The vulnerability of my Nature Journal

(scroll for the English version)

 

Devem estar a perguntar-se onde é que eu parei para partilhar convosco o resultado final do meu Nature Journal?
Ora bem, eu parei de o partilhar em Outubro mas não desisti dele: as 52 semanas de Nature Journal foram feitas até ao fim. Mas, a certa altura, este tornou-se um assunto um pouco “emocional” para mim, um projeto que eu quis proteger debaixo da minha asa. E com isso acabei por não partilhar o maravilhoso resultado convosco. Não merecem! 99% de vocês não merecem que eu desista de partilhar. Pelo contrário, merecem antes que eu partilhe tudo até ao fim porque vocês fazem parte da minha motivação para continuar: post após post… palavra após palavra.

 

Porém, a certa altura houve um receio em partilhar. Nem todos usam os conteúdos que expomos cá fora da mesma forma. Os desafios de escrever um blog são imensos sobretudo quando partilhamos algo que amamos fazer do fundo do coração. Eu tenho tendência para ver os outros como iguais, que é uma forma muito pouco realista de ver a vida. Há pessoas que nos incentivam e nos desejam o melhor, assim como há quem não seja capaz de respeitar essas forças: os copycats e os trolls são uma constante na internet e já existe um número infindável de conteúdos (mais ou menos intensos) acerca deste assunto. Escrever acerca deste assunto poderia tornar-se um post deprimente sobre um assunto real e motivado por um projecto belíssimo! Eu decidi escrever sobre o assunto porque o que me inibiu não se tratou nem de um copycat (pelo menos não na sua versão virtual) ou de um troll (pelo menos não na sua versão virtual…). Foi muito mais próximo do que isso… E é muito mais difícil quando se trata de alguém que conhecemos e que tenta a todo o custo, a qualquer custo, substituir-nos na vida das nossas pessoas, nas que ocupam o nosso coração, naquilo que fazemos e generosamente partilhamos. A mensagem a reter era “obrigada por partilhares, agora que eu já sei como fazer, nós já não precisamos de ti”. Foi como morder a maçã no jardim do Éden. Eu percebi que estava despida por ter dado tanto de mim e me estarem a decepar as pequenas flores que eu semeara no meu jardim, quando elas podiam estar aqui, para todos as apreciarem. Nunca mais comprei flores. Esta experiência deixou-me perplexa perante tantos de vocês que, muitos sem sequer me conhecer, me dão um apoio positivo tão significativo. Fiquei a conhecer um pouco do mal.

 

Por vezes, alguma distância é absolutamente indispensável e o que eu senti a certa altura era que precisava que, entre todos os projectos do blog, pelo menos um que fosse meu. Só meu, que eu pudesse ter no meu seio, que me cobrisse, que me vestisse de mim. E perante a realidade de eu estar a partilhar tudo, a ideia de “proteger” aquele projeto que me era mais querido foi a solução menos má. Por isso eu decidi guardar para mim o meu Nature Journal.

 

Muito tempo mais tarde, a clareza evidenciou-se no meu caminho, a distância fez-se valer, e eu já envergava um vestido fresco com padrão de flores. Sei que fui a única a aprender com a situação, porque a distância é uma ferramenta que não serve quando ser egoísta é uma marca de caracter, mas foi o suficiente para eu perceber que a este 1% de seguidores eu tenho de dar o valor que foi dado à minha generosidade. Nenhum. Por esse motivo resolvi que queria mostrar-vos o meu Nature Journal completo e terminado. Este foi um projeto com muito poder sobre mim: resiliência, diligência, sensibilidade e aprendizagem. Que enalteceu o meu respeito pela natureza, pela vida sob qualquer forma, a minha vital capacidade de contemplar e aprender, de criar, com as minhas próprias mãos o que mais ninguém conseguirá fazer por mim. Porque eu sou única no mundo. Obrigada aos que me seguem por bons motivos: aos que me embalam na mesma canção. Para os restantes não tenho nada para oferecer.

 

Abaixo podem encontrar o meu Nature Journal de 2018, com uma página por semana revelando o melhor dos meus dias, apesar de tudo o que passou.

