Drying Lavender

(scroll for the English version)
Os raminhos de alfazema remetem-nos frequentemene para as casas de campo do sul de França, onde é possível ver campos sem fim de plantações de lavanda. O cheiro da alfazema é inconfundível e historicamente utilizado no Sul da Europa para aromatizar armários de roupa de casa. Felizmente a alfazema cresce quase de forma silvestre um pouco por toda a zona do Mediterrâneo, e Portugal não é excepção: desde os arbustos de alfazema dos nossos jardins até ao famoso rosmaninho que aparece, selvagem, nas nossas serras e nas planícies alentejanas, Portugal é também um paraíso para diversas espécies de lavanda.
A alfazema dá flor durante toda a Primavera e Verão mas, assim que os campos se cobrem de flores silvestres depois dos dias intensos de Inverno, já é possível começar a colher as suas flores e, depois de as secar, eu gosto de as usar para deixar as roupas de inverno cheirosas.

Assim como fiz com a hortelã-de-água de um ribeiro, num recente passeio na natureza, não hesitei em trazer comigo um pequeno ramo de inflorescências de rosmaninho que vi espalhado pelos campos no início desta Primavera, salpicando-os de um tom rosa fúxia e lilás. O rosmaninho, tal como as restantes lavandas, é constituído por um conjunto de pequeníssimas flores ao longo de uma coluna terminando em duas brácteas, uma espécie de “pétalas”, no topo que podem ser mais ou menos proeminentes consoante as espécies. As sementes de alfazema que recolhemos após a secagem, correspondem às sementes de cada uma dessas pequenas flores.
Colhi apenas um pequeno ramo já que a primavera ainda vai a meio e terei possibilidade de recolher flores de alfazema, de diferentes variedades, até ao fim do verão. Assim que cheguei a casa atei-lhe um cordel e pendurei-o, invertido, num local escuro e seco. Daqui a aproximadamente umas duas semanas estará completamente seco e eu poderei recolher as sementes e usá-las para aromatizar os armários.

Lavender bouquets often send our imagination to the south of France, where you can see endless fields of lavender plantations. The scent of lavender is unmistakable and historically used in southern Europe to perfume our linen closets. Fortunately, lavender grows almost wildly all over the Mediterranean, and Portugal is no exception: from the lavender bushes of our gardens or the one that appears wild in our mountains and on the Alentejo plains, Portugal is also a paradise for several species of lavender.
Lavender blooms throughout spring and summer but as soon as the fields are covered with wildflowers after the intense winter days, it is possible to start picking their flowers and, after drying them, I like to use on my winter clothes to give them a nice scent.

Just as I did with the water mint of a small river on a recent walk in Nature, I did not hesitate to bring with me a small bunch of wild Lavender inflorescences I saw scattered throughout the fields, sprinkling them with pink, and litgh purple spots of colour. The Lavender inflorescences consist of a set of very small flowers along a column usually ending in two bracts, a kind of “petals”, at the top that may be more or less prominent depending on the species. The seeds of Lavender that we usually collect after drying them, correspond to the seeds of each of these small flowers.
I picked only a small bouquet since spring is still halfway through and I will be able to collect Lavender flowers of different varieties until the end of summer. As soon as I got home I tied a string and hung it, upside down, in a dark and dry place. In a couple of weeks it will be completely dry and I can collect the seeds and use them to give a nice scent to my linen closet and winter clothes. 
Continue Reading

Colourful ranunculus to celebrate spring at home

(scroll for the English version)

As primeiras flores a rebentar na primavera são os bolbos como as túlipas e ranúnculos. Apesar da época das túlipas já ter terminado, as frésias e ranúnculos ainda andam por aí. Os ranúnculos são, sem dúvida, uma das minhas flores favoritas com as suas camadas de pétalas tão finas como papel, como saias de bailarinas! Por aqui não é muito fácil encontrar ranúnculos coloridos para venda… mas recentemente encontrei numa loja de flores que descobri perto de casa dois ou três ramos de ranúnculos que não hesitei em trazer para casa. Estava indecisa sobre o que fazer com eles: os ranúnculos além de frágeis são muito temperamentais! Têm tamanhos muito diferentes, tempos de abertura relaxados e os caules sinuosos que podem dificultar o trabalho a uma mera simpatizante de arranjos florais. Recorri a um livro do qual já vos falei aqui e cheguei à conclusão de que a forma como gosto mais de ver os ranúnculos é bem juntos em pequenos bouquets que não sejam demasiado rígidos e deixem transparecer as diferentes personalidades das flores e algumas linhas sinuosas de uma ou outra, assumindo-as como se quisessem crescer por entre os seus companheiros!

