Homemade Granola Favourite Recipe

(scroll for the English version)

Há coisas que tomamos como adquiridas. Os cereais de pequeno almoço e as papas são uma delas. Vêm tão transformados que nos impedem de pensar de onde apareceram, qual a sua origem e porque razão os comemos hoje. Mas o conceito dos cereais de pequeno almoço não foi inventado por nenhuma marca de produtos alimentares. Assim como as papas. Derivam de hábitos alimentares e de receitas que eram feitas em casa um pouco por todo o mundo.
Muito embora a onda recente da culinária caseira tenha vindo para ficar, parece que ainda não nos atingiu em força no que diz respeito a pequenos almoços. Há muitas receitas por aí! Mas ainda não conseguimos aplicá-las devidamente no dia a dia. Não sei se é a nossa vida acelerada, as manhãs agitadas ou a força do hábito de não tomar um bom pequeno almoço em casa, a verdade é que continuamos tendenciosos para a compra e consumo daquelas caixas de cartão milagrosas que enchem todo um corredor de supermercado… mas cheias de quê?

E de facto, não posso esconder que assim que o meu corpo tomou consciência das quantidades brutais de açucares que os cereais contêm começou, aos poucos, a rejeitá-los. Aquilo não estava feito para mim, não me agradava assim tanto o sabor e o meu sistema digestivo começava a reagir. Eu nem sequer tinha de comer aquilo. No entanto, sair sem tomar o pequeno almoço está fora de questão porque eu adoro, acima de tudo, o momento, o espaço temporal de tomar o pequeno almoço. Prefiro vestir-me a correr do que dispensar um minuto que seja do meu tempo a comer logo pela manhã. E hoje, uma coisa que me deixa desconsolada é ter de recorrer aos velhos cereais pré feitos quando não há pão ou o que apetece é ter alguma coisa para combinar com um excelente iogurte caseiro!

Então comecei a procurar alternativas para o pequeno almoço que me dessem alguma diversidade pela manhã, me servissem como escapatórias para eventuais emergências do tipo “Oh não! Não tenho tempo de ir comprar pão!” e que não me deixassem a boca a saber a cartão ou um desconsolo no estômago.
Entre as possibilidades que criei para ter à minha disposição, comecei a fazer Granola em casa. Experimentei várias receitas e percebi que, não só é mais saudável como aguenta bastante tempo num grande frasco, é absurdamente fácil de fazer e deixa um aroma divinal em casa. Foi novamente no Blog da Constança, que encontrei a receita de Granola que faço com mais regularidade. Ela já a adaptou do livro “Gifts from the Kitchen” e, entretanto eu mesma já fiz uma série de variações. Algumas, partilharei convosco muito brevemente! Contudo acho que, para começar, o ideal é mesmo fazerem a receita base e só depois introduzirem alterações consoante os vossos gostos. Podem ver a receita aqui. Como eu vario bastante o que como diariamente ao pequeno almoço, faço apenas uma receita de cada vez. Mas para quem tem muitos adeptos da granola em casa e pretende comê-la diariamente, podem arriscar e fazer a dobrar. Mas atenção, o ideal é mesmo comê-la no prazo de um mês.
Para guardar, um ou dois frascos herméticos são o recipiente ideal já que as latas são mais difíceis de lavar e não vedam devidamente.

Não se esqueçam que o blog está a festejar o seu primeiro aniversário e há uma surpresa, pintada por mim, para todos os que subscreverem! Para saberem mais espreitem aqui.

 

There are things we take for granted. Breakfast cereals and baby cereals are one of them. This type of food is highly transformed that it stop us from thinking about whats in it, where they came from and why we eat them today. But the concept of breakfast cereals was not invented by any food brand. Neither baby cereals. They come from eating habits and recipes that were made at home all over the world many many years ago.
Even though the recent trend of home cooking has come to stay, it does not seem to have hit us yet as far as breakfasts are concerned. There are lots of recipes out there! But we still can not apply them properly in everyday life. I do not know if it’s our fast-paced life, the busy mornings, or the habits of not having a good breakfast at home. The think is that we’re still biased toward buying and consuming those miraculous card boxes that fill an entire supermarket aisle… but full of what?

