Camino Handmade: cereal bars

(scroll for the English version)

Esta não foi a minha primeira aventura em caminhada. Como já descrevi no blog, fazer trilhos e caminhadas é das minhas coisas favoritas desde sempre. No início ia artilhada com muita água e comida mas, com o tempo, consegui medir cada vez melhor aquilo que deveria levar comigo de forma a ter às costas o menor peso possível sem comprometer o meu bem estar.
Quando uma caminhada se prolonga por mais do que 3h, levo uma sandes reforçada, para almoço, acompanhada de um sumo de frutas, fruta, água, frutos secos e uma ou duas barrigas de cereais. Quando é mais pequena, limito-me à água, aos frutos secos e às barrigas de cereais.
Para o caminho de Santiago, entre as várias coisas feitas à mão que fui concretizando, resolvi investir em criar algumas barras de cereais adaptadas aos nossos gostos e que nos pudessem acompanhar durante os primeiros dias. Podia tê-las comprado, é certo, mas a meio da manhã, quando já estamos longe o bastante, quando o corpo começa a pesar, quando queremos algo que nos reconforte e nos dê ânimo para continuar, são estas pequenas coisas que nos ligam a casa e nos dão amor. É nelas que vemos a nossa capacidade de colocar mãos à obra, de sermos capazes de nos levantarmos, caminharmos, cuidarmos, proteger-nos e alimentar-nos, como qualquer outro ser vivo. Se caminhamos por nossos pés, se decidimos fazer um caminho por nossa determinação, há algo de coerente em sermos também nós a preparar alguma alimentação que nos suporte nas nossas decisões. É toda uma holística que nos devolve alguma autonomia numa sociedade que cultiva a dependência.

Hoje trago-vos uma das receitas que gosto de fazer e que resultou de uma combinação de coisas que fui experimentando ao longo do tempo:

Barras de amaranto, alperce e côco:

1/3 chávena de alperce desidratado bem picado
1/2 chávena de amaranto expandido*
1/2 chávena de manteiga de amendoim (eu uso biológica ou feita em casa)
1/3 chávena de flocos de côco desidratado
1/4 chávena de sementes de chia
1/3 chávena de sementes de abóbora
1/3 chávena de flocos de aveia inteiros
1/2 chávena de mel de flores
1 colher de chá de canela
1 colher de chá de extrato de baunilha
1 pitada de sal

*O amaranto expandido é muito difícil de comprar mas muito fácil de fazer. O amaranto é um grão semelhante à quinoa mas mais pequeno. Pode encontrar-se em lojas de produtos biológicos ou nas áreas de alimentação alternativa dos supermercados. Para o expandir basta aquecer bem o fundo de uma panela alta, como se fosse fazer pipocas (não juntar qualquer óleo ao fundo) e ir deitando lá para dentro pequenas porções (uma colher de sopa de cada vez) de amaranto. Reduzir para lume médio e ir agitando até que deixe de ouvir estalidos das pipocas de amarando a rebentar. Retiram-se as pipocas e volta a acrescentar-se mais uma porção de amaranto à panela. Repetir até obter a qualidade adequada. Com o amaranto expandido podem fazer-se excelentes barras de cereais ou as famosas Alegrías, um doce mexicano com amaranto e mel. Se presidir pode substituir por quinoa (reduzindo a quantidade para metade) e expandi-la exactamente da mesma forma.

Aquecer o formo a 125ºC/260ºF. Entretanto, juntar todos os ingredientes numa taça e envolver muito bem. Cobrir uma forma quadrada com cerca de 25-30cm (também é possível usar duas formas de bolo inglês) com papel vegetal. Colocar a mistura na forma e pressionar bem até que a superfície esteja completamente lisa. Colocar no forno, mais ou menos a meio, durante 30-40 minutos. Retirar do forno e deixar arrefecer completamente antes de desenformar. Cortar em quadrados ou rectângulos e embalar em papel vegetal. Conservar preferencialmente no frigorífico a não ser que sejam para ser comidas no espaço de 2-3 dias!

Acho que esta é uma receita que pela sua suavidade é aceite por maior parte dos paladares. Foi uma excelente companhia no caminho e é um excelente snack para a próxima caminhada!

