Handmade masks everywhere!

(scroll for the English version)

 

Este post não precisa de explicação.

O que de mais curioso tem este momento é que todos sabemos do que se trata, em qualquer lugar.
E claro que não podia deixar de fazer umas máscaras para reutilizar! Elas estão em todo o lado! Para mim, as máscaras em algodão feitas em casa ainda são as mais confortáveis e como ainda temos um período considerável de desconfinamento à nossa frente, arregacei as mangas para fazer algumas.
O tutorial é demasiado fácil para o ignorarmos e há centenas na internet, quase todas já têm um compartimento para um filtro que pode ser desde uma toalhita de bebé seca, um lenço de papel ou um corte de TNT.
Mas se tiverem de usar uma máscara descartável, por favor, não deitem a vossa máscara descartável no chão. Vejam como em tão pouco tempo os plásticos estavam na boca do mundo e, de um momento para o outro, a máscara ou as luvas deitadas no chão são a nossa nova realidade. Não podemos ter uma memória tão curta. Boas costuras!

 

This post needs no explanation.

The most curious thing about this moment is that we all know what it is all about, anywhere.
Of course, I couldn’t help making my own reusable masks! They’re everywhere!  For me, home-made cotton masks are still the most comfortable and, as we still have a considerable period of social distancing in front of us, I rolled up my sleeves to make some.
The tutorial is too easy to ignore and there are hundreds on the internet. Almost all of them already have a compartment for a filter that can be from a dry baby wipe, a tissue or a small cut of nonwoven fabric.
But if you have to wear a disposable mask, please do not throw your disposable mask on the floor. See how plastics were the hipe of the world in February and, in such a short time, we see masks and gloves lying on the floor everywhere. We cannot have such a short memory. Happy sewing!
Continue Reading

Tied Knots using Malabrigo Rios

(scroll for the English version)

 

A primavera chegou mas, o tempo extra em casa dá vontade de usar todo o stash para tricotar!
Desta vez usei uma meada de Malabrigo Rios (Arco Íris, mesmo a calhar!) para tricotar um gorro no modelo Tied Knots de uma das minhas Designers favoritas, a Justyna Lorkowska.
Neste período em que ficar em casa é a regra fomos todos apanhados de surpresa pelo que foi muito bom saber que tinha um stash the fio para usar enquanto as coisas não se endireitassem.
A qualidade da lã Malabrigo é já conhecida de todos, as cores são intensas e memoráveis! O modelo é belíssimo, sem erros e muito fiel! O resultado foi um gorro colorido mas sóbrio que vai alegrar os últimos dias frios e receber-me com um sorriso quando o frio voltar.

 

Spring has arrived but I am using my extra time to knit anyway! So I’ve been working some wool!
This time I used a skein of Malabrigo Rios (Arco Íris, just perfect!) to knit a hat using Tied Knots pattern by one of my favorite designers, Justyna Lorkowska.
In this period when staying at home is the rule, we were all taken by surprise! So it was great to know that I had a stash of yarn to use until things got normal again.
The quality of Malabrigo wool is already known to everyone, unbeatable! The colors are intense and memorable, the pattern is just beautiful, no errors and very faithful! The result was a colorful but sober hat that will brighten up these last chilly days and welcome me with a smile when the cold returns next fall.
Continue Reading

Giveaway: stay at home illustration!

(scroll for the English version)

Os últimos meses têm sido sem precedentes. Foi-nos pedido que ficássemos em casa e mantivéssemos a distância social, mesmo com os nossos entes mais queridos. Creio que ainda estarão para vir mais impactos deste momento. E isso faz-nos refletir sobre a forma como levamos as nossas vidas. Desenganem-se os que pensam que estamos em casa “sem fazer nada”. Uma parte de nós está a trabalhar responsavelmente a partir de casa, com as dificuldades e exigências que isso também acarreta. Outra parte viu-se na função completamente alheia de gerir o ensino em casa junto dos mais novos. Outra parte perdeu o emprego… Na verdade, apenas uma pequena parte “usufruiu” deste momento sem qualquer tipo de preocupações. Mas, a todos, sobrou um pouco mais de tempo consigo mesmo: ou porque as viagens para o trabalho foram evitadas, porque as actividades foram canceladas ou porque o distanciamento social assim o obrigou. E mesmo isso não é recebido por todos da mesma forma: não estamos habituados a estar connosco.
Mas, sem esquecer a parte cruel de um momento tão frágil, resolvi pintar uma ilustração na qual uma grande parte de nós se poderá rever, aqui ou ali, e lembrar que estar connosco não tem de ser uma tarefa difícil, mas pode ser um momento de maior aprendizagem e refúgio se soubermos rodear-nos de bem estar.
Fiz até um curto vídeo de um timelapse de como foi pintar esta peça e oferecer-vos como um pequeno momento algo terapêutico!

E porque estes são sentimentos que todos partilhamos, vou oferecer esta ilustração através de um giveaway no meu Instagram. Para se habilitarem a ganhar esta ilustração original devem cumprir os seguintes requisitos: seguir-me no Instagram, gostar da publicação do giveaway lançada com o hashtag #therabbitholeblogstaysathome, comentar essa mesma publicação com o nome de 3 novos amigos com quem gostassem de partilhar o perfil do blog. Podem participar o número de vezes que desejarem aumentando assim a vossa chance de ganhar. O giveaway está aberto até às 23h59m59s (UTC) do dia 3 de Maio e é válido para todo o mundo! Boa sorte e obrigada por continuarem desse lado!

