DIY chalkboard: “Be our guest!”

(scroll for the English version)

Eu gosto de receber bem. Acredito que faz muita diferença quando os nossos anfitriões nos fazem sentir em casa, confortáveis. Sair do nosso espaço pessoal, ainda que seja por razões de lazer, cria sempre uma pequena agitação por isso, sermos recebido num espaço confortável e acolhedor faz muita diferença na nossa atitude para com a experiência em questão quer seja ela de lazer, profissional ou outra. Nós temos um pequeno quartinho com diversas funções e que é também onde recebemos os nossos amigos sempre que vêm para ficar connosco. É um quarto decorado de forma muito simples mas ao qual eu queria dar uma pontada de conforto. Então, e em vez de acrescentar mais uma das minhas pinturas ao espaço (que também é muitas vezes usado para pintar, resolvi inspirar-me na onda DIY e dar uma volta a uma moldura básica do IKEA e transformar-a num quadro de giz onde posso personalizar uma mensagem para aqueles que nos vierem visitar.

Comprei esta moldura a um preço muito convidativo e, como queria que fosse o ponto de interesse na parede, optei pelo maior tamanho disponível: 50cm x70 cm. Usei o vidro para usar como paleta, base de secretária, entre outros usos e dei uso aquela placa de contraplacado que geralmente fica nas costas das molduras. Em primeiro lugar lixei-a um pouco com lixa de pintor para que ficasse o mais macia possível para receber tinta. Depois pintei-a com três demãos de tinta “chalkboard” ou tinta de ardósia disponível em lojas como o AKI ou semelhantes. Por fim, quando a placa ficou bem seca, passei uma camada de giz, um processo chamado de “seasoning” que serve para fazer com que o giz entre nos poros da tábua e, ao apagar, fique com o aspecto dos quadros de giz antigos.
E por fim dei asas à imaginação para escrever no meu novo quadro de giz! Mais, ele combina bem com as minhas almofadinhas de cheiro “Tide Pool” que eu usei para aromatizar as gavetas do quarto de hóspedes.

O interessante neste quadro é podermos adaptar o que escrevemos às pessoas que vamos receber para que se sintam especialmente bem recebidas. Mas nos momentos em que não tenho hóspedes, a frase que costuma lá estar escrita é “Be our guest!”, a famosa música cantada pelo Lumière, o candelabro do filme “ A Bela e o Monstro” da Disney, aquele que é o meu absoluto favorito de tooooodos os filmes de animação da Disney!

Nota: Por falar nisso, devo confessar que o filme “live-action” foi uma desilusão para mim a vários níveis. Por exemplo, apesar de gostar muito muito do trabalho da Emma Watson, acho que não que não foi a escolha perfeita para o filme… que pena!

I like to be a good host. I believe it makes a lot of difference when our hosts make us feel at home, comfortable. Getting out of our personal space, even for leisure reasons, always creates a small agitation so, being welcomed in a comfortable and welcoming space makes a lot of difference in our attitude to the experience in question whether it is leisure, professional or other. We have a small room with several functions and that is also where we receive our friends whenever they come to stay with us. It is a room decorated very simply but to which I wanted to give a touch of comfort. So, instead of adding one more of my paintings to the space (which is also often used for painting, by the way) I decided to inspire myself in the DIY wave and transform a basic IKEA frame into a chalkboard where I can customize a message for those who come to visit.

I bought this frame at a very inviting price and, as I wanted it to be the point of interest on the wall, I opted for the largest available size: 50cm x70cm. I took off the glass and used it as a palette, desk base, among other things. And then I used that plywood board that usually stays behind the back of the frames to transforme it on a chalkboard. In the first place, I rubbed it with painter’s sandpaper for a bit so that it gets as soft as possible to receive the paint. Then I painted it with three coats of chalkboard paint available in several craft stores. Finally, after letting the board dry completely, I applied a layer of chalk, a process called “seasoning” that aims to infuse the board with this chalk powder so that after erasing it, it looks like an old chalkboard.
And finally I gave wings to my imagination to write in my new chalkboard! Also, it matches perfectly my Tide Pool scented cushions that I used to give a little scent to the drawers from my guest room.

What is interesting about these chalkboards for guest rooms is that we can adapt what we write to the people we are going to host so that they feel especially welcome. But when I do not have guests, the phrase that is usually written is “Be our guest!”, The famous song sung by Lumière, the chandelier from Disney’s “Beauty and the Beast”, the one that is my absolute favorite of all the Disney animated films!

Note: By the way, I must confess that the live-action film was a disappointment to me on several levels. For example, although I really reeeeeally like Emma Watson’s work, I do not think it was the perfect choice for Belle… at all.
Continue Reading

My wip foxy quilt update and a tutorial for HST blocks that will blow your mind!