 

You must be wondering when did I stop to share with you my 2018 Nature Journal?
Well, I stopped sharing it in October but did not give up on it: all the 52 weeks of the Nature Journal were done until the end. But at one point, this somehow became an “emotional” subject for me, a project that I wanted to protect under my warm wing. And with that I did not share the wonderful result with you. Well, you do not deserve this! 99% of you do not deserve that I just o give up on sharing. On the contrary, you deserve that I share everything until the end because you are part of my motivation: to continue writing and making, post after post … word after word.

 

But at one point there I was afraid of sharing. Not everyone uses the content I expose here in the same way. The challenges of writing a blog are immense especially when we share something we love to do from the bottom of our hearts. I tend to see others as equals, which is a very unrealistic way of seeing life. There are people who encourage us and wish us the best, just as there are those who can not respect these forces: copycats and trolls are a constant on the internet and there are already an endless number of (more or less intense) content about this subject . Writing about this subject could become a depressing post on a real subject and motivated by a gorgeous project! I decided to write about it because what inhibited me was not a copycat (at least not in its virtual version) or a troll (at least not in its virtual version…). It was much closer than that… And it is much more difficult when it comes from someone we know and who tries by all chances, any chances, to replace us in the lives of our people, those who live in our heart, in what we do and generously share. The message to hold was “Thank you for sharing, now that I already know how to do it, we do not need you any more.” This attitude was like biting the apple in the garden of Eden. I realized that I was naked for having given so much of myself. The beautiful small flowers I had sowed in my garden were being gutted off when they could be here for all to enjoy. I never bought flowers again. This experience left me perplexed over so many of you who, many without even knowing me, give me such significant positive support. From that 1% I got to know a bit of evil.

 

Sometimes some distance is absolutely indispensable and what I felt at a certain point was that I needed, among all the blog projects, at least one that was mine. Only mine, that I could have in my lap, to cover me, to dress me. And facing the reality that I was sharing everything, the idea of “protecting” the project that was the dearest to me was the least bad solution. So I decided to save my Nature Journal for myself.

 

A long time later, clarity was back in my path, the distance made its magic and I wasn’t naked again, I was already wearing a fresh dress of flowered pattern. I know I am the only one who learned from the situation, because distance is a tool that is not useful when being selfish is a mark of character, but it was enough at least to me to realize that to this 1% of acquaintances, I have to give them the value that was given to my generosity. None. That is why I decided that I wanted to show you my complete and finished 2018 Nature Journal. This was a project with a lot of power over me: resilience, diligence, sensitivity and learning. That praised my respect for nature, for life in any form, my vital ability to contemplate and learn, to create, with my own hands what no one else can do for me. Because I’m the only one like me in the world. Thank you to those who follow me for good reasons: those who rock me in the same lullaby. For the rest I have nothing to offer.

 

Here is my Nature Journal of 2018, with one page a week revealing the best of my days, despite everything that has gone on.

 

Continue Reading

Low plastic begins with understanding what you have!

(scroll for the English version)

Tentar eliminar os plásticos do nosso dia a dia pode ser avassalador! Basta pensarmos numa rotina matinal, por exemplo, o acto de lavar os dentes… Escova de plástico, pasta de dentes em embalagem de plástico que, se for branqueadora provavelmente está cheia de partículas de plástico, fio dental de fibras de plástico em embalagem de plástico… Ufa. Quando nos damos conta, tudo vem em embalagens de plástico. A sensação esmagadora de que não é possível esta alteração, atinge-nos! É a primeira coisa que acontece. Desanimamos.
Confesso que pensei que não conseguiria fazer grandes progressos, mas depois pensei que isto não tem de ser feito de um momento para o outro, certo? Além de que parece ser impossível deixar os plásticos de um dia para o outro, a pressa é inimiga da perfeição e nenhum de nós quer correr o risco de fazer más escolhas novamente.
Por isso hoje venho partilhar convosco os primeiros passos que fiz para um caminho de baixo impacto em plástico!

