Pastel colors rainbows and choices

(scroll for the English version)

O pastel foi uma técnica que não abordamos no curso de pintura. Tive pena porque sinto que ainda tenho muito que aprender com esta técnica. O mais difícil para mim é, ao contrário do que se poderia esperar, trabalhar com uma paleta em vez de fazer as minhas próprias misturas. Não que não seja possível fazê-las até certo ponto mas o resultado nunca é tão bem conseguido como quando temos exactamente a cor que queremos na nossa paleta.

A minha paleta de pastel foi construída há uns anos atrás quando tinha aulas particulares. O objectivo era ter uma paleta abrangente e os temas eram realistas.
Hoje, depois de alguns anos a experimentar-los, descobri que o pastel é uma técnica que eu adoro usar para quadros de crianças. Há um certo encanto, um certo jeito de ilustração, que o material dá às obras. Como se fosse um pó mágico que ora marca, ora se dispersa, tal e qual a nossa visão sobre as histórias que são ilustradas na memória.

A segunda coisa que descobri é que, apesar de eu ter uma paleta generosa, não estou em posição de a terminar. Já dei por mim a pensar: não era bem esta cor, era um pouco mais intensa. Creio que isto revela algum poder de abstração característico da arte: conseguimos imaginar exactamente a cor que queremos e é um pouco frustrante quando não a temos (ou no caso de outras técnicas de mistura-la). Dou por mim a comparar 6 tons de vermelho escarlate que diferem em décimas de manómetro no comprimento de onda. Preciso por vezes de me chamar à razão.

A terceira coisa que descobri é que, por outro lado, com o pastel sinto que tenho de restringir a minha paleta antes de começar a pintar: se por um lado a minha paleta tem de ser diversa, a verdade é que me sinto muito melhor quando escolho e uso, criteriosamente, apenas uma mão cheia de cores. Parece contraditório mas sinceramente tem revelado resultados muito mais interessantes do que quando tenho toda a paleta disponível.

 

Pastel is a technique that we did not address in the painting course last year. I was disappointed because I feel that I still have a lot to learn from this technique. The hardest thing for me is, contrary to what you might expect, working with a palette instead of making my own mixes. Not that it is not possible to make them with pastel at least to a certain extent, but the result is never as well achieved as when we have exactly the color we want in our palette.


My pastel palette was built a few years ago when I had private lessons. The aim was to have a comprehensive palette to address realistic themes.
Today, after a few years of experimenting with them, I discovered that pastel is a technique that I love to use for children’s paintings. There is a certain charm, a certain feel of “illustration”, that the material gives to my works. As if it were a magic powder that both lines, are disperses, just like our view of the stories that are “illustrated” in our memory.


The second thing I discovered is that, although I have a generous palette, I am not in a position to consider it finished. I already found myself thinking: “it isn’t quite this color, I want it a little more intense”. I believe that this reveals some abstraction power that is characteristic of art: we can imagine exactly the color we want and it is a little frustrating when we don’t have it (or mix it). I find myself comparing 6 shades of scarlet red that differ in tenths of a manometer in their wavelength value. I sometimes need to call myself to reason!


The third thing I discovered is that, on the other hand, with the pastel I feel that I have to restrict my palette before I start painting: if on the one hand my general palette has to be diverse, the truth is that I feel much better when I choose and use, judiciously, just a handful of colors in a painting. It seems contradictory but honestly it has revealed much more interesting results than when I have my entire palette available.

Continue Reading

Socks finished: Hermione’s Everyday Socks

(scroll for the English version)

Acho que nunca mais vos dei novidades das minhas primeiras meias feitas à mão!

É um projeto que já tem algum tempo e que fui fazendo, aqui e além, usando o fio um novelo da lã Mondim da Rosa Pomar e o modelo Hermione’s Everyday Socks da Erica Lueder.
Tenho de confessar. Deixei uma meia feita e a outra por fazer durante algum tempo! Por incrível que pareça, a primeira meia deu-me algumas dores de cabeça que, para variar, eu tomava em resolver sozinha. Grande erro, qualquer pessoa precisa de ajuda! Mas muitas vezes é importante dar uma pausa aos projetos para a cabeça aprender (eu acredito que o nosso cérebro continua a assimilar muito depois dos assuntos terem passado pelas nossas mãos). E assim foi: mal peguei na segunda meia, despachei-a em poucos dias. Atenção: eu sou uma tricotadeira lenta, assim como sou uma leitora lenta, embora ávida. Sobretudo porque gosto muito do processo, de degustar, como quem vai comendo um chocolate um quadradinho de cada vez! Por isso os meus projetos de tricô são saboreados.
Aproveitei os últimos dias para rematar, esticá-las e fotografá-las para vocês. Hoje venho mostrar-vos o resultado final!

