Fortune (lockdown) Sweater

(scroll for the English version)

Era a minha vez de ter uma camisola feita à mão.

Depois de arriscar um tamanho de criança, eu tinha de colocar em prática o que tinha aprendido e fazer finalmente uma camisola para mim. Fi-la durante os últimos meses de 2020 e foi um motivo de alegria vesti-la nos primeiros meses de 2021. Apesar do ano singular que atravessamos, 2021 trouxe-nos conhecimento e uma nova perspectiva sobre a vida.

Depois de terminar a minha camisola acho que depositei mais confiança em mim mesma, um reflexo do que tem vindo a acontecer ao longo deste período de pandemia. É certo que os planos nos saíram furados a todos: uns mais do que outros. Mas há sempre sonhos para perseguir que nos redireccionam e nos mantêm íntegros. É apenas uma questão de abrir horizontes e, somando um ponto atrás do outro, na sua simplicidade, caminhamos para concretizar um projeto que no fim é mais cada vez maior: a nossa “”primeira camisola”. Aquilo que nos parecia um enorme desastre em Março de 2020 obrigou-nos a ser resilientes, a reordenar e refocar os conteúdos do nosso dia-a-dia e sobretudo a criar novos sonhos, novos desafios: pequenos ou grandes e para os quais tivemos, mais do que nunca, contar connosco próprios e com aqueles de quem não podemos separar-nos. Não é um período para ter saudades: nada apaga o sofrimento porque tantos de nós passamos, um terramoto que atingiu todo o mundo. Mas é um período para nos mostrar do que somos capazes: de ultrapassar, de descobrir e sobretudo de fazer.


A minha camisola foi feita no modelo Fortune Sweater da PetiteKnit usando fio duplo do fio Silk Mohair da Isager Yarn na cor 00. É leve, não pica e é tão quente que me fez esquecer o frio de um inverno em confinamento.
Tirei estas fotografias no primeiro dia que o sol espreitou depois de duas grandes tempestades de inverno. Era como uma nuvem quente no clima agreste, nas ondas geladas e num areal ao qual o lixo marinho não parou de chegar… como um reflexo algo cru, que eu preferi assumir, do impacto que temos no mundo e que não faz pausa mesmo em plena pandemia. 


It was my turn to have a handmade sweater!

After risking a child’s size, I had to put into practice what I had learned and finally knit a sweater for myself. I did it during the last months of 2020 and it was a piece of joy to wear it in the first months of 2021.Despite the unique year that we went through, 2021 brought us knowledge and a new perspective on life.

After finishing my sweater, I think I placed more confidence in myself, a reflection of what has been happening throughout this pandemic period. It is true that all our plans left us last year: ones more than others. But there are always dreams to chase that redirect us and keep us whole. It is just a matter of opening our horizons and, knitting one point after another, we are on our way to materialize a project that, in the end, is increasingly bigger: our “first handmade sweater”. What seemed to us like a huge disaster in March 2020 forced us to be resilient, to reorder and refocus the contents of our day-to-day lives and, above all, to create new dreams, new challenges: small or large and for which we had, more than ever, to count on ourselves and on those with whom we cannot part with. Don’t get me wrong: I won’t be missing this crazy period. Nothing can erases the suffering so many of us have been through, an earthquake that has hit the whole entire world. But it is a period to show us what we are capable of: to surpass, to discover and above all to use our hands and make dreams.

My sweater was made using Fortune Sweater pattern by PetiteKnit using double yarn from Isager Yarn’s Silk Mohair yarn in color 00. It is light, does not itch and is so warm that it made me forget the cold of a lockdown winter.


I took these pictures on the first day that the sun peeked out after two big winter storms. My sweater felt like a hot cloud against the harsh climate, the icy waves the sand full of marine litter that did not stop arriving … like a somewhat raw reflection, that I preferred to assume, of the impact that we have on the world and didn’t pause in the middle of a global pandemic.

Continue Reading

Flax light pullover

(scroll for the English version)

O inverno está para ficar e a minha afilhada não pára de crescer!