Em primeiro lugar eu escolhi uma área para começar e, aos poucos, vou passando de área para área. E resolvi começar pela minha casa de banho. A primeira coisa que fiz foi esvaziar todas as gavetas e acumulei tudo num só local (ui, de repente isto parece muito tendência Konmary Method, não?). Isto deu-me a noção da quantidade de coisas que tinha em casa (eu não me considero uma acumuladora, de todo). O primeiro impacto é imediato: “isto vem tudo em embalagens de plásticos?”, “ei… eu tenho e uso tudo isto?” As respostas são: “sim, vem tudo em embalagens de plástico”, “sim, tenho” e “não, eu não uso tudo isto!”. Portanto, num segundo passo, eliminei os produtos fora do prazo (esvaziei o que faltava e coloquei as embalagens na reciclagem). Depois olhei para o que restava e coloquei de parte todos os produtos que não uso (ou porque não funcionaram para mim, ou porque vieram junto com presentes, ou numa promoção de supermercado) e distribui por pessoas conhecidas que os utilizam. Por fim, já com muito poucos produtos em mãos, analisei cada um e tentei encontrar uma alternativa sem plástico. Mas antes de efectivamente fazer a troca por um produto sem plástico, eu conscientemente utilizei todos os produtos que tinha até ao fim. Este é um erro comum: a raiva de ter tanto plástico à nossa volta faz-nos querer deitar tudo o que temos e substituir por opções mais sustentáveis num ápice. Mas este comportamento, por si só é tudo menos sustentável! Devemos sempre utilizar o que temos antes de efectuar a troca. Eu ainda estou a utilizar muitodos produtos que tinha. Não deseperem: eu tenho usado este tempo para aprender! E desde então eu estou, progressivamente, a adoptar cada vez mais produtos sem plástico, um dia de cada vez.

A imagem mostra algumas das coisas que já comecei a alterar ou que pretendo alterar: gel de banho, shampoo, amaciador, exfoliante, esponja de banho, desodorizante, cotonetes, creme hidratante de corpo, creme da cara, tónico, discos desmaquilhantes, escova de dentes, pasta de dentes, fio dental, desmaquilhante, sabão para mãos, máscara de cabelo, máscara de face, batom de cieiro, lâmina para depilação. Para já são estes o itens na minha lista, mas existem outros que, mais cedo ou mais tarde começarei a alterar.

De vez em quando eu vou escrever um post par vos mostrar algumas das alterações que fui introduzindo mas, desta pequena experiência, o que me apercebo hoje é que, não é apenas o plástico que, aos poucos se vai embora… Eu tornei-me muito mais consciente das compras que faço, evito produtos embalados em plástico, evito produtos pouco sustentáveis, evito produtos para os quais exista uma opção homemade demasiado fácil para não ser aplicada. E ganhei espaço nas minhas gavetas para utilizar com… nada! Para gozar apenas o prazer de ter espaço, espaço esse que me permite dispor os meus produtos de forma a poder ver, num glance, tudo o que tenho e assim usar tudo o que tenho. Esta é também um atitude sustentável.

Trying to eliminate the plastics of our day to day can be overwhelming! Just think of a morning routine, for example, the act of brushing your teeth … Plastic toothbrush, toothpaste in plastic packaging (if it is a whitening toothpaste it probably has plastic abrasive particles), plastic fiber dental floss in plastic packaging… Well… When we realize it, everything comes in plastic packaging. The overwhelming feeling that this change is not possible hits us! It’s the first thing that happens. We get discouraged by the overwhelming sensation.
I confess, when it hits me, I thought I could not make much progress, but then I thought this does not have to be done overnight, right? Besides it seems impossible to get plastic free at the drop of a hat, haste is enemy of perfection and neither of us wants to make more bad choices.
So today I share with you the first steps I made on this low impact plastic journey!

