apenas 2%. Qualquer um de nós se sente esmagado por um grande projecto no qual não tem qualquer experiência. Mais ainda se ele requer algum investimento a diversos níveis. O primeiro instinto é dizer precisamente que não temos jeito. Isso acontece porque estamos a sair da nossa zona de conforto! Mas não há nada que não se faça: basta transferir a energia envolvida nesse receio todo em dividir o desafio em pequenas metas e depois fazer uma de cada vez, tal como um bebé que aprende a caminhar.

 

Ora neste workshop, mais do que fazer uma série de coroas de Natal (e outras nem tanto…) o importante para mim foi passar esta mensagem às minhas queridas “alunas”: procurar inspiração, desconstruir o projecto em partes e por fim em materiais. Uma espécie de engenharia inversa que torna qualquer grande desafio em simples metas alinhadas como um colar de contas. Foi um grande prazer para mim, gostava muito de voltar a ensinar workshops!

 

As I told you in the last post, this weekend I led a workshop on handmade Christmas wreaths made with natural materials, in Ana Paula’s MyNinho.

 

I must say: I was afraid of the challenge because I did not know what I could have to offer… everything I do here I learned in a self-taught way and I do not consider myself an expert at anything. The only thing I have become a specialist in is putting my hands to work and managing well the projects in which I am involved.

 

I often hear people say “I can’t do this”, “I do not know how” and I wonder if this gift I have is a talent and not more than that. But it is then that I look back and start to reflect on the path I have taken so far: this blog is, without a doubt, the repository of my evolutions, my progress in those projects that I am not, at all, a specialist. This “know how” is something that requires some sensitivity, for sure, but much of what is behind success is the most genuine version of work: practice, commitment and dedication. While we often find that in our professional environment things are not so literal, if I think about the small and big projects I have done here, with you, most of the times the rules of the game are always the same: 99% perspiration and 1% inspiration. Inspiration can, however, be so decisive that seem like having 200% impact, while 99% perspiration can be so enjoyable that seems to us only 2% of the pack. Everyone feels crushed by a major project in which we have no experience. Even more if it requires some investment at various levels. The first instinct is to say precisely that we can’t do it. This is because we are coming out of our comfort zone! But there is nothing that can not be done: just transfer the energy involved in this fear into splitting the challenge into small goals and then go into one at a time, just like a baby who learns how to walk.

 

Well, during this workshop, more than making a number of Christmas wreaths (and some not so much christmas…), the important thing for me was to pass this message on to my beloved “students”: to seek inspiration, to deconstruct the project in parts and finally in materials. A kind of “reverse engineering” that turns any big challenge into simple goals aligned like a beaded necklace. It was a great pleasure for me, I really enjoyed teaching and hope to teach workshops again!
Continue Reading