This was not my first adventure in hiking. As I described sometime ago, walking or hiking is one of my favorite things since ever! When I started, many years ago, I was crawling with lots of water and food, but over time I was able to measure what I should take with me in order to keep the weight of my backpack as low as possible without compromising my well-being during the trail.
When a trail lasts more than 3 hours, I take a reinforced sandwich for lunch, accompanied by a fruit juice, fruit, water, nuts and one or two cereal bars. When it is smaller, I confine my snacks to water, nuts and cereal bars.
For theCamino, among several handmade items that I have done, I decided to create some cereal bars adapted to our tastes that could be the perfect snack for the first two or three days. I could have bought them, of course, but by mid-morning, when we’re far enough away from villages, when the body begins to weigh, when we want something that comforts us and gives us the courage to continue, it’s these little things that bind us to home and give us love. It is through them that we see our ability to get to work, to be able to get up, walk, care, protect and feed ourselves, like any other living being. If we walk on our feet, if we decide to make a path for our determination, there is something coherent about also preparing some food that supports us in our decisions. It is a holistic view that gives us some autonomy in a society that cultivates dependency.

Today I bring you one of the recipes I like to make and that resulted from a combination of things that I have been experimenting with over time:

Puffed amaranth, apricot and coconut bars:

1/3 cup finely chopped dried apricot
1/2 cup of puffed amaranth *
1/2 cup peanut butter (I use bio or made at home)
1/3 cup dried coconut flakes
1/4 cup chia seeds
1/3 cup pumpkin seeds
1/3 cup oats
1/2 cup of honey
1 teaspoon cinnamon
1 teaspoon vanilla extract
1 pinch of salt

* Expanded amaranth is very hard to buy but very easy to make. Amaranth is a grain similar to quinoa but smaller. It can be found in organic food stores or in the alternative food areas of supermarkets. To expand it, simply heat the bottom of a tall pan, as if making popcorn (do not add any oil to the bottom) and pour in small portions (one tablespoon at a time) of amaranth. Reduce to medium heat, cover the pan and shake it until you no longer hear any popping from the amaranth grains. Remove the puffed amaranth to a bowl and add another portion of amaranth to the pan. Repeat until you get the amount of puffed amaranth you need. Using puffed amaranth you can make excellent cereal bars or the famous Alegrías, a Mexican sweet made with amaranth and honey. If you want you can substitute it with quinoa (reducing the amount by half) and puff the quinoa it in exactly the same way.

Heat the oven to 125ºC / 260ºF. Meanwhile, combine all the ingredients in a bowl and mix well. Cover a square tin with about 25-30cm (it is also possible to use two English cake tins) with greaseproof paper. Put the mixture in the tin and press well until the surface is completely smooth. Put it in the oven, in the middle, for 30-40 minutes. Remove from the oven and let it cool completely. Cut into squares or rectangles and pack them in greaseproof paper. Store preferably in the refrigerator unless they are to be eaten within 2-3 days!

I think this is a recipe that, by its softness, is accepted by most of the people. It was a great company on the Camino and is a great snack for your next hike!

Continue Reading

Cream Cake

(scroll for the English version)
Já percebi que este mês, o meu post sobre o Mãos à Obra me levou a escrever um pouco mais sobre os projectos que já concretizei a partir das sugestões do livro. E a minha primeira aventura foi o delicioso Bolo de Natas.

Este bolo é espetacular! Estão a ver aqueles bolos para tomar ao chá? Para ter durante a semana quando chegamos do trabalho ou para o pequeno almoço? Ou aqueles que se fazem para fatiar e levar nos piqueniques? É este mesmo! É um bolo com um aspecto caseiro, completamente despretensioso: basta-lhe ser polvilhado com um bocadinho de açúcar para ficar elegante e é tão saboroso que raramente sobrevive a um ou dois dias.

O Bolo de Natas faz lembrar o pão-de-ló português mas é mais fofo e tem um travo perfumado dado pelas natas. É absurdamente fácil de fazer e não precisa de acompanhamento nenhum: nem de queijo nem de compota, a não ser, está claro que o desejem. É também um bolo simpático que fica bem com um chá quente, uma limonada ou café e talvez um pouco intemporal porque é adequado a qualquer altura do ano: no Inverno é um conforto enorme quando nos aguarda numa tarde de frio, na primavera e no outono é excelente para levar num passeio pedestre ou num piquenique. No verão é o companheiro ideal para ficar acordado uma noite inteira a ver as estrelas cadentes em meados de Agosto…

Ora, como estamos na primavera, eu recomendo que, depois de fazerem as vossas almofadas para piquenique, façam também o Bolo de Natas para levar! E parece-me que o tema dos piqueniques não pode ficar por aqui pois não?

I realized that this month, my post on the book “Mãos à Obra” led me to write a little more about the projects that I have already made based on the book’s suggestions. My very first adventure was this delicious Cream Cake.

This cake is amazing! Can you think of those grandma cakes for tea? Or the ones you make to eat during the week when you arrive from work or for breakfast? Or the ones you slice and take to picnics? That’s the one! This is a cake with a homemade look, completely unpretentious: you just have to sprinkle it with a little sugar to make ir look elegant and it’s so tasty that it rarely survives a day or two.