Firstly I decided to chose an area to start and gradually I will move from area to area. So, I decided to start with my bathroom. The first thing I did was empty all my drawers and packed everything in one place (Is this a little Konmary trend??). This gave me the notion of the amount of things I had at home (and, to clarify, I do not consider myself an accumulator, at all). The first impact is crushing: “Is this all in plastic bottles?” and “hey… do I have and use all this?” The answers were: “Yes, all of it cames in plastic bottles”, “yes, I have” and “no, I do not use all this!”. Therefore, my second step was eliminate the products that expired (I emptied them and put the package into the recycling bin). Then I looked at what was left and put aside all the products I did not use (either because they did not work for me, or because they came as offers or gifts) and distributed by people I know who use them. Finally, with just a few products in hand, I analyzed each one and tried to find an alternative without plastic. But before actually making the exchange for a product without plastic, I consciously used all the product I had until its very end. This is a common mistake: the anger of having so much plastic around us makes us want to throw everything we have and substitute it for more sustainable options at one glance. But this behavior is incredibly unsustainable! We should always use what we have before making the switch. I am still using up several products, off course! That’s why this doesn’t happen overnight! Do not despair: I am using this time to learn. And since then I have been increasingly adopting more and more products without plastic, one day at a time.

The image shows some of the things I have already started to change or that I want to change to a more sustainable/plastic free option: bath gel, shampoo, conditioner, exfoliant, bath sponge, deodorant, swabs, body moisturizing cream, face cream, tonic, cleansing disks, toothbrush, toothpaste, dental floss, make-up remover, hand soap, hair mask, face mask, lipstick, hair removal blade. For now these are the items on my list, but there are others that will sooner or later start to change too.

From now and then I will show you some swaps I have made. But from this little experiment, I already realize that it is not only the plastic that slowly goes away… I have become much more aware of the purchases I make: I avoid plastic but also other types of unsustainable options, products for which there is a homemade option too easy not to be applied, and I understand minimalism a bit better (I am not a minimalist though): I have so much space in my drawers these days and I can use to… nothing! To enjoy the pleasure of having the space that allows me to dispose my products so that I can see, in a glance, everything I have and so use everything I have. This is also a very sustainable attitude.

Continue Reading

The birth of a compromise…

Esta ilustração é da Tan Xi, uma artista e ilustradora que mistura o humor irónico e brincalhão com as realidades da poluição do oceano. Podem ver o seu lindo trabalho no website: http://www.messymsxi.com. | This illustration is by Tan Xi, an artist and illustrator that mixes wry, playful humor with the realities of ocean pollution. You can access her beautiful work through her website: www.messymsxi.com.

Vou contar-vos mais uma história: eu considero-me uma pessoa “sensível” mas, por norma, não chego ao ponto de chorar como uma madalena nos filmes, sobretudo se não estiver no “meu ambiente”. Nem em filmes, nem em documentários de natureza porque os problemas ali apresentados já são, geralmente, do meu conhecimento prévio e vou preparada para ver as coisas… Mas quando vi o documentário “A Plastic Ocean“, e mesmo sabendo o que poderia encontrar, eu desatei a chorar… Não foi pelo choque de ver o que via: aves a morrer à fome com o estômago cheio, redes fantasma a ferirem mamíferos marinhos, escovas de dentes atravessadas em bocas de peixes, sacos de plástico a serem confundidos com medusas pelas tartarugas… Tudo isso é duro, é certo. Mas eu chorei não pelo choque da situação impotente que sentia em relação aqueles seres vivos que estão a cada segundo a ser afectadas pelos plásticos no oceano, mas sobretudo porque em tudo eu via a minha escova de dentes, a minha garrafa, o meu saco de plástico, os meus cotonetes… Senti-me responsável. Naquele momento, aquele documentário era uma mensagem pessoal, muito pessoal. Esmagou-me um enorme sentimento de culpa. Se nem sempre o choque nos move, porque por vezes até nos paraliza, desta vez, gerou o compromisso de mudar aquilo que já antes me fizera sentir tão mal comigo mesma.