The first flowers to bloom in the spring are bulbs like tulips and ranunculus. Although the time for tulips is already over, the freesias and ranunculus are still around here. Ranunculus are undoubtedly one of my favorite flowers with their layers of petals as thin as paper, like ballerinas tutus! It is not very easy to find colourful ranunculus around here… but I recently found a flower shop that had two or three bouquets of ranunculus for sale that I did not hesitate to bring home. I was undecided about what to do with them: ranunculus, besides being fragile, are very temperamental! They have very different sizes, relaxed opening times and sinuous stems that may make it difficult for a mere sympathizer of floral arrangements to make something with them. I consulted this book I already wrote about here, and I came to the conclusion that the way I like to see ranunculus the best is just join them in small bouquets, not to tight, and let the different personalities of the flowers and assume some of their winding lines, as if they wanted to grow among their companions!

Continue Reading

Fabric pine cones

(scroll for the English version)

Já vos falei de algumas das decorações de Natal que fui fazendo ao longo do tempo: aqui, ali, acolá e ainda aqui e além. E como as ideias não param de chegar, logo a seguir às rosetas de papel, eu comecei a fazer estas pinhas usando um tecidos de xadrez vermelho muitíssimo vulgar! E posso dizer que este projecto é ideal para utilizar aqueles restos de tecidos lindos e que custam tanto deitar fora!
Para as fazer bastam umas bolas de esferovite (ou ovos d esferovite, para que o aspecto de pinha seja mais acentuado), retalhos de tecidos e um monte de alfinetes com a cabeça mais discreta que conseguirem encontrar.

Eu segui um tutorial como este para cortar, dobrar e fixar os meus retalhos de tecido.
Já vi bolinhas deste género que não gostei nada: parecem muito direitas, com tecidos rebuscados e brilhantes! Eu gosto de padrões “caseiros”, simples e acho que este tecido de xadrez muito “português” acabou por sobressair por ser a personagem principal de um projecto algo imbricado! Portanto, com o tecido certo e alguma descontração é possível conseguir um resultado bem interessante, sobretudo se intercalarmos os bicos das escamas em vez de as alinhar umas às outras e os deixarmos bem soltos para ganharem alguma personalidade.
Hoje, estas pinhas de tecido são pontos chave na minha árvore de Natal e como combinam bem com qualquer outra decoração acabei por fazer mais um conjunto para oferecer à maior apreciadora de todas: a minha cunhada!

 

I have already told you about some of the Christmas decorations I have been doing over the years: here, there, there and here and also there. And as the ideas keep coming, just after I finished the paper medallions, I started to make these fabric pine cones using a very vulgar red gingham fabric! And I can say that this project is ideal to use those beautiful fabric scraps that we just aren’t able to throw away!
To make them, you will need some styrofoam balls (or styrofoam eggs, so that the appearance of pine cone is more accentuated), fabric scraps and a lot of pins: the most discreet you can find.

I followed a tutorial like this to cut, fold and fix my fabric scraps to the stryrofoam.
I have seen seen several fabric pine cones that I did not like at all: they look very straight, with elaborate and shiny fabrics! I like “cozy” patterns, simple and I think this very “portuguese” gingham fabric came to stand out as main character of a somehow imbricated project! Therefore, with the right fabric and some relaxation it is possible to achieve a very interesting result, especially if we intercalate the beaks of the pine scales instead of aligning each other and leave them loose to gain some personality.
Today, these fabric pine cones are key points in my Christmas tree and as they fit well with any other decoration I ended up doing one more set to offer to their greatest fan: my sister-in-law!

Continue Reading

Christmas paper medallions

(scroll for the English version)

No primeiro ano em que fiz a árvore de natal em casa não tinha muitos enfeites nem muito tempo para os fazer. Não consegui cair na tentação de comprar 10 caixas de bolinhas de plástico e resolver o problema. Mas consegui fazer umas rosetas de papel que encheram a árvore naquele ano!

