May’s Nature Journal: huge scales!

(scroll for the English version)

O mês de Maio foi alvo de observações duas escalas: a olho nu ou pequenas ampliações dos meus binóculos e, em grande contraste, sob as lentes de um fortíssimo telescópio.

E foi precisamente na noite de 30 de Abril para o dia 1 de Maio que tive a oportunidade de elevar o contraste nesta grande escala. Como já partilhei convosco aqui, foi com a ajuda do Miguel Claro que tivemos a oportunidade de observar o planeta Júpiter que, naquela noite, se fazia apresentar bem próximo da Lua. Foi uma experiência inesquecível tomar consciência de que aquelas imagens dos planetas do nosso sistema solar não fogem em nada aquilo que podemos ver numa simples actividade de astronomia. Para além do planeta eu fiquei especialmente movida pela observação de 4 das suas 69 luas: Europa, Io, Callisto e Ganymede.

E porque a experiência foi demasiado forte para ser esquecida, achei que merecia pelo menos mais uma página no meu Nature Journal. Por isso, ainda desenhei a Lua cheia que se apresentou naquela noite para o nosso deleite. O Miguel deu-nos ainda a observar e a conhecer um pouco mais sobre a cratera Tycho, um das mais recentes crateras na superfície lunar.

Depois o rosmaninho que observei bem de perto com as suas influorescências que produzem as imensas sementes que eu vou usar em breve para aromatizar os meus armários.

As cegonhas no seu ninho em plena época de acasalamento e nidificação martelavam o bico fazendo um ruído característico!

E por fim a poupa com a sua indumentária inigualável e que, por aqueles dias que passei fora de casa, passava várias vezes por dia na minha frente em direcção ao ribeiro, suponho que para beber água.

I experienced two scales during the month of May: the naked eye or small enlargements of my binoculars and, in great contrast, the lens of a strong telescope.

And it was precisely on the night of April 30th to 1st of May that I had the opportunity to raise the contrast on this large scale. As I already shared with you here, Miguel Claro helped us to observe the planet Jupiter that was presented that night very close to the Moon. It was an unforgettable experience to be aware that those images on our elementary school books with the planets of our system solar are not at all fake and can be reproduced in a simple astronomy activity. I was especially moved by the observation of 4 of Jupiter’s 69 moons: Europe, Io, Callisto and Ganymede.

And because the experience was too strong to be forgotten, I thought it deserved at least one more page in my Nature Journal. So I drew the full moon that came out that night for our delight. Miguel also helps us to observe and to know a little more about the crater Tycho, one of the most recent craters on the moon surface.

Then the Lavender that I watched closely with its influrescences that produce many, many seeds that I will soon use to give a scent to my linen closet.

The white storks in their nest during the mating and nesting season. They were hammering their beak fervently which produced a characteristic noise!

And at last a hoopoe with its unrivaled attire. On those days I spent away from home, it passed several times a day in front of me towards a little brook, near by, I suppose to drink water.
Continue Reading

Big news: my painting portfolio is on the blog!

(scroll for the English version)

Finalmente ganhei coragem para reunir alguns dos meus trabalhos de pintura e arranjar um local onde possa partilha-los convosco!

Recentemente tenho vindo a introduzir algumas melhorias no blog como um novo header, uma nova organização dos menus e categorias, um formulário de contacto e, em breve, uma homepage mais abrangente. Entre essas melhorias está um espaço no meu menu para os meus portfólios. E o primeiro a “sair cá para fora” é mesmo o meu portfólio de pintura. Em breve disponibilizarei também um portfólio dos meus trabalhos de design gráfico e ainda outro dedicado ao meu Nature Journal.

No meu portfólio de pintura mostro-vos apenas alguns exemplos dos meus trabalhos a óleo, a aguarela e a pastel: as minhas três técnicas favoritas. Ao longo do tempo já fui partilhando aqui um, outro e ainda outro exemplo do meu trabalho. Contudo, parece-me importante ter um local que possa dedicar completamente aos meus trabalhos de pintura e onde podem conhecer um pouco mais do que faço neste âmbito.

Para qualquer informação acerca destes ou outros trabalhos não hesitem em contactar-me. Espero que gostem!

 

Finally I got the courage to gather some of my painting work and create a place where I can share it with you!

Recently I have been introducing some improvements to the blog as a new header, a new organization of the menus and categories, a contact form and soon a more comprehensive homepage. Among these improvements, there is now a space in my menu for my portfolios. And the first to “come out” is my painting portfolio. Soon I will also share a portfolio of my graphic design work and another dedicated to my Nature Journal.

In my painting portfolio I show you just a few examples of my oil, watercolor and pastel artwork. Those are my three favorite techniques and, as you can see in the page, I use them in very different situations. Over time I have been sharing one, another and yet another example of my artwork. However, it seems to me a very important thing to have a place completely dedicated to my painting work and where you can know a little more about what I do in this area.

For any information about these or other artwork, please, do not hesitate to contact me. Hope you like it!

Continue Reading

I finished the Little Fox of my “Foxy Quilt”

(scroll for the English version)

Como vos falei aqui, comecei a bordar uma pequena raposa para o meu “Foxy Quilt” e queria mostrar-vos o resultado final. Esta raposa ficou num bloco do canto inferior direito do meu quilt top, tal e qual a assinatura de uma obra de arte. O objectivo era dar ao quilt o vislumbre da história que fica por trás da sua construção… não tanto para mim, que creio nunca irei esquecer, mas para todos aqueles que o usarem. O quilt pode então perder o brilho dos seus tecidos, o encanto dos pontos pelas lavagens e pelo uso. Mas aquela raposa lembrará sempre o trabalho luminoso dos fios invisíveis e impalpáveis que, para lá dos pontos da máquina de costura, costuraram as emoções, as histórias, com que este trabalho vem sendo elaborado e vivido.
Este quilt é sobre a amizade: a felicidade que traz, as tribulações e o carimbo que deixa, para sempre, nos nossos corações.

Neste momento já terminei o quilt top e espero mostrar-vos como está muito brevemente!

As I told you here, I started embroidering a little fox for my “Foxy Quilt” and wanted to show you the result. This fox is in a block in the lower right corner of my top quilt, just like the signature of a work of art. The purpose was to give the quilt the glimpse of the story behind its construction… not for me, which I believe I will never forget, but for all those who will use it. The quilt can then lose the shine of its fabrics, the charm of the stitches through the washes and the use. But that fox will always remember the luminous work of the invisible and impalpable threads that, beyond the points of the sewing machine, have sewn the emotions, the stories, with which this work has been elaborated and lived.
This quilt is about friendship: the happiness that it brings, the tribulations that challenge us to develop a tight and strong relationship and the permanent “tattoo” that it leaves, forever, in our hearts.

At this moment I finished the top quilt and hope to show you how it is very soon!

Continue Reading

Book Review: O livro de Pantagruel

(scroll for the English version)

O Livro de Pantagruel. Esta é a minha bíblia culinária e dispensa apresentações: deve ser a Bíblia culinária de quase todas as portuguesas de diversas gerações! Alguns destes exemplares já devem, inclusive, ter passado de mães para filhas, várias vezes desde que foi editado pela primeira vez. Escrito pela cantora lírica Berta Rosa Limpo, é um excelente exemplo do tempo em que os livros de cozinha que eram da autoria de bons cozinheiros amadores.

“Mas afinal ela é cantora ou cozinheira? Compõe músicas ou refogados? Pois podem crer que faço ambas as coisas com o mesmo entusiasmo.”

Berta Rosa Limpo

No tempo em que o segredo profissional dos grandes chefs era a alma do seu negócio, eram as boas cozinheiras amadoras que se dedicavam a escrever livros básicos para quem quer aprender a cozinhar!
Muito mudou até hoje e, no que diz respeito ao Livro de Pantagruel, desde 1946 que já foram editadas 73 edições daquela que é considerada a maior obra de culinária em língua portuguesa. As edições mais recentes contam com a reavaliação de ambos os filhos de Berta Rosa Limpo e 5000 receitas testadas.