Como vos falei na semana passada, o meu desafio para 2019 (e 2020) é reduzir o lixo que produzo, nomeadamente a quantidade de plásticos que invade todos os dias a minha vida. As Nações Unidas estabeleceram 17 metas para o desenvolvimento sustentável para implementar até 2020 e entre as várias tarefas que temos em mãos está a redução drástica dos plásticos no planeta. Eu quero fazer a minha parte.
E daqui partilho convosco uma perspectiva que representa, não apenas a minha opinião pessoal, mas também a minha experiência profissional na área da comunicação da ciência em biodiversidade e ambiente.
Muitas vezes estas estratégias nacionais e internacionais parecem-nos todas muito bem, grandiosas, fortes, importantes. Olhamos para elas e dizemos “Sim Sr!” Vemos questões como o “aquecimento global” ou os “organismos em vias de extinção” e pensamos: “bem, isto é terrível” e educamos a nossa consciência, sensibilizamos as nossas crianças para defender a protecção da natureza… mas raramente mudamos o que quer que seja no nosso dia-a-dia. E quando alguém nos atira isso à cara reagimos: “Mas o que é que eu posso fazer? São as grandes empresas que fazem a maior parte do lixo e que destroem as florestas!” O peso da globalidade torna os objectivos avassaladores e incompreensiveis e a nossa atitude só demonstra que tão pouco temos noção do que realmente podemos fazer de importante para travar este tipo de problemas.
O que é que o cidadão comum pode fazer para travar o aquecimento global ou a extinção das especies? Estamos a cada dia mais longe da natureza e essa desconexão retira-nos compreensão: perdemos quer a noção do impacto do nosso dia-a-dia na natureza quer das acções concretas na resolução dos principais problemas ambientais. É tudo indirecto: há uma série de intermediários que nos lavam os olhos dos verdadeiros impactos das nossa rotinas, que nos desligam das nossas próprias acções, que nos iludem da ausência de responsabilidade. A grande conclusão, porém, é que não há dúvida de que os problemas globais têm origens locais (até individuais) e portanto é fácil compreender que as soluções para esses problemas globais sejam também locais (e individuais). Nós somos responsáveis, mas é certo que em muitos temas, já perdemos a completa noção da nossa ligação com eles e é difícil definir acções do dia-a-dia.

O que eu gosto nas metas para o desenvolvimento sustentável das Nações Unidas é que, pelo menos em algumas, eu sinto que é muito fácil para todos, todos nós, percebermos o impacto directo das nossas acções no problema e implementar rotinas diárias para contribuir na sua resolução. Uma delas é a questão da redução dos plásticos no mundo e em especial nos oceanos. Esta é uma questão em que todos nós conseguimos ver o impacto que temos: basta tomar consciência da quantidade de lixo que fazemos ao regressar das compras. Em segundos enchemos um saco de papel e plástico que convictamente, alguns de nós, colocamos na reciclagem… Reparem: o problema já não são só alguns gráficos de temperatura que ninguém compreende ou a subida, quase imperceptível para nós, do nível do mar… Aqui o problema é a garrafa de plástico que eu comprei, a embalagem de biscoitos que desembrulhei (e que tinha um filme de plástico, uma embalagem de cartão e um suporte de plástico onde encaixam 8 singelas bolachas…8) que provavelmente não são sequer muito saudáveis para o meu organismo. É o meu fio dentário, a embalagem da fruta, o saco de passear o cão, a cuvete da carne, a tampa do desodorizante, as lâminas de barbear. São coisas em que eu toco todos os dias e que, dia sim, dia sim, vão produzir a imensidão de plásticos e microplásticos que invadem a cadeia alimentar na qual eu própria estou inserida.
Todos os anos oitenta milhões de toneladas de plástico (garrafas, embalagens e outros resíduos) são lançados no oceano colocando em causa a vida marinha e entrando na cadeia alimentar. Com este ritmo, teme-se que, em 2050, os oceanos terão mais plásticos do que peixe. Fomos nós que criamos o problema, pelo que a solução está também nas nossas mãos.
Por esta razão eu resolvi estabelecer as minhas próprias metas, pelo menos para 2019, embora eu queira prolongar esta mudança de hábitos pelo menos até 2020.