And indeed, I can not lie: as soon as my body became aware of the brutal amounts of sugars that the breakfast cereals contain, it slowly began to reject them. It was not for me, I did not like the taste so much, and my digestive system was beginning to react. I realized that I did not even have to eat that! However, leaving home without having breakfast is out of the question because I love, above all, the timing of having breakfast in the morning. I’d rather get dressed faster than to give up a minute of my time eating breakfast. And today, one thing that makes me annoyed is to have to rely on that old pre-made cereal when there is no bread at home or other thing to match with an excellent homemade yogurt!

So I began to look for alternatives for my breakfast that would give me some diversity in the morning, to serve as an escape for the eventual “Oh no! I do not have time to go and buy bread!”, that did not leave my mouth tasting like cardboard or a discomfort in my stomach.
Among the possibilities I created to have at my disposal, I started to make Granola at home. I have tried several recipes and realized that not only is it healthier for me, it also holds a long time in a big jar, it is absurdly easy to make and leaves a great aroma at home while your making it. I found the recipe of Granola that I do with more regularity among Constança’s blog. She has already adapted it from the book “Gifts from the Kitchen” and I myself have already made a several alterations. Some, I will share with you very soon! However, I think that, for starters, the best idea is to make the basic recipe and only then make changes according to your tastes. You can follow the recipe here. I make just one recipe at a time. But for those who have many granola eaters at home and want to eat it daily, you can risk and double the recipe. But please, be aware that it must be eaten within a month or so.
To store use one or two hermetically sealed jars. You can also use a tin but they get harder to wash and might not seal properly.

Do not forget that the blog is celebrating its first anniversary and there is a surprise, painted by me, for everyone who subscribes! To know more click here.

Continue Reading

How to store your homemade quince paste?

(scroll for the English version)

No ano passado falei-vos de como faço marmelada. Depois de a distribuir por taças eu costumo deixar secar a minha marmelada ao ar para que assente ligeiramente antes de a tapar e guardar. Quando o tempo dos primeiros dias de outono ainda o permite, a minha mãe costuma colocar a marmelada a secar no pátio, devidamente protegida com um tule fino num tabuleiro com água por causa das formigas. Esses dias eram uma perdição porque podíamos provar a marmelada fresca, ainda mole, mas eu gosto mais da marmelada já dura de cortar com a faca! Por isso aqueles dias de espera antecipavam sempre um lanche muito desejado de pão com queijo e marmelada.
Eu acho que uns raios de sol só podem melhorar o sabor intenso da marmelada, por isso, mesmo que o tenha de fazer dentro de casa, faço questão de deixar a minha marmelada secar perto da janela durante uma semana ou duas consoante o tempo esteja mais ou menos seco.

A tarefa seguinte é tapar a marmelada. É um processo tão básico que eu podia jurar que toda a gente tinha o mesmo método que eu para o fazer. Mas desde há algum tempo que percebi que, afinal, há uma infinidade de métodos que previnem a marmelada de ganhar fungos e bolores. Há quem não chegue sequer a preocupar-se com isso! Há quem simplesmente a tape a superfície com película aderente e jure que não se estraga! A avó Luísa tapa-a logo no dia seguinte, enquanto ainda está mole, colando-lhe na superfície uma folha de papel bem fino que separa de um guardanapo. Mas ultimamente há quem me venha perguntar como é que eu faço para guardar a minha sem que ganhe fungos pelo que venho partilhar convosco o método que é usado na minha família há várias gerações.