Creio que muitos de nós guardam uma imagem infantil deste livro: aquele que parecia tão grosso que achávamos ser impossível de ler mas que entre mães e avós parecia conter uma enorme quantidade de sabedoria e credibilidade. Era um livro sério, algo misterioso. Tão sério como uma boa enciclopédia, como um livro de feitiços, de magias, que ensinavam as mãos de todas as senhoras a cozinhar as coisas mais maravilhosas!

E a verdade é que o Livro de Pantagruel é, tal e qual nos lembramos, um livro intenso: aliás, como se queria de um livro naquele tempo. Um livro que ensinasse a cozinhar desde os processos mais simples às receitas internacionais mais complexas. Desde os licores (foi aqui que encontrei a receita base para o meu licor de menta), ao pão, aos assados e aos cocktails! Este livro contaram recolha intensa de 5000 receitas densamente apresentadas mas carinhosamente escritas. A apresentação pouco se alterou desde a primeira edição, os termos parecem ter saído do discurso das nossas avós e são muitas vezes intercalados com pequenos versos ou citações de autores como Eça de Queiroz ou Fernando Pessoa. Ficamos logo a saber que estamos perante um livro sério, escrito por quem sabe, por quem fez e testou, vezes sem conta, e quis disponibilizar ao mundo os segredos, não de um chef de alta cozinha, mas de um cozinheiro caseiro. Contudo não podemos esconder que são inúmeros os chefs profissionais que o utilizam e o reconhecem como um livro insubstituível em pequenas e grandes bibliotecas culinárias!

The “Livro do Pantagruel”. This is my cooking bible and, in Portugal, it doesn’t need any kind of presentations: it is probably the cooking bible of almost all Portuguese of several generations! Some of the copies of this book have passed from mothers to daughters, several times since it was first published in 1946. Written by the lyrical singer Berta Rosa Limpo, it is an excellent example of the time in which cookbooks were written by good amateur cooks.

“But is she a singer or a cook after all? Does she makes music or food? You must believe that I do both with the same enthusiasm.”

Berta Rosa Limpo

At a time when the professional secret of the great chefs was the lifeblood of their business, amateur cooks were the ones that dedicated themselves to writing basic books for anyone who wants to learn how to cook!
Much has changed until today and, as far as the “Livro de Pantagruel” is concerned, since 1946, 73 editions have been edited of what is considered the greatest written work about cooking in Portuguese language. The most recent editions are reviewed by both Berta’s children and already have 5000 tested recipes.

I think many of Portuguese have a childish picture of this book: the one in our grandmother’s bookshelf that looked so thick we thought it was impossible to read it in a lifetime, but that also seemed to contain an enormous amount of wisdom and credibility. It was a serious book, something mysterious. As serious as a good encyclopedia, or a book of spells which taught the hands of all the ladies to cook the most wonderful things!

And the truth is that the “Livro de Pantagruel” is, as we recall, an intense book in fact, as expected from a book at that time. A book that taught cooking from the simplest processes to the most complex international recipes. From liqueurs (this is where I found the base recipe for my mint liqueur), bread, baked goods and cocktails! This book features an intense collection of 5000 densely presented, but lovingly written, recipes. The presentation has hardly changed since the first edition, the terms seem to have come out of the discourse of our grandmothers and are often interspersed with small verses or quotes from authors such as Eça de Queiroz or Fernando Pessoa. We soon learn that we are dealing with a serious book, written by someone who really knows about cooking at home. Someone who has done and tested her recipes over and over again and who wanted to make her secrets available to the world, not from a gourmet restaurant point of view, but from a homemade kitchen. However we can not hide that there are countless professional chefs who use it and recognize it as an irreplaceable book in small and large culinary libraries!

Continue Reading