Durante este ano eu quero:

* Testar 52 alternativas “zero plástico”
* Dessas alternativas, 22 irei implementar até ao dia 22 de Abril de 2019, o dia da Terra.
* Participar no Plastic Free July
* Ver os documentários: Plastic Paradise; Straws Film; Bag It; Trashed; Plastic China; Wasteland; Garbage Island: An Ocean Full of Plastic; Tapped; Clean Bin; No Impact Man: The Documentary
* Ler o livro “Desperdício Zero” da Bea Johnson

Este é o meu desafio para 2019 e vou fazer questão de vos colocar a par de todas estas coisas, tal como fiz com o meu Nature Journal durante 2018 (cujo resultado quero partilhar em breve!).

I’ll tell you one more story: I consider myself a “sensitive” person but as a rule, I do not go so far as to cry in the movies, especially if I’m not in “my environment”. Neither in films nor in documentaries about nature because the problems presented there are usually of  my prior knowledge and I am prepared to see things…. But when I saw the documentary “A Plastic Ocean“, and even knowing what I could find, I started to cry… It was not the shock of seeing what I saw: birds starving to death with a full stomach, ghost nets hurting marine mammals, toothbrushes pierced in fish mouths, plastic bags swallowed by turtles like a jellyfish… All of this is hard, that’s for sure. But I cried not because of the shock of the helplessness I felt in relation to those living beings who are affected by the plastics in the ocean, but above all because I saw my toothbrush, my bottle, my plastic bag, my cotton buds… I felt responsible. At that moment, that documentary was a personal, very personal message. A great sense of guilt overwhelmed me. If the shock does not always move us, because sometimes it paralyzes us, this time, it caused a commitment to change what had already made me feel so bad about myself.

As I told you last week, my challenge for 2019 (and 2020) is to reduce the waste I produce, namely the amount of plastics that invades my life every day. The United Nations has set 17 sustainable development goals to implement by 2020 and, among the various tasks we have at hand, one is the drastic reduction of plastics on the planet. I want to do my part.
And from here I share with you a perspective that represents not only my personal opinion but also my professional experience in the area of science communication in biodiversity and environment.
Often these United Nations, national or international goals and strategies seem to us all “very well”, “great”, “strong”, “important”. We look at them and say “Yes Sir!” We see issues such as “global warming” or “endangered species” and we think “well, this is terrible!” and we educate our conscience, we make our children aware of the protection of nature… but we rarely change a single thing in our day-to-day life. And when someone throws it out to our face we react, “But what can I do? It’s the big companies that do most of the garbage and destroy the forests!” The weight of globalization makes these objectives overwhelming and incomprehensible, and our attitude only demonstrates that we have very little sense of what we can really do to tackle these kinds of problems.
What can the average citizen do to stop global warming or the extinction of species? We are more and more far from nature, and this disconnection removes us from understanding: we lose both the notion of the impact of our daily lives on nature and the concrete actions in solving the main environmental problems. It is all indirect: there are a series of intermediaries that wash our eyes of the true impacts of our routines, which disconnect us from our own actions, which deceive us of the absence of responsibility. The great conclusion, however, is that there is no doubt that global problems have local (even individual) origins and therefore it is easy to understand that the solutions to these global problems are also local (and individual). We are responsible, but it is certain that in many subjects we have already lost the complete notion of our connection with them and it is difficult to define daily actions.

What I like about the United Nations sustainable development goals is that at least in some I feel it is very easy for everyone, all of us, realize the direct impact of our actions on the problem and implement daily routines to contribute to its resolution. One of them is the issue of reducing plastics in the world and especially in the oceans. This is an issue where we can all see the impact we have: just be aware of the amount of junk we do when returning from shopping! In seconds we fill a bag with paper and plastic, that we, some of us, put in the recycling bin… Please note: the problem is no longer just some temperature graphs that no one understands or the rising of the sea level (almost imperceptible for our daily life)… Here the problem is the plastic bottle that I bought, the packaging of cookies that I unwrapped (and that had a plastic film, a cardboard carton and a plastic holder where they fit just 8 cookies…8!) which probably are not even much healthy for my own body. It is my dental floss, the fruit packaging, the dog walking bag, the meat cuvet, the deodorant cap, the razor blades. These are things I touch every day and that will produce the immensity of plastics and microplastics that invade the food chain in which I, myself, am inserted.
Eighty million tons of plastic (bottles, packaging and other waste) are thrown into the ocean each year, putting marine life into danger and entering the food chain. At this rate, it is feared that by 2050, the oceans will have more plastics than fish. It was us who created the problem so the solution is also in our hands.
For this reason I have decided to set my own goals, at least for 2019, although I want to extend this change of habits at least until 2020.