(scroll for the English version)

 

No mês passado comecei a fazer um novo quilt para mim! É um quilt de HST com algumas raposas à mistura e desta vez venho mostrar-vos os meus progressos.
Neste momento já cortei 60 quadrados de 10 in de lado: 30 em diferentes padrões que podem ver aqui e outros 30 em tecido branco. Depois apliquei um método de corte inovador para que, de cada par de quadrados de tecidos de padrão/branco conseguir fazer 4 blocos de HSQ com apenas alguns passos. Foi uma grande descoberta para mim pelo que vos deixo aqui um tutorial!

 

Last month I started making a new quilt for myself! It’s an HST quilt with some foxes in the mix and this time I’ll show you my progresses over time.
At this point I have already cut 60 squares of 10 in side: 30 in different fabric patterns (that you can see here) and another 30 in plain white fabric. Then I applied an innovative cutting method so that from each pair of standard/white fabric squares I could make 4 blocks of HSQ within just a few steps. It was a great discovery for me so I leave here the tutorial for you to follow!

 

A estratégia é muito simples. Depois de cortar os quadrados de 10in, sobreponho dois: um de tecido branco e outro de tecido com padrão, direito com direito.

 

The strategy is very simple. After cutting the 10in squares, I join two squares: one of white fabric and one of fabric with pattern, right sides together.

 

Depois coso a toda a volta a 1/4in da margem.

 

Then I stitch all the way around with a 1/4in seam allowance.

 

Com o cortador rotativo e uma régua, corto pelas duas diagonais e já está! Basta pressionar as costuras e abrir. Tenho num ápice 4 blocos prontos. Agora já só me faltam fazer mais 116…!

 

With the rotary cutter and a ruler, cut through the two diagonals and that’s it! Just press the seams and open the blocks. I have 4 blocks on just a minute or so. Now I only have to do 116 more! Not bad!

 

Continue Reading

Homemade bird feeders for wintering birds

(scroll for the English version)

Há uma semana regressamos de um pequeno passeio na Alemanha. Assim como muitas das cidades no centro da europa, Munique tem imensos jardins um pouco por toda a cidade onde diversas espécies de aves e mamíferos mais ubíquos não se inibem de viver perto dos seres humanos e até de se aproximarem mais do que o habitual. É uma especirência deliciosa ter um chapim a apenas alguns centímetros de distância. Esta aproximação é habitualmente mais forte durante o Inverno porque, no esforço para obter alimento, as aves arriscam-se um pouco mais. Ora, um pouco por toda a cidade eu vi cartazes de sensibilização que motivavam os residentes a comprar (ou fazer) alimentadores de Inverno para as aves da cidade.

Esta é uma forma muito eficaz de atrair biodiversidade para os nossos jardins e hortas pelo que segui algumas sugestões deste livro e fiz bolinhos de sementes e decorações de frutos desidratados para alimentar as aves do jardim da minha mãe!

Bolinhos de sementes:

Não há propriamente uma receita. Mas há que ter em conta que as principais fontes de energia necessárias para as aves são as gorduras e hidratos de carbono. Por isso ter uma base de gordura (normalmente animal, como a banha de porco, pois muitas aves alimentam-se de insectos e outros invertebrados como as minhocas e larvas) e sementes é indispensável. Depois basta misturar a gordura derretida com sementes diversas: nozes, milho, flocos de aveia, sementes de girassol, amendoins e claro, o tradicional alpista. A proporção é de uma parte de gordura para duas partes da mistura de sementes. Depois de bem incorporado deitar em copinhos de iogurte ou formas de cupcake e deixar solidificar. Para que fiquem seguros ao pendurar nas árvores, eu costumo usar um pedaço de fio do norte ou corda (evitar o fio de pesca que é transparente e pode emaranhar as aves), e colocar um arame no centro do cupcake como se fosse um pavio de uma vela antes de colocar a mistura. Desta forma, assim que solidificar está pronto a pendurar!

Fios de frutos desidratados:

Usando um pedaço de arame, espetar fruta desidratada como arandos ou mirtilos e depois dar-lhe formas: um coração, uma estrela. Também é possível usar um fio e uma agulha e fazer uma espécie de grinalda! Eu fiz um vídeo deste para que possam acompanhar o processo.

Há uma grande variedade de sementes e frutos para utilizar. Tudo depende das preferências das espécies que encontrarem no vosso jardim. Contudo, esta receita base é uma forma de conseguirem conhecer a biodiversidade da zona envolvente e, aos poucos, irem ajustando os ingredientes para satisfazer os gostos dos vossos convidados!