The Cream Cake resembles the Portuguese sponge cake but it is more fluffy and has a fragrant flavor given by the double cream. It is ridiculously easy to make and does not need any accompaniment: neither cheese nor jam, unless you want to! It is also a nice cake goes well with a hot tea, a lemonade or coffee. It is also a bit timeless because it is suitable for any time of the year: during winter is comfort food in a cold afternoon, in the spring and autumn it’s excellent to take on a hike or a picnic. In the summer is the ideal companion to stay up all night to see the shooting stars during mid August …

Now, since it’s spring, I recommend that, after making your picnic pillows, you also make the Cream Cake to go too! And it seems to me that the picnics it’s here to stay.

Continue Reading

Chocolate Salami

(scroll for the English version)

Uma iguaria que era possível encontrar em quase todas as confeitarias portuguesas eram as deliciosas fatias do tradicional salame de chocolate. O salame de chocolate é um doce tradicional que se pode encontrar sobretudo em Portugal e na Itália. Consiste em cacau, chocolate, manteiga, ovos e bolacha Maria partira em pedaços. A massa enrola-se em papel de chumbo e, ao partir-se em fatias faz lembrar um salame de carne. Hoje em dia há uma série de variações e em muitos casos os ovos são substituídos por leite condensado.

Ainda me lembro de este ser um petisco incontornável das festas de aniversário da minha infância. É certo que entretanto muitos anos se passaram e há uma imensidão de coisas novas e receitas novas para experimentar! Hoje, o salame de chocolate já não é tão habitual.

Ora, há uns dias atrás, entrei num pequeno café tradicional e fui surpreendida com um belo prato de fatias de salame de chocolate que rapidamente recordaram a minha infância. Fiquei com uma enorme vontade de fazer a receita que já não punha em prática há alguns anos. Assim, no dia seguinte pus as mãos na massa e levei salame de chocolate de sobremesa para o almoço de domingo. Foi uma surpresa para todos e pude ver nos olhos e nas mãos de cada um o entusiasmo e a saudade de comer salame de chocolate em crianças!

A receita que utilizei foi esta e como já somos todos crescidos introduzi um pouco de licor de café da Avó Luísa (em substituição do Wiskey).

When I was a girl almost all Portuguese coffee makers have a tray plate with delicious slices of the traditional chocolate salami. Chocolate salami is a traditional sweet that can be found mainly in Portugal and Italy. It consists of cocoa, chocolate, butter, eggs and Mary biscuit. The dough is wrapped in aluminum sheet and, when sliced, resembles a real salami. Nowadays there are a lot of recipe variations and, in many cases, the eggs are replaced by condensed milk.

I still remember this being an unforgettable snack on birthday parties. It is true that many years have passed now and there is a lot of new things and new recipes to try! Today, chocolate salami is not that usual.

A few days ago, I went to a small traditional coffee shop and I was surprised by a beautiful dish of slices of chocolate salami that quickly recalled my childhood. I had a huge desire to make the recipe that I had not put into practice for several years. So the next day I made chocolate somali and brought it as dessert for Sunday lunch. It was a surprise for everyone and I could see in the eyes and hands of each one on us the enthusiasm and longing of eating chocolate salami during childhood!

The recipe I used was this and, as we are all grown up, I introduced a little bit of coffee liqueur from my grandma Luísa (instead of Wiskey).

Continue Reading

Book review: Mãos à obra!

(scroll for the English version)

Nunca estive tão ansiosa pelo lançamento de um livro como pelo “Mãos à obra!” da Constança. Descobri o blog (na altura era o Saídos da Concha) há cerca de três ou quatro anos. E foi por acaso, quando procurava opiniões sobre como comprar tecidos on-line. Uns dois meses mais tarde fui lá parar novamente noutra pesquisa qualquer e, a partir daí, acho que devo ter lido o blog todo de trás para frente!
Identifico-me muito com os princípios dela e creio ter encontrado naquelas palavras todas alguém semelhante. A internet pode ter um milhão de problemas mas eu não posso esquecer como me permitiu encontrar pares, ou seja, pessoas que partilham os mesmos interesses e que nos fazem sentir um pouco mais “normais”. Em comum com a Constança tenho uma grande vontade de sentir as estações e usar os materiais naturais para criar à mão, que é o melhor e mais natural instrumento de todos. Não importa muito se o tema ou os interesses são muito definidos. O meu blog é de histórias, experiências, não tem um tema só… a não ser esta linha feita à mão.