During this year I want to:

* Test 52 “zero plastic” alternatives
* Among these, I will implement 22 until April 22, the Earth Day.
* Participate in Plastic Free July
* See the documentaries: Plastic Paradise; Straws Film; Bag It; Trashed; Plastic China; Wasteland; Garbage Island: An Ocean Full of Plastic; Tapped; Clean Bin; No Impact Man: The Documentary
* Read the book “Zero Waste Home” by Bea Johnson

This is my challenge for 2019 and I will be happy to share with you all these things, as I did with my Nature Journal during 2018 (I will share the Nature Journal final result soon!).

Continue Reading

A low plastic tide…

Peça de Bonnie Monteleone. Bonnie Monteleone é uma investigadora que recolhe plástico marinho em todo o mundo. É também uma artista talentosa que transforma alguns dos plásticos que coleciona em obras de arte. / Art by Bonnie Monteleone. Bonnie Monteleone is a researcher who collects marine plastic globally. She is also an accomplished artist, by turning some of the plastic she collects into modern artistic masterpiece

Eu sou bióloga e há muito tempo que a questão dos resíduos que produzo no meu dia-a-dia são uma grande preocupação para mim. A época do Natal sobretudo, deixa-me sempre com o sentimento de que estou a ser hipócrita. Ouvimos o tempo todo que “amar a família não é sobre oferecer presentes…. é sobre cuidar”. E “cuidar” foi a palavra que escolhi aplicar este ano.

Todos nós sabemos e mais ou menos conscientemente vamos tentando interiorizar este “clichê” e damos a volta ao literalmente associado, ao mínimo indispensável. Mas não podemos esquecer que, como este planeta é a nossa casa, e cada ser vivo é nosso parente, nosso irmão, não me parece que fecharmos os olhos ao estado incontrolado dos contentores do lixo e da reciclagem no dia 25 e 26 seja um acto de amor. Na verdade eles só representam de forma momentânea e acentuada aquilo que se passa diariamente mas mais espalhado no tempo. Quem nunca ficou chocado pela quantidade de plástico e papel que se faz unica e exclusivamente quando chegamos a casa vindos do supermercado? É certo que “salvamos a nossa consciência” enchrendo o contentor da reciclagem, convencidos de que isso nos coloca acima do vizinho que não separa. É certo que os lixeiros, mais cedo ou mais tarde, os irão levar e “o que os olhos não vêm… o coração não sente”. É certo que depressa o interior da nossa casa fica limpo e arrumado e nos sentiremos bem outra vez… Mas será que a solução para a felicidade é a ignorância, a ilusão? A nossa vida é tão curta: dizem que um artista só morre quando, pela última vez, a sua peça é apreciada ou lembrada… eu creio que talvez hoje em dia, a nossa vida seja mais longa, não pelos anos que vivemos ou pelas obras que criamos, mas pelas centenas de anos que o lixo que produzimos continua a “viver” depois de nós desaparecermos… A primeira escova de dentes que deitei ao lixo quando tinha apenas 1 ano ainda “vive” e vai “viver” depois de mim, algures num aterro, algures no mar, algures no trato digestivo de um corvo marinho, de um atum ou de uma baleia. Eu, logo eu, que nasci para os comtemplar, comporto-me como se não os amasse. Faço de conta que não sei, varro o chão da cozinha e faço o meu aspirador engolir o pó. E pronto… o problema “desaparece” da minha cabeça… mas nunca do meu coração.