A minha opinião sobre fazer meias é a seguinte. Na prática não, talvez não compense fazer meias. Também não compensa ter uma casa cheia de tralha e, no entanto,… Por isso o veredicto final é o seguinte. Como todas as minhas peças feitas à mão, eu acabo por me sentir muito especial quando as uso. E nunca me senti tão bem com um par de meias! Por isso sim, considero que compensa de vez em quando fazer um ou outro par com o objectivo de ser um par especial. Não muito longe da sua história, estas meias reforçam a minha imaginação e confiança, precisamente o que caracteriza a Hermione que lhes dá o nome. A ter de escolher, esse seria sempre o par de meias que calçaria nos pés.

I don’t think I ever gave you any news of my first handmade socks!

It is a project that has been going on for some time and that I have been doing, here and there, using the a ball of Mondim wool from Rosa Pomar and the Hermione’s Everyday Socks pattern by Erica Lueder.
I have to confess. I left one sock done and the other undone for a while! Incredible as it may seem, the first sock gave me some headaches that, for a change, I took to solve by myself. Huge mistake! Everyone needs some help. But it is often important to take a break from projects sometimes, in order to let our brain to learn (I believe our brain continues to assimilate long after the things actually passed). And so it was: as soon as I picked up the second sock, I done it in a few days. Warning: I am a slow knitter, just as I am a slow (despite avid) reader. Especially because I really like the process, tasting it, like someone eating a chocolate one square at a time! That’s why my knitting projects are savored.
I used the last few days to shoot, do stretch and photograph them for you. Today I show you the result!

My opinion about making socks is as follows. If I am being practical, it may not be worth making socks. But you know, It also doesn’t worth to have a house full of junk, and yet… So the final verdict is that I like all my handmade pieces, I end up feeling very special when I use them. And I never felt so good with a pair of socks! So yes, I think it pays off from time to time to make one special pair of socks. Not far from their history, these socks reinforce my imagination and confidence, precisely what characterizes Hermione’s personality and who gives the socks their name. In the end if I have to choose, that would always be the pair of socks you would wear on myfeet.

Continue Reading

Painting outdoors and “a la prima”

(scroll for the English version)

Pintar ao ar livre e a la prima é algo que todos os aspirantes a pintores sonham em fazer bem. Mas é uma experiência bem diferente de pintar em estúdio com todo o tempo do mundo. E como tal as expectativas devem ser geridas em função da experiência em questão!

Se pintar aguarela ao ar livre é algo mais ou menos descontraído, pintar a óleo poderia ter-se revelado extremamente confuso. Contudo, depois do desafio lançado pelos colegas a minha primeira experiência a la prima, ao ar livre e a óleo foi uma aprendizagem muito relevante.
Não só me permitiu perceber que não é assim tão complicado trazer os materiais, pode ser tão rápido quanto eu quiser e força-me a trabalhar de forma mais espontânea e com uma paleta de cores bem afinada e restrita.

O resultado revelou-se bastante impressionista e depois de chegar a casa percebi que o segredo também passaria por usar pincéis de dimensões diferentes para criar mais efeito optico. Contudo, e porque o objectivo é pintar rápido, trazer telas pequenas em prancheta ou mesmo em papel apropriado para pintura a óleo, torna a técnica mais fácil de trabalhar fora do estudio. Evitar o oleo de linhaça e investir em mais terbentina permite ajustar um pouco os tempos de secagem e as mudanças de luz obrigam-me a ser “eficiente” e “definitiva” com o traço. Foi um exercício que gostaria de repetir novamente e apercebo-me que gostaria de pintar mais vezes no exterior, onde as cores e a luz mudam a todo o momento, desafiando-nos! Claro está que sacar de um pincel e de uma paleta num jardim público ainda é motivo para atrair “público”, algo para que nem todos estamos preparados e a que ainda tenho de me habituar… Por outro lado, é muito provável que, aos poucos, nos cruzemos com uma pequena “tribo” de outros artistas que nos pode motivar, inspirar e encorajar!

Painting outdoors and “a la prima” is something every aspiring painter dreams of. But it’s a very different experience from the studio painting where we have all the time in the world to work on a piece. Because of this, expectations must be managed based on the experience in question!

If outdoor watercolor painting is thing more or less easy to do, oil painting could have been extremely messy. However, after being challenged by my colleagues, my first “a la prima” experience in the open air and using the oil was a very fulfilling learning experience.
Not only has it allowed me to realize that it is not that complicated to bring your oil painting materials outdoors, painting can also be as fast as I want and forces me to work more spontaneously and with a narrow color palette.