Quando o livro finalmente saiu, foi uma enorme alegria descobrir o “Mãos à obra” porque ele tem muitas coisas que me agradam num bom livro de crafts: projectos que funcionam, materiais acessíveis, fotografias convidativas e uma ligação com o público alvo.
Em primeiro lugar a Constança estabelece uma grande cumplicidade com o leitor. Abre o tema, justifica-o, dá-lhe estatuto. Depois aborda as áreas em que ela mais gosta de trabalhar: arranjos florais, projectos de costura, decoração, conservas e bolos. E antes de se iniciar nos projectos recomenda materiais e define as principais técnicas usadas no decurso do livro.
Seguem-se os projectos divididos pelas estações do ano, como não podia deixar de ser, porque esta é de facto a opção mais lógica face à diversidade, praticidade e pertinência de todos eles. O formato de apresentação é clássico, porque numa equipa vencedora não se mexe e porque os projectos, já por si, são encantadores e não precisam de distracções. Para rematar o carácter feito-à-mão, a Constança dá explicações numa linguagem extremamente simples, acompanhadas das suas próprias fotografias.

Pronto, que eu possa expressar, o livro é isto! Mas quando leio o que acabei de escrever… bom, para quem a acompanha com tanto carinho, as palavras parecem poucas e pobres.
Não me interpretem mal. Nunca estive com a Constança pessoalmente, não posso dizer que conheça sequer 1/4 do que ela vive todos os dias e até há bem pouco tempo nunca tinha ouvido a sua voz. Mas sei que tudo neste livro foi feito em casa, à medida de uma família real, num contexto real, como o meu ou o de qualquer um de vocês. Por causa disso garanto-vos que o livro, assim como o blog, foi resultado de muito uso do abre-casas, muitas fotografias tiradas sem luz durante o Inverno inglês, posts de verão escritos enquanto o frio neozelandês se faz sentir, muitos livros empilhados a fazer a vez daquele tripé, muitas sessões fotográficas alegremente interrompidas por um Rodrigo e um Pedro, muitas bobines vazias, muitas compotas que passaram o ponto, muitas flores que afinal não abriram e de muitos bolos em que ela, acontece, esqueceu o fermento, tal e qual como eu! O resultado é apenas o fruto da perseverança, da experiência e de uma vontade enorme de partilhar com o mundo as maravilhas do saber fazer.

I’ve never been so excited by the launch of a book as by the “Mãos à Obra” book from Constança. I discovered her blog about three-four years ago, by chance, when I was looking for opinions on how to buy fabric online. A couple of months later I got there again and from then I think I must have read all her blog posts! I truly recognize the principles of the blog and and I think I have found in her words some pairing I always struggle to find. The internet may have a million problems but I can not forget how it allowed me to find peers, that is, people who share the same interests and who make us feel a little more “normal”. I have several things in common with Constança: a great desire to go with the seasons and use natural materials to create, with my own hands, which are the best and most natural instruments of all! It doesn’t matter much whether the topic or the interests are very defined. My blog is about stories, experiences, does not have a unique theme, unless this handmade thing…

When the book finally came out, it was a great joy to discover “Mãos à Obra” because it has many things that please me in a good craft book: projects that work, using affordable materials, awesome photos and a text that creates a connection with the audience.
In the first place, Constança establishes a great complicity with the reader. She opens the subject, justifies it, gives it status. After that, it addresses the areas that she likes to work with: flower arranging, sewing projects, decoration, preserves and cakes. But before starting the projects, she recommends the most common materials and defines the main techniques used in the course of the book.
The projects are divided by season, as they should, because this is, in fact, the most logical choice due to the diversity, practicality and relevance of all of them. The format is classic, because you don’t change thinks that work, do you? And because the projects, alone, are charming! They just don’t need distractions! To keep it all handmade, Constança gives her own tips accompanied by her own photographs.

Okay, so… if I know how to express myself, this is it! But when I read these last paragraphs, oh my… for those who accompany her with such affection, my words seem so short and poor…
Don’t get me wrong. I’ve never met Constança face-to-face, I don’t even know 25% of what her everyday live is and until some time ago I had never heard her voice. But I know that everything in this book was homemade, in a “real family” context, as mine or yours. Because of that, I assure you that this book, like her blog, is the result of excessive use of the seam reaper, hundreds of photo shoots with no natural light during the English winter, lots of summer posts while is freezing outside in NZ, many books piled to replace a proper tripod, several photo shoots happily interrupted by Rodrigo and Pedro, many empty bobbins, lots of jams that passed the thickening point, many flowers that, in the end, did not bloom and some cakes that haven’t rise because, you know, she forgot the baking powder, just like I do! The result, however, is the product of perseverance, experience and a strong desire to share with the world the wonders of know-how.

Continue Reading