Este ano então eu refleti e muito embora já tenha feito algumas tentativas para um dia-a-dia, férias, Natal mais sustentável, feito à mão, aos ritmos das estações, com materiais naturais, creio ter compreendido durante os últimos meses que não tinha feito um compromisso. E o conhecimento, a sabedoria sem compromisso é como aquela toalha de linho guardada e que nunca foi usada: tem muito potencial, mas está desperdiçado porque não é útil, não serve para o papel para que foi feita, nem para outro qualquer e portanto não reflete atitudes nem comportamentos. Não serve para nada, é tão hipócrita como os contentores do lixo, no dia a seguir ao Natal ou quando eu regresso das compras. E eu, tal como todos nós, desvio o olhar…

Estamos em Janeiro e todos sentimos algum impulso para novos desafios. Já vos confessei que Setembro é para mim o momento de pensar fora da caixa e iniciar novos projectos. E não vos vou iludir: foi mais ou menos nessa altura que este pensamento se iniciou no meu interior e quando dei por mim a emergir numa autÊntica investigação sobre o assunto, um acto de auto-conhecimento e sensibilização pessoal que hoje me leva a querer implementar um desafio novo. Este ano um dos meus grandes objectivos vai ser de reduzir o plástico na minha vida e com isso uma grande percentagem do lixo que faço, que fazemos, diariamente porque felizmente não estou neste desafio sozinha.

No meu próximo post vou mostrar-vos as metas deste desafio que pretendo prolongar até 2020.

I am a biologist and I have long been concerned about the waste that I produce in my day-to-day life. The Christmas season, especially, leaves me with the feeling that I’m being hypocritical. We hear all the time that “loving the family is not about offering gifts…. it’s about caring.” And “care” is the word I chose to apply this year.

We all know and, more or less consciously, we try to internalize this “cliché” and but only do the indispensable minimum. But we must not forget that since this planet is our home, and every living being is our relative, I do not think that closing our eyes to the uncontrolled state of the garbage and recycling containers on the 25th and 26th is an act of love. In fact they only represent in a short moment, an accentuated moment, of what happens daily but more spread in time. Who has never been shocked by the amount of plastic and paper that is made when we come home from the supermarket? It is true that “we save our conscience” by filling the recycling bin, convinced that this puts us above the neighbor that does not separate. For sure the garbage collectors, sooner or later, will take them away from our eyes and “what the eyes do not see… the heart does not feel”. It is true that soon the interior of our house is clean and tidy and we will feel good again… But is ignorance or illusion our solution to happiness? Our life is so short: they say that an artist only dies when, for the last time, his piece is appreciated or remembered… I believe that today, our life will be longer, not for the years we live or for the work that we have created, but for the hundreds of years the garbage we produce continues to “live” after we disappear… The first toothbrush I threw away when I was only 1 year old still “lives” and will “live” after me, somewhere in a landfill, somewhere in the sea, somewhere in the digestive tract of a cormorant, a tuna, or a whale. I was born to contemplate them but behave as I did not love them. I pretend I do not know, sweep the floor of my kitchen and have my vacuum cleaner swallow the dust. And that’s it … the problem “disappears” from my head… but never from my heart.

During the end of 2018 I reflected and, although I have already made a few attempts for more sustainable Christmas and daily life, handmade, to the rhythms of the seasons, with natural materials, I think I understood during the last months that I did not have made a commitment. And knowledge, wisdom, without compromise is like that linen towel that has been stored and never used: it has a lot of potential, but it is wasted because it is not useful, it does not play its role. It’s, again, a wasted potential, and therefore does not reflects attitudes and behaviors. It’s no good, it’s as hypocritical as the trash bins the day after Christmas or when I return from shopping. And I, like all of us, I look away…

So, this is January and we all feel some momentum for new challenges. I have already told you that September is for me the moment to think outside the box and start new projects. And I will not deceive you: it was around this time of the year that this thought began inside me and when I found myself emerging in an authentic investigation on the subject, during an act of self-knowledge and personal awareness that today leads me to want to implement a new challenge. This year one of my big goals is to reduce the plastic in my life and a large percentage of the garbage we make (because fortunately I’m not in this challenge alone).

In my next post I will show you the goals of this challenge that I intend to extend until 2020.

Continue Reading