Quando a marmelada está bem firme inverto as taças sobre uma folha de papel vegetal e desenho a forma das taças com um lápis. Depois recorto as formas e viro o papel do avesso. Com um pincel de cozinha pincelo os recortes com aguardente e coloco-os sobre a marmelada com a parte molhada para baixo. A aguardente tem um teor em álcool muito elevado e evita o crescimento de bactérias e fungos na marmelada e, ao contrário do que possam pensar, não tem influência no sabor. Depois, num movimento que parte do centro para a periferia, vou colando este papel na superfície da marmelada. Depois faço um esforço por retirar as bolhas de ar na superfície empurrando-as para a periferia da taça. Reforço a periferia vincando bem o excesso de papel e depois a marmelada está pronta para ser guardada num local seco, fresco e com pouca luz. Eu costumo usar o espaço que fica em cima dos armários superiores da cozinha. Depois é vê-las desaparecer!

Não se esqueçam que o blog está a festejar o seu primeiro aniversário e há uma surpresa, pintada por mim, para todos os que subscreverem! Para saberem mais espreitem aqui.

 

Last year I wrote about my quince paste recipe. After doing it I often let my quince paste dry until it settles before covering and storing it. When the weather of the first few days of autumn still allows it, my mother usually puts the marmalade outside to dry, properly protected with a thin tulle in a tray with water (because of the ants). These days were damnable because we can taste the fresh quince paste, still soft. But I like the quince paste firm! So those days of waiting always anticipated a much desired afternoon snack of bread with cheese and quince paste.
I think sunshine can only enhance the intense taste of quince paste, so even doing it indoors, I like to let my quince paste dry near a window for a week or two depending on the weather.

The next task is to cover the quince paste bowls. It’s such a basic process that I could swear that everyone had the same method as me to do it. But I realized that, after all, there are a multitude of methods that prevent quince paste from growing fungi and molds. There are those who do not even bother about it! There are those who simply cover the surface with sticky film and swear it does not deteriorates! Grandmother Luisa cover her quince paste the day after doing it, while it is still soft, by sticking a thin sheet of napkin paper on the quince paste surface. But lately there are several people asking me how I save my own quince paste from growing fungus, so today I am sharing the method that has been used in my family for several generations.

When the marmalade is very firm I turn the bowls up side down over a sheet of greaseproof paper and draw the shape of the bowls with a pencil. Then I cut out the shapes and turn the paper around. With a kitchen brush I pinch the cutouts with brandy and place them over the marmalade surface with the wet side down. The brandy has a very high alcohol content and prevents the growth of bacteria and fungi in the marmalade and, contrary to what you may think, has no influence on taste. Then, in a movement from the center to the periphery, I glue the paper to the surface of the firm quince paste. Then I make an effort to remove the air bubbles on the surface by pushing them to the periphery of the bowl. I reinforce the periphery by creasing the excess paper very well and then the quince paste is ready to be stored in a cool, dry place in low light. I usually use the space on top of the kitchen cabinets. Then it’s just what to see it disappear!

Do not forget that the blog is celebrating its first anniversary and there is a surprise, painted by me, for everyone who subscribes! To know more click here.

Continue Reading

Applesauce is our favourite dessert

(scroll for the English version)

O Outono é o tempo das maçãs, das abóboras, das romãs e dos dióspiros entre outros frutos maravilhosos! Ora ultimamente há um monte de gente a perguntar-me o que costumo fazer com tantas maçãs que há por aí. É que apesar de haver fartura, se alguém me pergunta se quero, eu aceito sempre maçãs! E a verdade é que todas as semanas vou comprar fruta e todas as semanas trago um grande saco de maçãs. Porque o que não pode faltar por aqui sempre é uns boiões de puré de maçã. E não, não é aquele puré desenxabido a saber a maçã cozida! É um puré fresco, que é muito saudável e só leva 2 ingredientes: as maçãs e a raspa de limão. Posso dizer que é a sobremesa favorita cá em casa e que é devorado em segundos! Mais maçãs houvessem, mais puré se comia.