Por isso resolvi fazer-lhe uma camisola com o modelo Flax Light da The Simple Collection da Tin Can Knits. É uma camisola com corte básico que faz deste modelo muito versátil. A camisola é tricotada sem costuras desde o colarinho e é bem capaz de ser o projecto perfeito para a nossa primeira camisola em tricô.Para tricotar a camisola usei dois novelos Cool Wool Big Color da  Lana Grassa que trouxe de Delft. Um fio 100% lã merino muito macia, perfeita para crianças.

Fiz o tamanho 1-2 anos porque acho que é possível prolongar o tempo de uso destes projetos usando um bom fio e um bom modelo. Optar por um modelo básico que fique bem tanto mais largo como mais justo faz com que a margem de erro seja generosa e seja possível adaptar o uso das peças durante mais tempo, numa época em que as crianças crescem a olhos vistos quase de uma semana para a outra.  Assim, com sorte, a camisola vai servir-lhe bem durante esta estação, e quem sabe mais qualquer coisa! 

A grande vantagem deste modelo é que tem tamanhos que vão desde bebé até a adultos.

Winter is here to stay and my goddaughter keeps growing and growing!

So I decided to make her a sweater using the Flax Light pattern from The Simple Collection by Tin Can Knits.  This is a basic cut sweater that makes this model very versatile. The sweater is knitted seamlessly from the collar and is the perfect project for your first knitted sweater experience.To knit the sweater I used two balls of Cool Wool Big Color by Lana Grassa that I brought from Delft. A very soft 100% merino wool yarn, perfect for children.

I made the size 1-2 years because I think it is possible to extend the time of use of these projects using a good thread and a good model. Opting for a basic model that is both much wider and fairer makes the margin of error generous and it is possible to adapt the use of the pieces for a longer time, at a time when children grow up visibly from almost a week to the other. So, hopefully, the sweater will serve you well during this season, and who knows anything else!

The great advantage of this pattern is that it has sizes ranging from baby to adults.

Continue Reading

Storm shawl on Halloween

(scroll for the English version)

 

Tenho a certeza que já compraram aquela lindíssima meada de lã tingida à mão (ou mesmo fiada à mão), que encontraram num país diferente, numa feira de tricô que só acontece uma vez em cada milhão de anos, para a qual não têm nenhum projecto pensado, que custa “os olhos da cara” mas que não podem deixar levar porque “é a meada mais bonita que já viram em toda a vossa vida!”

E por isso mesmo ficou depois bem guardada na gaveta, à espera, tempos e tempos, daquele projeto tão especial que teima em não aparecer porque a quantidade de uma meada de lã não é um número assim tão flexível para um projeto que lhe faça juz. Eu sei que muitos de vocês se vão reconhecer: todos nós temos, por vezes, compras deste tipo!

Foi o que me aconteceu com a meada Halloween da CookstonCrafts em Aberdeen. As cores eram subtis, a lã era macia, e iria para sempre lembrar-me um país onde prometi regressar. Não sabia como, mas havia de transformá-la numa peça especial.

Há uns meses atrás dei-me de caras a usar uma parte muito especial do meu stash te lã, de tecidos, de materiais e, a meada de Halloween da CookstonCrafts foi uma das que me saltou para as mãos. Eu tinha de arranjar um projeto lindo para usar pelo menos a maior parte daquela meada e não me apetecia fazer nem meias nem luvas! Ainda por cima armei-me em esquisita! Se os meus critérios todos se traduzissem efectivamente em filtros de pesquisa, creio que a internet me mandava dar uma volta… Felizmente, ao que parece, eu não sou a única que tem estes impulsos e, no meio de tantas exigências consegui encontrar o projeto perfeito para a minha meada de lã! O xaile Storm é da designer Joji Locatelli e é o projeto perfeito para uma meada de lã filha única. Não me aborreçam com “outro xaile?” porque eu vou fazer xailes as vezes que me apetecer: além de os achar peças muito femininas, são extremamente práticos (podem ser usados com xaile, como cachecol, etc), dão carácter a um guarda-roupa e fazem lembrar as mães e avós que nos vinham consolar a meio da noite ao despertar de um pesadelo. Os xailes são extremamente românticos e contam histórias!