 

A week ago we returned from a short trip to Germany. Like many of the cities in central Europe, Munich has lots of gardens all over the city where several species of birds and more ubiquitous mammals dare to live close to humans and even to approach them. It is a delightful experience to have a Great Tit just a few inches away. This approaches are more frequent during the winter when the birds make huge efforts to obtain food, and take a little more risks. Well, throughout the city I saw awareness posters that motivated residents to buy (or make) winter feeders for the city’s birds! I thought it was a great idea.

This is a very effective way of attracting biodiversity to our gardens and vegetable gardens so I followed some suggestions from this book and made these seed cakes and dried fruit decorations to feed the birds of my mother’s garden!

Seed Cookies:

There is not an oficial recipe. But you should have in mind that the main sources of energy that birds need during winter are fats and carbohydrates. Therefore you should use a fat as a base (usually animal fat, such as lard, as many birds feed on insects and other invertebrates like worms and larvae) and seeds on your feeder. Basically just mix the melted fat with various seeds: nuts, corn, oat flakes, sunflower seeds, peanuts and of course, the traditional rice. The ratio is one part of fat to two parts of seed mix. Pour the mixture into yogurt cups or cupcake molds and let them solidify. To be safe when hanging the cakes on the trees, I usually use a piece of string or rope (don’t use nylon string because it is transparent and might hurt the birds; make the string visible for them), and place a wire in the center of the cupcake when placing the mixture, like a wick of a candle. This way, as soon as it solidifies, it is ready to hang!

Dried fruit decorations:

Using a wire jab some dehydrated fruit, like cranberries or blueberries, and then give it shapes: a heart, a star. It is also possible to use a thread and a needle and make a garland! I made a video for you to follow this one.

There is a great variety of seeds and fruits to use. It all depends on the preferences of the species you find in your garden. However, this basic recipe is a “go to” for you to get to know the biodiversity of the surrounding area and, gradually, adjust the recipe to satisfy the tastes of your guests!

Continue Reading

Fabric pine cones

(scroll for the English version)

Já vos falei de algumas das decorações de Natal que fui fazendo ao longo do tempo: aqui, ali, acolá e ainda aqui e além. E como as ideias não param de chegar, logo a seguir às rosetas de papel, eu comecei a fazer estas pinhas usando um tecidos de xadrez vermelho muitíssimo vulgar! E posso dizer que este projecto é ideal para utilizar aqueles restos de tecidos lindos e que custam tanto deitar fora!
Para as fazer bastam umas bolas de esferovite (ou ovos d esferovite, para que o aspecto de pinha seja mais acentuado), retalhos de tecidos e um monte de alfinetes com a cabeça mais discreta que conseguirem encontrar.

Eu segui um tutorial como este para cortar, dobrar e fixar os meus retalhos de tecido.
Já vi bolinhas deste género que não gostei nada: parecem muito direitas, com tecidos rebuscados e brilhantes! Eu gosto de padrões “caseiros”, simples e acho que este tecido de xadrez muito “português” acabou por sobressair por ser a personagem principal de um projecto algo imbricado! Portanto, com o tecido certo e alguma descontração é possível conseguir um resultado bem interessante, sobretudo se intercalarmos os bicos das escamas em vez de as alinhar umas às outras e os deixarmos bem soltos para ganharem alguma personalidade.
Hoje, estas pinhas de tecido são pontos chave na minha árvore de Natal e como combinam bem com qualquer outra decoração acabei por fazer mais um conjunto para oferecer à maior apreciadora de todas: a minha cunhada!

 

I have already told you about some of the Christmas decorations I have been doing over the years: here, there, there and here and also there. And as the ideas keep coming, just after I finished the paper medallions, I started to make these fabric pine cones using a very vulgar red gingham fabric! And I can say that this project is ideal to use those beautiful fabric scraps that we just aren’t able to throw away!
To make them, you will need some styrofoam balls (or styrofoam eggs, so that the appearance of pine cone is more accentuated), fabric scraps and a lot of pins: the most discreet you can find.

I followed a tutorial like this to cut, fold and fix my fabric scraps to the stryrofoam.
I have seen seen several fabric pine cones that I did not like at all: they look very straight, with elaborate and shiny fabrics! I like “cozy” patterns, simple and I think this very “portuguese” gingham fabric came to stand out as main character of a somehow imbricated project! Therefore, with the right fabric and some relaxation it is possible to achieve a very interesting result, especially if we intercalate the beaks of the pine scales instead of aligning each other and leave them loose to gain some personality.
Today, these fabric pine cones are key points in my Christmas tree and as they fit well with any other decoration I ended up doing one more set to offer to their greatest fan: my sister-in-law!

Continue Reading