Foi a primeira vez que usei o tão conhecido papel de scrapbooking. É um papel com aproximadamente 30×30 cm (12x12in), de gramagem semelhante às cartolinas e quase sempre tem dois padrões: um na frente e outro no verso. Eu escolhi motivos natalícios ou que combinassem com as cores que pretendia.
Há uma infinidade de tutoriais e utilizações para estes papeis espalhados pela internet. Numa pesquisa rápida podemos ver como podem ser muito versáteis para fazer álbuns, caixas, envelopes, por aí fora.
É possível comprar blocos de papel de scrapbooking com 20 ou mais folhas, com padrões temáticos ou que combinam entre si. Mas como não é propriamente um papel barato e eu nunca o tinha usado, achei muito conveniente encontrá-lo à venda avulso para poder experimentar e escolher apenas os padrões que desejava.

Para além do papel de scrapbooking usei um lápis para fazer marcações, régua, X-acto, cola (pode ser cola quente), fita de tecido e um cortador circular com cerca de 4cm de diâmetro.

Cortei tiras de papel com aproximadamente 4cm de largura, usando todo o comprimento do papel. Com a ajuda da régua fiz dobras a cada centímetro em direcções opostas de forma a formar uma espécie de harmónica. Depois colei os extremos tendo o cuidado de os encaixar de forma a que a união não fosse perceptível, achatei para formar a roseta e colei um círculo de papel com um padrão diferente (pode ser o verso do papel que estiverem a usar) de cada lado, para manter a forma. Depois da cola secar bem cortei uma fita com cerca de 15 cm e colei os extremos nas dobras na parte de traz da roseta de forma a poder pendurá-la. Na verdade, no caso de usarem o papel de scrapbooking, a parte de traz também terá um padrão. Se usarem o mesmo papel para várias rosetas podem usar ora um lado ora o outro para a frente.

Confesso que inicialmente achei que as rosetas não iam durar muito tempo. Mas como o objectivo era fazer algo mais temporário não estava muito preocupada. Apesar de algumas já terem ficado estragadas, o papel mostrou ser bastante resistente pelo que ainda hoje tenho várias rosetas na árvore de natal! Elas fazem sempre sucesso e eu adoro oferecer-las a amigos que nos venham visitar!

 

The first year I made the Christmas tree at my own home I did not have too many ornaments or too much time to make them. I could not fall into the temptation of buying 10 boxes of plastic balls and solving the problem. But I managed to make some paper medallions that filled the tree that year!

It was the first time I used the well-known scrapbooking paper. It is a paper with approximately 30×30 cm (12x12in), of similar weight to regular cardboard and usually has two patterns: one in the front and the other in the back. I chose Christmas motifs or motives that matched the colors I wanted.
There are a multitude of tutorials and uses for these papers spread across the internet. In a quick search we can see how they can be used to make albums, boxes, envelopes among other things.
You can buy scrapbooking paper blocks with 20 or more sheets, themed or with matching patterns. But since it is not a cheap paper and I had never used it before, it was very convenient to find it on sale as single pages that allowed me to try it out and choose only the patterns I wanted.

In addition to the scrapbooking paper I used a pencil to make markings, ruler, X-act, glue (can be hot glue), ribbon and a circular cutter with about 4cm in diameter.

I cut paper strips about 4cm wide, using the entire length of the scrapbooking paper. With the help of the ruler I made folds every cm in opposite directions to form a sort of harmonica effect. I then glued the ends together, taking care to fit them so that the union was not noticeable, flattened to form the medallion and pasted a circle of paper with a different pattern (may be the back of the paper) on each side, to keep the shape. After the glue dried I cut a ribbon about 6 inches long and glued the ends into the folds on the back of the medallion so that I could hang it. In fact, if you’re using scrapbooking paper, the back side will also have a pattern so the ribbon position is not that crucial. If you use the same paper for several medallions, you can use one side or the other for the front.

I must confess that initially I thought this medallions were not going to last long. But since the goal was to do something more temporary, I was not too worried and enjoyed the process. However, although some have already been smashed or partially eaten by my cats, the paper proved to be quite resistant so I still have several medallions in my Christmas tree. They always make a huge success and I love to offer them to friends that come to visit us!

Continue Reading