The result turned out to be quite impressionistic and while arriving home I realized that the secret would also be to use brushes of different dimensions to create more optical effects. However, and because the goal is to paint quickly, bringing a small canvases on a clipboard or even a sheet of paper suitable for oil painting, makes the technique easier to work out of the studio. Avoiding flaxseed oil and chosing terbentine allows me to adjust the drying times a little and the light changes forces me to be “efficient” and “determined” with my strokes. It was an exercise I would like to repeat and I realize that I would like to paint more often on the outside: where colors and light change all the time, challenging me! Of course, pulling out a brush and a palette in a public garden is still reason to attract “public”, something that we are not all prepared for and which I still have to get used to… On the other hand, it is very likely that, gradually we come across a small “tribe” of other artists who can motivate, inspire and encourage us!

Continue Reading

Music literacy is also a DIY adventure

(scroll for the English version)

Um dos compromissos de “ano novo” que fiz para este e os próximos anos foi tornar-me musicalmente mais culta no que diz respeito à música Pop. Desde que tenho memória que fui habituada a ouvir sobretudo música erudita e, quando às 8h00 chegava à escolinha, já tinha provavelmente ouvido o primeiro ato de um ballet qualquer, meia dúzida de corais de Bach ou três andamentos de uma sinfonia de Beethoven. Não me estou a queixar, foi a minha experiência musical. Obrigada pai! E mais rapidamente sou capaz de identificar os meus compositores favoritos do que escolher uma banda ou cantor pop. Contudo, com um aficionado por música em casa (que me ganha tanto na música pop, rock ou mesmo erudita!) senti que gostava de aprender mais acerca dos estilos musicais que andam por aí, sabendo definir melhor aqueles que eu prefiro e que gosto de partilhar. Não conheço nada de nada!
Por isso embarquei na grande aventura de ouvir toda a lista dos 500 melhores álbuns de todos os tempos da revista Rolling Stone. Está claro que depois destes meses todos não estou nem perto de terminar! Nada disso. Orgulho-me contudo de já ter ouvido os 100 primeiros (500-400), alguns que repeti e de cujos autores fui saber mais.

Foi a primeira vez que ouvi The White Stripes e que compreendi que Kiss não é hardcore apesar das capas dos álbuns. Recordei dois albuns de Pearl Jam que não ouvia desde os meus 18 anos e outros quantos de Coldplay e da fabulosa Amy Winehouse.
Foi a primeira vez que ouvi um album completo da Cyndi Lauper, Manu Chao, Elvis Costello, George Michael, Bruce Springsteen, Elton John ou dos inconfundíveis R.E.M ou Dire Straits. Foi quando percebi que “Killing Me Softly With His Song” era dos Fugees (Yeah, shame on me…!).
Ouvi coisas de Police que não diria que eram Police (e fiquei a saber que nem todas são cantadas pelo Sting) e um U2 desconhecido para mim! Confirmo que Def Leppard e PJ Harvey não são a minha onda e que Nirvana tem dias que sim, tem dias que não… Reconheci que o meu Beatle favorito é o George Harrison, sem dúvida. Percebi que gosto de Eric Clapton e The Doors mas que não sou grande fã de Bob Dylan.

Agora tenho 400 álbuns pela frente e ainda muito para aprender! Estou a adorar o meu desafio pessoal.

One of “New Year” commitments I made for this and the next few years was to become more musically cultured with regard to pop/rock music. Since I have a memory I was used to listening mostly to classical music. And by 8:00 am while my father was driving me to school I had probably already heard the first act of a ballet, half a dozen Bach choirs, or three movements of a Beethoven symphony. I’m not complaining, it was my musical experience,, that’s it. Thanks Dad! I can identify my favorite clasic compositors more quickly than choose a band or pop singer. However, with a music aficionado at home (who beats me in pop, rock but also in classical music!) I felt like I wanted to learn more about the music styles out there, knowing better the ones I prefer and that I like to share. I feel I don’t know anything at all!
So I embarked on the huge adventure of listening to Rolling Stone’s list of the 500 best albums of all time. Of course, after all these months, I’m not even close to finishing! Not at all. However, I am proud to have heard the first 100 albums (500-400), some of which I repeated and whose authors I learned more about.

It was the first time I heard The White Stripes and realized that Kiss is not that hardcore despite their album covers. I remembered two albums from Pearl Jam that I haven’t listened to since I was 18 years old and others from Coldplay and the fabulous Amy Winehouse.
It was the first time I heard a full album of Cyndi Lauper, Manu Chao, Elvis Costello, George Michael, Bruce Springsteen, Elton John or the unmistakable R.E.M. or the Dire Straits. That’s also when I realized that “Killing Me Softly With His Song” was a song from the Fugees (Yeah, shame on me …!).
I heard things from Police that I wouldn’t say were Police (and not all of them are sung by Sting) and an very unknown U2 to me! I confirm that Def Leppard and PJ Harvey are not my thing and that Nirvana some days is, some days is not … I recognized that my favorite Beatle is George Harrison, no doubt. I realized I like Eric Clapton and The Doors but I’m not a big fan of Bob Dylan.

Now I have 400 albums ahead and still a lot to learn! I am loving this personal challenge.

Continue Reading