Este xaile é leve, deliberadamente feito com agulhas grandes para o recomendado e com pontos abertos que permitem criar alguma transparência, algum interesse visual e aquele carácter romântico. Acho que ficou uma combinação cinco estrelas com a minha meada da CookstonCrafts!
Depois de o bloquear ele ficou com 180cm de comprimento e cerca de 60cm de largura, o tamanho ideal para mim!

 

I’m sure you also already bought that beautiful skein of hand-dyed (or even hand-spun) yarn, that you found in a different country, at a knitting fair that only happens once in a million years, for which you have no project yet although it cost you the earth, but that you can not let go because “it is the most beautiful skein you have ever seen in your entire life!”

And for that very reason it was well kept in the drawer, waiting, times and times, for that very, very special project that never comes because the quantity of a single skein of wool is not such a flexible number for for you to be able to choose a thing. I know that many of you will recognize: we all have made that kind of purchases!

That’s what happened to me with a skein of Halloween by from CookstonCrafts in Aberdeen. The colors were subtle, the wool was soft, and it would forever remind me of a country where I promised to return. I didn’t know how, but I would make it into a special piece!

A few months ago I started using a very special part of my wool stash, my fabrics stash, and other special materials. The only skein I had of Halloween by CookstonCrafts as one of the ones that jumped into my hands. I had to come up with a beautiful project to use, at least, most of that skein and I didn’t feel like making socks or gloves! Yeah, on top of that, I was picky, right?! If my criteria were all effectively translated into search filters, I believe that the internet would told me to get lost! Fortunately, it seems, I am not the only one who has these impulses and, in the midst of so many demands, I managed to find the perfect pattern for my beautiful skein! The shawl Storm is from the designer Joji Locatelli and is the perfect design for an “only child” skein of wool. Don’t bother me with that “another shawl?” because I will make shawls as often as I feel like: besides finding them very feminine pieces, they are extremely practical (they can be used as shawls, as a scarf, etc.), they give character to a wardrobe and reminds us of our mothers and grandmothers who came to rescue us in the middle of the night when we woke up from a nightmare! Shawls are extremely romantic and tell stories!

This shawl is light, deliberately made with large needles and with that open stitches that allow to create some transparency, some visual interest and that romantic character. I think it was a five star combination with my skein by CookstonCrafts. After blocking it it is 180 cm long and about 60 cm wide, the ideal size for me!

Continue Reading

Tied Knots using Malabrigo Rios

(scroll for the English version)

 

A primavera chegou mas, o tempo extra em casa dá vontade de usar todo o stash para tricotar!
Desta vez usei uma meada de Malabrigo Rios (Arco Íris, mesmo a calhar!) para tricotar um gorro no modelo Tied Knots de uma das minhas Designers favoritas, a Justyna Lorkowska.
Neste período em que ficar em casa é a regra fomos todos apanhados de surpresa pelo que foi muito bom saber que tinha um stash the fio para usar enquanto as coisas não se endireitassem.
A qualidade da lã Malabrigo é já conhecida de todos, as cores são intensas e memoráveis! O modelo é belíssimo, sem erros e muito fiel! O resultado foi um gorro colorido mas sóbrio que vai alegrar os últimos dias frios e receber-me com um sorriso quando o frio voltar.

 

Spring has arrived but I am using my extra time to knit anyway! So I’ve been working some wool!
This time I used a skein of Malabrigo Rios (Arco Íris, just perfect!) to knit a hat using Tied Knots pattern by one of my favorite designers, Justyna Lorkowska.
In this period when staying at home is the rule, we were all taken by surprise! So it was great to know that I had a stash of yarn to use until things got normal again.
The quality of Malabrigo wool is already known to everyone, unbeatable! The colors are intense and memorable, the pattern is just beautiful, no errors and very faithful! The result was a colorful but sober hat that will brighten up these last chilly days and welcome me with a smile when the cold returns next fall.
Continue Reading