A receita é absurdamente fácil que até me sinto um pouco mal por estar a fazer disto um mega acontecimento. Mas há coisas que são como o ovo do Colombo: um pequeno esforço e transformamos algo absolutamente normal numa grande ideia. Então aqui vai:

Descascam-se as maçãs e cortam-se em pedaços colocando-os uma taça com água e um pouco de sal. O sal é opcional e não vai salgar as maçãs mas antes forçá-las a exsudar os açucares naturais. Aguardar 5 minutos.
Escorrer e colocar a maçã numa panela larga… sem mais nada.

“Mais nada? Nem uma colherzinha de água?”
Não! Nem um pingo de água que seja.

Tapar, ligar o lume no máximo e, sem nunca levantar a tampa, deixar que comece a ferver. Nesse momento colocar o lume no mínimo e deixar cozinhar 10 minutos.

“E aquilo não queima?”
Não! Não queima!

“Ah e tal… Se calhar é melhor ir deitando um olhinho…”
Não! Não é boa ideia deitar olhinho nenhum.

Eu costumo dizer, a brincar, que é preciso fé para fazer esta receita: tapa-se com cuidado, liga-se o lume com determinação e rezam-se 10 Avé Marias acreditando que aquilo não vai queimar!! Manter as mãozinhas longe do fogão! O segredo está mesmo aí: as maçãs têm água mais do que suficiente para cozinharem no seu próprio sumo. Se levantarmos a tampa, essa água evapora-se e, aí sim, as maçãs podem queimar.
No fim desse tempo desligar o lume, acrescentar raspa de limão (A quantidade depende um pouco da quantidade de maçãs e do gosto de cada um. Para um quilo de maçãs eu acrescento a raspa de um limão pequeno.) evitando a parte branca. Triturar muito bem com a varinha mágica e colocar ainda quente em boiões.

Esta papa come-se muito bem quente! Mas não desesperem e deixem-na umas horas no frigorífico. Vão ficar surpreendidos!
Há quem substitua o tempero por canela mas confesso que, isso sim, me faz lembrar aquelas papas de maçã cozida e acho que só fica bem enquanto está quente… Fresquinha tem de ser com limão!

Não se esqueçam que o blog está a festejar o seu primeiro aniversário e há uma surpresa, pintada por mim, para todos os que subscreverem! Para saberem mais espreitem aqui.

 

Autumn is the time of apples, pumpkins, pomegranates and persimmon among other wonderful fruits! Well, lately there are a lot of people asking me what I usually do with so many apples out there. Although there is plenty of it, if someone asks me if I want some, I always accept! And the truth is that every week I go to buy fruit and every week I bring a big bag of apples. Because what can not be missing here is always jars of applesauce! And no, it is not that old fashion puree tasting like baked apple! I love baked apple but this is a fresh puree, which is very healthy and only takes 2 ingredients: apples and lemon zest. I can say it’s the favourite dessert at our home and it’s devoured in seconds! No matter how many apples we get, no applesauce is left to go rot in the fridge.

The recipe is absurdly easy that I even feel a little bad to be making this a huge thing. But there are things that are like the Columbus Egg: with a little effort and we turn something absolutely normal into a great idea. So here it goes:

Peel the apples, cut them into pieces and place them in bowl of water and a little sea salt. Sea salt is optional and will not salt the apples but rather force them to exude their natural sugars. Wait 5 minutes.
Drain the apples and place them into a large pan… without anything else.

“Nothing more? Not even a tablespoon of water?”
No! Not a drop.

Put the lid on and turn the heat at the max and, without ever lifting the lid, allow it to boil. In this moment low the heat to minimum and leave it to cook for 10 minutes.

“And that does not burn?”
No! It does not burn!

“Oh… Maybe I should go and have a look once in a while …”
No! It’s not a good idea to have a look.

I usually joke that it takes faith to make this recipe: put the lid on carefully, turn on the heat with determination and pray reciting 10 Ave Marias believing that it will not burn!! Keep your hands away from the stove! The secret is right there: apples have more than enough water to cook in their own juice. If we lift the lid, this water evaporates and then the apples can burn.
At the end of that time turn off the heat, add lemon zest (The amount depends a little on the amount of apples you are using and your own taste. For about one pound of apples I add the zest of a small lemon.) avoiding the white part. Grind everything very well with the hand blender and put it, still hot, in jars.

