My handmade windbreaker

(scroll for the English version)

Quem vive no norte de Portugal sabe que, sobretudo no início do verão, pode contar com vento forte vindo de norte/noroeste na praia, durante a tarde: a chamada Nortada. Não é uma verdade absoluta para todos os dias assim como há dias em que há vento norte o dia inteiro!
Ora, cá por cima ninguém deixa de ir à praia por causa disso. Vento não é nada que não se resolva com um belo pára-vento.
Há uns anos, passei uma semana de férias no Algarve no início de Junho. Por norma, o vento lá não se faz sentir muito forte. Contudo, naquela semana não se via ninguém na praia porque quem chegava era desencorajado por um vento que não é habitual. Felizmente, nós temos o nosso pára-vento sempre a postos na mala do carro e por isso pudemos fazer praia com toda a comodidade.

Infelizmente cada vez é mais difícil encontrar bons pára-ventos. Os melhores têm espias de madeira (e portanto ocupam mais espaço) mas geralmente vêm em padrões pouco atractivos. Os mais bonitos (que normalmente estão nos supermercados) têm espias de metal desdobráveis que acumulam areia, vergam e enferrujam.
Face às duas possibilidades optei pelos que têm espias de madeira mas tive de me contentar com um padrão liso num tecido de fraca qualidade. Infeliz ou felizmente o tecido era tão fraco que acabou por romper no local onde encaixam as espias pelo que ficou inutilizado. Mas as espias de madeira estavam novas e tinham muito potencial… Por isso arregacei as mangas, comprei um pedaço de chita e fiz o meu próprio pára-vento. O tecido é bem mais resistente, bonito e como é bastante original é muito fácil localizar o meu pára-vento quando os amigos se juntam a nós na praia!

 

Those who live in the north of Portugal know that, in early summer, there is a strong north/northwest wind at the beach, during the afternoon. We call it Nortada. It is not an absolute truth for every single day and there are some days when the north wind blows all day long!
Well, we are so used to it that it doesn’t stop us going to the beach. For us, wind is nothing that can not be solved with a beautiful windbreaker.
A few years ago I spent a week in the Algarve in the beginning of June. Normally, the wind is not strong at the Algarve. However, that week no one was going to the beach. Those who arrived were discouraged by a strong unusual wind. Fortunately, we always have our windshield in our car (just in case) and so we could stay at beach with all the comfort! And all alone!

Unfortunately it is becoming more and more difficult to find good windbreakers. The best ones have wooden stakes (and therefore they take more space) but usually come in unattractive patterns. The prettiest ones (that are usually sold in the supermarkets) have folding metal stakes that accumulate sand, that buck and rust.
Faced with both possibilities I opted for those with wooden stakes but I had to please myself with a plain red fabric of poor quality. Unhappily (or fortunately) the fabric was so weak that it eventually broke where the stakes fit so it became unusable. But the wooden stakes were new and had a lot of potential… So I had an ideia, I bought a piece of Portuguese chita and made my own windbreaker. The fabric is much stronger, beautiful and, as the windbreaker is quite unique, it is very easy to locate when friends join us on the beach!

GuardarGuardar

You may also like

4 Comments

  1. ah…a nossa querida nortada 🙂 Com ela já aprendi a lidar (eu não sou do Porto), mas praia aqui a norte ainda não aprendi a gostar 😀
    A chita nunca desilude e o teu para-vento ficou lindo!! 🙂

    1. Obrigada Ana! Tens razão, um pedaço de chita nunca desilude. A Nortada por vezes é uma grande chatice. Quanto à praia, há praias bonitas o que pode ajudar um pouco a esquecer a temperatura da água, o vento e as rochas em algumas zonas!

  2. Para mim praia também tem de ser mais quentinha. Sou do centro e nem da Nazaré consigo gostar muito por causa do mar…
    Mas falando de coisas maravilhosas, o teu pára-vento ficou espectacular! Deve fazer sensação em qualquer praia 🙂

    1. A verdade Vanessa é que já estou acostumada com o vento e tento tirar o melhor partido das lindas praias que temos ao longo da costa. O pára-vento já me deu direito a alguns elogios! Gostava muito de fazer um tutorial, contudo, para que fique bem, leva algum tempo…

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *