A Gingerbread house for Christmas

(scroll for the English version)

Este Natal resolvi aventurar-me na minha primeira casa de gengibre.

Já fiz tantos projetos de Natal! Desde uma coroa de pom-pom para a porta, as decorações para a árvore de Natal, os calendários de advento, enfim, há uma série de aventuras natalícias feitas à mão no blog. Neste momento não preciso propriamente de mais nada em casa mas confesso que, logo este ano que passamos tanto tempo dentro de portas, eu queria algo feito à mão para me trazer o espírito de Natal que geralmente absorvo destes projetos. Por isso, este Natal resolvi aventurar-me na minha primeira casa de gengibre. 


A minha intenção era fazer uma casinha pequena e só quando comecei a fazer a receita é que me apercebi: não, pela quantidade de massa esta vai ser uma casa de gengibre como deve de ser! 
Para dizer a verdade esta pequena experiência desfez muitos mitos! A massa das bolachas de gengibre é muito resistente e o icing, se for feito devidamente é um cimento muito potente e um estuque decorativo “misericordioso” que cai bem nas mãos dos humildes aprendizes. Ambos fazem com que as casinhas de gengibre sejam, na verdade, muito mais resilientes do que se imagina!


Como não sou adepta das casas de gengibre cheias de gomas e cores fortes optei pela versão “básica” da bolacha decorada com icing que lhe dá um ar algo minimalista. Pelo menos eu não queria aventurar-me em grandes malabarismos logo na primeira tentativa… ah, mas a genética do avô materno que preservo dentro de mim (entusiasta das fantasias) não resistiu a acrescentar-lhe, pelo menos, uns  vidros nas janelas usando folhas de gelatina para não deixar o frio entrar! 


Desejo-vos um Natal diferente, com a luz que falta nas ruas a emanar, desta vez, de dentro para fora.

This Christmas I decided to venture into my first gingerbread house.

I’ve done so many Christmas projects! A pom-pom wreath for the door, the decorations for the Christmas tree, advent calendars, there are a series of handmade Christmas adventures on the blog.Right now I don’t really need anything else for my home, but I confess that, since we spent so much time inside doors this year, I really wanted a handmade adventure to bring me the Christmas spirit that I usually absorb from these projects.So this Christmas I decided to venture into my first gingerbread house.


My intention was to make a small house but when I started making it, I realized that, by the amount of dough I had, this will be a proper size gingerbread house!
To tell the truth, this little experiment has dispelled many myths! The dough of the ginger cookies is very resistant and the icing, if done properly, is a very potent cement and a decorative forgiving plaster that goes very well into the hands of an humble apprentice. Both make gingerbread houses much more resilient than you think!


As I am not a fan of gingerbread houses full of gums and strong colors, I opted for the “basic” version of the cookie decorated with icing that gives it a somewhat minimalist look. At least I did not want to venture into big juggling right on my first try … ah, but the maternal grandfather’s genetics that I preserve inside me (fantasy enthusiast) couldn’t resist adding at least a few windows glass using gelatin sheets… just to keep the cold outside!

I wish you a different but merry Christmas, with the light that is missing in the streets emanating, this time, from the inside out.

Continue Reading

My Zero Plastic Snacks workshop!

 

(scroll for the English version)

O meu último workshop foi sobre Snacks Zero Plástico para levar para todo o lado! Para algumas das formandas a questão dos plásticos era um assunto recente pelo que acabei por esclarecer uma série de dúvidas e fazer uma montanha de sugestões para colocar em prática em vários aspectos da nossa vida.

Contudo, foi unânime que o hábito de comprar snacks ou levar para o trabalho opções embaladas é uma prática enraizada na nossa cultura. Quer crianças como adultos já praticamente deixaram de levar um lanche saudável, típico da nossa infância. Na verdade, como expliquei, quase todas as opções feitas em casa podem ser opções sem plástico caso sejamos conscientes na compra dos ingredientes (opções a granel ou em embalagem de papel) e na embalagem que criamos para os resultados das nossas receitas!

Por isso apresentei três receitas, entre elas as minhas barritas de cereais, feitas com ingredientes que são possíveis de encontrar sem embalagem de plástico, rápidas, saborosas e muito saudáveis.

Por fim, depois de provarmos tudo o que fizemos, ainda sugeri e ensinei uma série de opções para embalagem sem recurso a plástico que se revelaram muito divertidas!

Na próxima semana tenho mais 8 alterações para vos apresentar do meu desafio de baixo impacto em plástico de 2019!

 

My last workshop was about Zero Plastic Snacks to take everywhere! For some of the participants the issue about plastics was a recent issue so I ended up clarifying a several doubts and making a ton of suggestions to put into practice in various aspects of our life.

However, it was unanimous that the habit of buying snacks or taking from home packed snacks options is a practice that is rooted in our culture. Both children and adults practically stopped having a healthy snack, typical of our childhood. In fact, as I explained, almost all homemade choices can be plastic-free options if we are aware of it while we are buying the ingredients (bulk or paper packaging options) and making the packaging for the results of our recipes!

I presented three recipes, including my cereal bars, made with ingredients that are possible to find without plastic packaging, that are fast to make, tasty and very healthy.

Finally, after tasting everything we did, I also suggested and taught a number of plastic-free packaging options that turned out to be so so fun to make!

Next week I will present 8 more swaps of my low plastic impact challenge of 2019!

Continue Reading

My first red velvet cake: happy birthday grandma!

(scroll for the English version)

Era muito raro a minha mãe comprar bolos de aniversário lá para casa. Sempre nos habituamos a que fosse ela a fazer o bolo e, quando isso não acontecia, algo estava mal! Numa época em que o Pinterest não existia para inspirar a nossa imaginação, posso dizer que a minha mãe foi muito criativa: houve bolos em forma de boneca, mesa de chá, piano, piscina, pista de carros, enfim, bastava que tivéssemos um novo hobby e ela arranjava forma de o representar no nosso bolo de aniversário.
Hoje, continuamos a fazer os nossos próprios bolos. Sem a pressão de fazer malabarismos para criar bonecas e piscas de carros, mantem-se o desafio de um bolo original pelo que estamos sempre à procura de uma nova receita para festejar. Desta vez calhou-me a mim fazer o bolo da avó. Não tinha intenções nenhumas de partilhar isto num post mas fiquei tão feliz com o bolo que resolvi partilhar a receita convosco!

Foi o meu primeiro “red velvet” cake. A receita é da Rita Nascimento (já fiz três receitas dela e só tenho coisas boas a dizer). Como o buttermilk é algo difícil de encontrar por cá, segui a recomendação da Rita e usei iogurte. O bolo não é super fofo, mas também não fica seco. A cobertura com marcarpone é genial e o conjunto é, supreendentemente, pouco doce. Contudo, confesso que esta questão do corante ainda me deixa muito reticente… Só usei metade do que a receita pedia e, para mim, a intensidade está boa. Mas, mesmo assim, gostava de conseguir arranjar bons corantes em gel de origem natural. Alguém tem recomendações?

It was very rare for my mother to buy birthday cakes for us. We always got used to her making the cake, and when that did not happen, something was wrong! At a time when Pinterest did not exist to inspire our imagination, I can say that my mother was very creative: there were doll-shaped cakes, a tea table, a piano, a swimming pool, a car lane, you name it. If we had a new hobby she would figure out how to represent it on our birthday cake.
Today, we continue to make our own cakes. Without the pressure to juggle dolls and pianos, it remains the challenge of an original cake. Because of this we are always looking for a new recipe to celebrate. This time I was in charge of making grandma’s cake. I had no intentions of sharing this in a post but I was so happy with the cake that I decided to share the recipe with you!

It was my first “red velvet” cake. The recipe is from Rita Nascimento (I’ve already made three of her recipes and I only have good things to say). Since buttermilk is hard to find around here, I followed Rita’s recommendation and used yogurt. The cake is not super fluffy that it can’t stand the filling and icing, but it also does not get dry at all. The covering with mascarpone is great and the whole set is, surprisingly, not to much sweet. However, I confess that this food dye thing still makes me very reticent… I only used half of what the recipe requested and for me, the intensity is good. But even so, I’d love to find some good natural gel dyes. Does anyone have recommendations?
Continue Reading

Cinammon buns, Kanelbulle , Zimtschnecke… and a happy Easter!

(scroll for the English version)

 

Há mais ou menos um ano estive na Suécia e dei de caras com um novo conceito de refeição mais ou menos equivalente ao nosso “ir tomar um café”: o Fika. Fika pode ser um nome ou um verbo. Fazer fika é contudo um pouco diferente da nossa pausa para café. É quase uma pausa instituída que inclui uma bebida e doces. Aliás, no fika não se pode dizer que o café venha acompanhado de um doce… é mais o contrário, são os doces que são os reis do fika e que são acompanhados por uma bebida, em geral café. Pode acontecer a vários momentos do dia mas é sobretudo a meio da tarde que os suecos param o que estão a fazer e se juntam para o fika na rua, nos locais de trabalho, etc. E as expectativas são altas: os doces podem ser bastante requintados e constituir uma fatia de tarde, pequenos quadradinhos de pastelaria francesa com cremes e fruta mas o mais tradicional é comerem-se os famosos rolos de canela, os “Kanelbullar” ou mais conhecidos por “cinnamon buns” ou “Zimtschnecke” na Alemanha.

 

Ora, com a Páscoa à porta e ainda com a Primavera tão tímida, achei que um Kanelbulle ia muito bem com o chá da tarde e resolvi fazer um tabuleiro para matar as saudades dos países nórdicos e da europa central… Quero muito acertar a minha própria receita mas, para já, foi esta a receita vencedora!
Aproveito para desejar a todos uma Páscoa muito feliz!

 

About a year ago I was in Sweden and I found a new concept of meal which is more or less equivalent to our “go for a coffee”. It’s called “Fika”. Fika can be other a noun or a verb. Making fika is, however, a bit different from our coffee break. It’s almost an instituted break that includes a drink and sweets. In fact, regarding fika, one can’t say that the coffee comes accompanied by a sweet… it is the opposite, it is the sweet that is the fika “star” that are accompanied by a drink, usually coffee. It can happen at various times of the day but it is mainly in mid-afternoon that the Swedes stop what they are doing and join to fika on the street, in the workplace, etc. And the expectations are high: the sweets can be quite exquisite like a slice of tart, small squares of french pastry with cream and fruit, but the most traditional is to eat the famous “Kanelbullar”,  better known by “cinnamon buns” or “Zimtschnecke” in Germany.

 

Well, with Easter just around the corner and spring still so shy around here, I thought that a Kanelbulle might go very well with the afternoon tea and I decided to make a tray to recall my visits to the nordic countries and central Europe… I want to fix my own recipe but, for now, I am just following this one!
Happy Easter to you all!
Continue Reading