This puree can be eaten while hot! But do not get anxious and leave it for a few hours in the fridge. You will be surprised!
Some people replace the lemon seasoning by cinnamon, but, I confess that it does remind me of baked apple and I think it is good only while it’s hot… Fresh applesauce has to be with lemon zest!

Do not forget that the blog is celebrating its first anniversary and there is a surprise, painted by me, for everyone who subscribes! To know more click here.

Continue Reading

Camino Handmade: cereal bars

(scroll for the English version)

Esta não foi a minha primeira aventura em caminhada. Como já descrevi no blog, fazer trilhos e caminhadas é das minhas coisas favoritas desde sempre. No início ia artilhada com muita água e comida mas, com o tempo, consegui medir cada vez melhor aquilo que deveria levar comigo de forma a ter às costas o menor peso possível sem comprometer o meu bem estar.
Quando uma caminhada se prolonga por mais do que 3h, levo uma sandes reforçada, para almoço, acompanhada de um sumo de frutas, fruta, água, frutos secos e uma ou duas barrigas de cereais. Quando é mais pequena, limito-me à água, aos frutos secos e às barrigas de cereais.
Para o caminho de Santiago, entre as várias coisas feitas à mão que fui concretizando, resolvi investir em criar algumas barras de cereais adaptadas aos nossos gostos e que nos pudessem acompanhar durante os primeiros dias. Podia tê-las comprado, é certo, mas a meio da manhã, quando já estamos longe o bastante, quando o corpo começa a pesar, quando queremos algo que nos reconforte e nos dê ânimo para continuar, são estas pequenas coisas que nos ligam a casa e nos dão amor. É nelas que vemos a nossa capacidade de colocar mãos à obra, de sermos capazes de nos levantarmos, caminharmos, cuidarmos, proteger-nos e alimentar-nos, como qualquer outro ser vivo. Se caminhamos por nossos pés, se decidimos fazer um caminho por nossa determinação, há algo de coerente em sermos também nós a preparar alguma alimentação que nos suporte nas nossas decisões. É toda uma holística que nos devolve alguma autonomia numa sociedade que cultiva a dependência.

Hoje trago-vos uma das receitas que gosto de fazer e que resultou de uma combinação de coisas que fui experimentando ao longo do tempo:

Barras de amaranto, alperce e côco:

1/3 chávena de alperce desidratado bem picado
1/2 chávena de amaranto expandido*
1/2 chávena de manteiga de amendoim (eu uso biológica ou feita em casa)
1/3 chávena de flocos de côco desidratado
1/4 chávena de sementes de chia
1/3 chávena de sementes de abóbora
1/3 chávena de flocos de aveia inteiros
1/2 chávena de mel de flores
1 colher de chá de canela
1 colher de chá de extrato de baunilha
1 pitada de sal

*O amaranto expandido é muito difícil de comprar mas muito fácil de fazer. O amaranto é um grão semelhante à quinoa mas mais pequeno. Pode encontrar-se em lojas de produtos biológicos ou nas áreas de alimentação alternativa dos supermercados. Para o expandir basta aquecer bem o fundo de uma panela alta, como se fosse fazer pipocas (não juntar qualquer óleo ao fundo) e ir deitando lá para dentro pequenas porções (uma colher de sopa de cada vez) de amaranto. Reduzir para lume médio e ir agitando até que deixe de ouvir estalidos das pipocas de amarando a rebentar. Retiram-se as pipocas e volta a acrescentar-se mais uma porção de amaranto à panela. Repetir até obter a qualidade adequada. Com o amaranto expandido podem fazer-se excelentes barras de cereais ou as famosas Alegrías, um doce mexicano com amaranto e mel. Se presidir pode substituir por quinoa (reduzindo a quantidade para metade) e expandi-la exactamente da mesma forma.