The past few months don’t have precedents. We were asked to stay at home and maintain social distance, even with our loved ones. I believe that more impacts are yet to come from this moment. And that makes us think about the way we live our lives. Let those who think that we are at home “doing nothing” be disappointed. A part of us is working responsibly from home, with the difficulties and demands that this also entails. Another part of us found themselves in the role of managing homeschooling with the youngest generations. Another part of us lost their job… In fact, only a small part “enjoyed” this moment without any worries. But everyone had a little more time with themselves: because trips to work were avoided, because activities were canceled or because the social distance forced us to do so, and even that is not received by everyone in the same way: we are not used to be with ourselves.
Without forgetting the cruel part this fragile moment, I decided to paint an illustration in which a large part of us can recognize, here or there, and remember that being with us does not have to be a difficult task. It can be a moment of greater learning and refuge if we know how to surround ourselves with well-being.
I even filmed a short timelapse for you of how it was to paint this piece and provide you a small therapeutic moment!

And because these are feelings that we all share, I will offer this illustration through a giveaway on my Instagram. For you to qualify to win this original illustration, you must meet the following requirements: follow me on Instagram, like the giveaway publication launched with the hashtag #therabbitholeblogstaysathome, comment on that same publication with the name of 3 new friends with whom you would like to share the blog profile. You can participate as many times as you wish to increase your chance of winning. The giveaway is open until 11:59:59 pm (UTC) of May 3 and is valid for everyone in the world! Good luck and thank you for stopping buy!

Continue Reading

Pastel colors rainbows and choices

(scroll for the English version)

O pastel foi uma técnica que não abordamos no curso de pintura. Tive pena porque sinto que ainda tenho muito que aprender com esta técnica. O mais difícil para mim é, ao contrário do que se poderia esperar, trabalhar com uma paleta em vez de fazer as minhas próprias misturas. Não que não seja possível fazê-las até certo ponto mas o resultado nunca é tão bem conseguido como quando temos exactamente a cor que queremos na nossa paleta.

A minha paleta de pastel foi construída há uns anos atrás quando tinha aulas particulares. O objectivo era ter uma paleta abrangente e os temas eram realistas.
Hoje, depois de alguns anos a experimentar-los, descobri que o pastel é uma técnica que eu adoro usar para quadros de crianças. Há um certo encanto, um certo jeito de ilustração, que o material dá às obras. Como se fosse um pó mágico que ora marca, ora se dispersa, tal e qual a nossa visão sobre as histórias que são ilustradas na memória.

A segunda coisa que descobri é que, apesar de eu ter uma paleta generosa, não estou em posição de a terminar. Já dei por mim a pensar: não era bem esta cor, era um pouco mais intensa. Creio que isto revela algum poder de abstração característico da arte: conseguimos imaginar exactamente a cor que queremos e é um pouco frustrante quando não a temos (ou no caso de outras técnicas de mistura-la). Dou por mim a comparar 6 tons de vermelho escarlate que diferem em décimas de manómetro no comprimento de onda. Preciso por vezes de me chamar à razão.

A terceira coisa que descobri é que, por outro lado, com o pastel sinto que tenho de restringir a minha paleta antes de começar a pintar: se por um lado a minha paleta tem de ser diversa, a verdade é que me sinto muito melhor quando escolho e uso, criteriosamente, apenas uma mão cheia de cores. Parece contraditório mas sinceramente tem revelado resultados muito mais interessantes do que quando tenho toda a paleta disponível.

 

Pastel is a technique that we did not address in the painting course last year. I was disappointed because I feel that I still have a lot to learn from this technique. The hardest thing for me is, contrary to what you might expect, working with a palette instead of making my own mixes. Not that it is not possible to make them with pastel at least to a certain extent, but the result is never as well achieved as when we have exactly the color we want in our palette.


My pastel palette was built a few years ago when I had private lessons. The aim was to have a comprehensive palette to address realistic themes.
Today, after a few years of experimenting with them, I discovered that pastel is a technique that I love to use for children’s paintings. There is a certain charm, a certain feel of “illustration”, that the material gives to my works. As if it were a magic powder that both lines, are disperses, just like our view of the stories that are “illustrated” in our memory.


The second thing I discovered is that, although I have a generous palette, I am not in a position to consider it finished. I already found myself thinking: “it isn’t quite this color, I want it a little more intense”. I believe that this reveals some abstraction power that is characteristic of art: we can imagine exactly the color we want and it is a little frustrating when we don’t have it (or mix it). I find myself comparing 6 shades of scarlet red that differ in tenths of a manometer in their wavelength value. I sometimes need to call myself to reason!


The third thing I discovered is that, on the other hand, with the pastel I feel that I have to restrict my palette before I start painting: if on the one hand my general palette has to be diverse, the truth is that I feel much better when I choose and use, judiciously, just a handful of colors in a painting. It seems contradictory but honestly it has revealed much more interesting results than when I have my entire palette available.

Continue Reading