Homemade Granola Favourite Recipe

(scroll for the English version)

Há coisas que tomamos como adquiridas. Os cereais de pequeno almoço e as papas são uma delas. Vêm tão transformados que nos impedem de pensar de onde apareceram, qual a sua origem e porque razão os comemos hoje. Mas o conceito dos cereais de pequeno almoço não foi inventado por nenhuma marca de produtos alimentares. Assim como as papas. Derivam de hábitos alimentares e de receitas que eram feitas em casa um pouco por todo o mundo.
Muito embora a onda recente da culinária caseira tenha vindo para ficar, parece que ainda não nos atingiu em força no que diz respeito a pequenos almoços. Há muitas receitas por aí! Mas ainda não conseguimos aplicá-las devidamente no dia a dia. Não sei se é a nossa vida acelerada, as manhãs agitadas ou a força do hábito de não tomar um bom pequeno almoço em casa, a verdade é que continuamos tendenciosos para a compra e consumo daquelas caixas de cartão milagrosas que enchem todo um corredor de supermercado… mas cheias de quê?

E de facto, não posso esconder que assim que o meu corpo tomou consciência das quantidades brutais de açucares que os cereais contêm começou, aos poucos, a rejeitá-los. Aquilo não estava feito para mim, não me agradava assim tanto o sabor e o meu sistema digestivo começava a reagir. Eu nem sequer tinha de comer aquilo. No entanto, sair sem tomar o pequeno almoço está fora de questão porque eu adoro, acima de tudo, o momento, o espaço temporal de tomar o pequeno almoço. Prefiro vestir-me a correr do que dispensar um minuto que seja do meu tempo a comer logo pela manhã. E hoje, uma coisa que me deixa desconsolada é ter de recorrer aos velhos cereais pré feitos quando não há pão ou o que apetece é ter alguma coisa para combinar com um excelente iogurte caseiro!

Então comecei a procurar alternativas para o pequeno almoço que me dessem alguma diversidade pela manhã, me servissem como escapatórias para eventuais emergências do tipo “Oh não! Não tenho tempo de ir comprar pão!” e que não me deixassem a boca a saber a cartão ou um desconsolo no estômago.
Entre as possibilidades que criei para ter à minha disposição, comecei a fazer Granola em casa. Experimentei várias receitas e percebi que, não só é mais saudável como aguenta bastante tempo num grande frasco, é absurdamente fácil de fazer e deixa um aroma divinal em casa. Foi novamente no Blog da Constança, que encontrei a receita de Granola que faço com mais regularidade. Ela já a adaptou do livro “Gifts from the Kitchen” e, entretanto eu mesma já fiz uma série de variações. Algumas, partilharei convosco muito brevemente! Contudo acho que, para começar, o ideal é mesmo fazerem a receita base e só depois introduzirem alterações consoante os vossos gostos. Podem ver a receita aqui. Como eu vario bastante o que como diariamente ao pequeno almoço, faço apenas uma receita de cada vez. Mas para quem tem muitos adeptos da granola em casa e pretende comê-la diariamente, podem arriscar e fazer a dobrar. Mas atenção, o ideal é mesmo comê-la no prazo de um mês.
Para guardar, um ou dois frascos herméticos são o recipiente ideal já que as latas são mais difíceis de lavar e não vedam devidamente.

Não se esqueçam que o blog está a festejar o seu primeiro aniversário e há uma surpresa, pintada por mim, para todos os que subscreverem! Para saberem mais espreitem aqui.

 

There are things we take for granted. Breakfast cereals and baby cereals are one of them. This type of food is highly transformed that it stop us from thinking about whats in it, where they came from and why we eat them today. But the concept of breakfast cereals was not invented by any food brand. Neither baby cereals. They come from eating habits and recipes that were made at home all over the world many many years ago.
Even though the recent trend of home cooking has come to stay, it does not seem to have hit us yet as far as breakfasts are concerned. There are lots of recipes out there! But we still can not apply them properly in everyday life. I do not know if it’s our fast-paced life, the busy mornings, or the habits of not having a good breakfast at home. The think is that we’re still biased toward buying and consuming those miraculous card boxes that fill an entire supermarket aisle… but full of what?

And indeed, I can not lie: as soon as my body became aware of the brutal amounts of sugars that the breakfast cereals contain, it slowly began to reject them. It was not for me, I did not like the taste so much, and my digestive system was beginning to react. I realized that I did not even have to eat that! However, leaving home without having breakfast is out of the question because I love, above all, the timing of having breakfast in the morning. I’d rather get dressed faster than to give up a minute of my time eating breakfast. And today, one thing that makes me annoyed is to have to rely on that old pre-made cereal when there is no bread at home or other thing to match with an excellent homemade yogurt!

So I began to look for alternatives for my breakfast that would give me some diversity in the morning, to serve as an escape for the eventual “Oh no! I do not have time to go and buy bread!”, that did not leave my mouth tasting like cardboard or a discomfort in my stomach.
Among the possibilities I created to have at my disposal, I started to make Granola at home. I have tried several recipes and realized that not only is it healthier for me, it also holds a long time in a big jar, it is absurdly easy to make and leaves a great aroma at home while your making it. I found the recipe of Granola that I do with more regularity among Constança’s blog. She has already adapted it from the book “Gifts from the Kitchen” and I myself have already made a several alterations. Some, I will share with you very soon! However, I think that, for starters, the best idea is to make the basic recipe and only then make changes according to your tastes. You can follow the recipe here. I make just one recipe at a time. But for those who have many granola eaters at home and want to eat it daily, you can risk and double the recipe. But please, be aware that it must be eaten within a month or so.
To store use one or two hermetically sealed jars. You can also use a tin but they get harder to wash and might not seal properly.

Do not forget that the blog is celebrating its first anniversary and there is a surprise, painted by me, for everyone who subscribes! To know more click here.

You may also like

Leave a Reply

Your email address will not be published.