Aquecer o formo a 125ºC/260ºF. Entretanto, juntar todos os ingredientes numa taça e envolver muito bem. Cobrir uma forma quadrada com cerca de 25-30cm (também é possível usar duas formas de bolo inglês) com papel vegetal. Colocar a mistura na forma e pressionar bem até que a superfície esteja completamente lisa. Colocar no forno, mais ou menos a meio, durante 30-40 minutos. Retirar do forno e deixar arrefecer completamente antes de desenformar. Cortar em quadrados ou rectângulos e embalar em papel vegetal. Conservar preferencialmente no frigorífico a não ser que sejam para ser comidas no espaço de 2-3 dias!

Acho que esta é uma receita que pela sua suavidade é aceite por maior parte dos paladares. Foi uma excelente companhia no caminho e é um excelente snack para a próxima caminhada!

This was not my first adventure in hiking. As I described sometime ago, walking or hiking is one of my favorite things since ever! When I started, many years ago, I was crawling with lots of water and food, but over time I was able to measure what I should take with me in order to keep the weight of my backpack as low as possible without compromising my well-being during the trail.
When a trail lasts more than 3 hours, I take a reinforced sandwich for lunch, accompanied by a fruit juice, fruit, water, nuts and one or two cereal bars. When it is smaller, I confine my snacks to water, nuts and cereal bars.
For theCamino, among several handmade items that I have done, I decided to create some cereal bars adapted to our tastes that could be the perfect snack for the first two or three days. I could have bought them, of course, but by mid-morning, when we’re far enough away from villages, when the body begins to weigh, when we want something that comforts us and gives us the courage to continue, it’s these little things that bind us to home and give us love. It is through them that we see our ability to get to work, to be able to get up, walk, care, protect and feed ourselves, like any other living being. If we walk on our feet, if we decide to make a path for our determination, there is something coherent about also preparing some food that supports us in our decisions. It is a holistic view that gives us some autonomy in a society that cultivates dependency.

Today I bring you one of the recipes I like to make and that resulted from a combination of things that I have been experimenting with over time:

Puffed amaranth, apricot and coconut bars:

1/3 cup finely chopped dried apricot
1/2 cup of puffed amaranth *
1/2 cup peanut butter (I use bio or made at home)
1/3 cup dried coconut flakes
1/4 cup chia seeds
1/3 cup pumpkin seeds
1/3 cup oats
1/2 cup of honey
1 teaspoon cinnamon
1 teaspoon vanilla extract
1 pinch of salt

* Expanded amaranth is very hard to buy but very easy to make. Amaranth is a grain similar to quinoa but smaller. It can be found in organic food stores or in the alternative food areas of supermarkets. To expand it, simply heat the bottom of a tall pan, as if making popcorn (do not add any oil to the bottom) and pour in small portions (one tablespoon at a time) of amaranth. Reduce to medium heat, cover the pan and shake it until you no longer hear any popping from the amaranth grains. Remove the puffed amaranth to a bowl and add another portion of amaranth to the pan. Repeat until you get the amount of puffed amaranth you need. Using puffed amaranth you can make excellent cereal bars or the famous Alegrías, a Mexican sweet made with amaranth and honey. If you want you can substitute it with quinoa (reducing the amount by half) and puff the quinoa it in exactly the same way.

Heat the oven to 125ºC / 260ºF. Meanwhile, combine all the ingredients in a bowl and mix well. Cover a square tin with about 25-30cm (it is also possible to use two English cake tins) with greaseproof paper. Put the mixture in the tin and press well until the surface is completely smooth. Put it in the oven, in the middle, for 30-40 minutes. Remove from the oven and let it cool completely. Cut into squares or rectangles and pack them in greaseproof paper. Store preferably in the refrigerator unless they are to be eaten within 2-3 days!

I think this is a recipe that, by its softness, is accepted by most of the people. It was a great company on the Camino and is a great snack for your next hike!

Continue Reading